‘Insô­nia’ ecoa a se­de de po­der do bar­do

‘Ti­tus An­dro­ni­cus’ e ‘Mac­beth’, de Sha­kes­pe­a­re, se cru­zam com Helena Ig­nez e Djin Sgan­zer­la em uma ins­ta­la­ção so­no­ra

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Le­an­dro Nu­nes

Quan­do es­tre­ou Chekhov É Um Co­gu­me­lo, em 2017, o di­re­tor An­dré Gu­er­rei­ro Lo­pes re­vi­si­tou a his­tó­ri­ca mon­ta­gem de As Três Ir­mãs, de Zé Cel­so, pa­ra con­ce­ber uma es­pe­tá­cu­lo mo­vi­do pe­lo pen­sa­men­to. De cer­ta for­ma, a vi­a­gem psi­co­dé­li­ca do Te­a­tro Oficina im­pul­si­o­nou a in­ves­ti­ga­ção mís­ti­ca na ver­são adap­ta­da por Lo­pes.

Es­tre­ou na sex­ta, 13, uma cer­ta con­ti­nui­da­de des­se tra­ba­lho, ao me­nos na lin­gua­gem, por par­te do di­re­tor. Em Insô­nia – Ti­tus Mac­beth, ele se une a Helena Ig­nez e Djin Sgan­zer­la, também presentes em Co­gu­me­lo, pa­ra ins­pe­ci­o­nar o mun­do som­brio e san­gren­to da cons­pi­ra­ção po­lí­ti­ca no uni­ver­so sha­kes­pe­a­ri­a­no.

O al­vo são dois tex­tos do bar­do re­ple­tos de sin­gu­la­ri­da­des. En­quan­to Ti­tus An­dro­ni­cus é sa­tu­ra­do de ce­nas de vi­o­lên­cia, Mac­beth des­per­ta o sa­bor do con­luio e da trai­ção po­lí­ti­ca. “É in­te­res­san­te pen­sar que Ti­tus é um mun­do já de­su­ma­ni­za­do. Os ho­mens não es­con­dem o ódio e es­tão sem­pre se­den­tos de vi­o­lên­cia. No ca­so de Mac­beth, es­se de­se­jo vil ain­da es­tá en­vol­vi­do em uma tra­ma, jus­ti­fi­ca­da por for­ças so­bre­na­tu­rais e fei­ta às es­con­di­das. Em Ti­tus, as ce­nas de vi­o­lên­cia são ex­plí­ci­tas. Não é o ca­so de Mac­beth, em que os as­sas­si­na­tos es­tão fora da cena prin­ci­pal”, ex­pli­ca.

An­te­ri­or a Mac­beth, Ti­tus An­dro­ni­cus é considerad­o um texto in­fe­ri­or em re­la­ção às de­mais tra­gé­di­as do bar­do. “Há um cer­to exa­ge­ro na pe­ça”, conta Lo­pes. “O es­pí­ri­to im­pe­tu­o­so de um ge­ne­ral da Ro­ma An­ti­ga faz da his­tó­ria a mais san­gren­ta das pe­ças de Sha­kes­pe­a­re. Re­cém-che­ga­do da guer­ra con­tra os go­dos, Ti­tus re­cu­sa-se a ocu­par o pos­to de im­pe­ra­dor, atrain­do mui­to sangue na dis­pu­ta pe­lo tro­no. In­clua no texto ce­nas de de­ca­pi­ta­ção, mu­ti­la­ção, es­tu­pro e ca­ni­ba­lis­mo. Conta-se que na mon­ta­gem do di­re­tor in­glês Pe­ter Bro­ok, em 1955, uma am­bu­lân­cia fi­cou es­ta­ci­o­na­da ao la­do do te­a­tro pa­ra o ca­so de ter de aten­der os es­pec­ta­do­res mais sen­sí­veis. Por ou­tro la­do, a pe­ça des­per­ta ou­tro ti­po de in­te­res­se em Lo­pes. “O texto tem mui­tas la­cu­nas e um rit­mo se­me­lhan­te aos tex­tos mo­der­nos.”

O mes­mo não ocor­re em Mac­beth, ce­le­bra­da no mun­do to­do como uma das prin­ci­pais cri­a­ções do dra­ma­tur­go. A pe­ça é a con­cre­ti­za­ção da ma­tu­ri­da­de de seu au­tor, na cons­tru­ção de um texto ins­ti­gan­te. Ao con­trá­rio da vi­o­lên­cia exa­cer­ba­da de

Ti­tus, Mac­beth se con­cen­tra na cons­pi­ra­ção en­tre o ge­ne­ral e sua mu­lher, Lady Mac­beth, pa­ra as­sas­si­nar o rei Dun­can. Os cor­pos também vão cair, mas qua­se sem­pre eles não são vis­tos, ape­nas nar­ra­dos. “Mac­beth traz o nas­ci­men­to do ca­os, a sua ges­ta­ção, quan­do ain­da é pre­ci­so men­tir e en­ga­nar. Em

Ti­tus, es­sas más­ca­ras não são mais ne­ces­sá­ri­as.”

No cru­za­men­to das du­as tra­gé­di­as, o es­pa­ço cê­ni­co do Sesc Ave­ni­da Pau­lis­ta re­ce­be uma ins­ta­la­ção so­no­ra. “Ins­ta­la­mos mi­cro­fo­nes de con­ta­tos es­pa­lha­dos pe­los ce­ná­ri­os que am­pli­am a vi­bra­ção, quan­do ma­ni­pu­la­dos pe­lo elen­co. O pú­bli­co vai ou­vir o ba­ru­lho pro­vo­ca­do pe­lo ma­nu­seio de pe­dras e água.”

Helena Ig­nez in­ter­pre­ta o ge­ne­ral ro­ma­no e a filha, Djin, faz a vez de Lady, ao la­do do elen­co de Mi­che­le Ma­ta­lon, Sa­mu­el Ka­va­lers­ki, Dir­ceu de Car­va­lho e Camila Bos­so.

Ser­vi­ço

INSÔ­NIA – TI­TUS MAC­BETH.

SESC AVE­NI­DA PAU­LIS­TA.

AVE­NI­DA PAU­LIS­TA, 119. TEL.: 3170-0800. 5ª, 6ª, SÁB., 21H, DOM., 18H. R$ 20 / 10. ATÉ 20/10

ALEX SILVA/ESTADÃO

Mun­do som­brio. No san­gren­to uni­ver­so sha­kes­pe­a­ri­a­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.