Te­mas po­lí­ti­cos, amo­ro­sos e dan­çan­tes mar­cam show

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 -

Di­re­tor ar­tís­ti­co de A Pe­le do Fu­tu­ro, o dis­co, Mar­cus Pre­to é também o res­pon­sá­vel pe­la cons­tru­ção do ro­tei­ro do no­vo show de Gal Cos­ta – em diá­lo­go com a can­to­ra. Mar­cus gos­ta de ins­ti­gá-la ar­tis­ti­ca­men­te com no­vi­da­des – ou com bem-vindos res­ga­tes ti­ra­dos de sua obra. Nes­sa tro­ca, Gal con­tou a ele, por exem­plo, so­bre seu de­se­jo de ter “uma coi­sa dan­çan­te” no es­pe­tá­cu­lo. “En­tão, na ho­ra de ir atrás das can­ções, eu fa­lei que ti­nha que ter um blo­co de mú­si­cas pa­ra dan­çar, e ob­vi­a­men­te es­se blo­co ti­nha que ser no fi­nal, porque é a melhor ho­ra pa­ra is­so. Aí fiquei pen­san­do em di­vi­dir es­se ro­tei­ro em três par­tes”, conta ele.

Se­gun­do Mar­cus, a apre­sen­ta­ção pre­ci­sa­va ter “um dedo na po­lí­ti­ca também”. Sur­giu, en­tão, a ideia do pri­mei­ro blo­co. “Te­ve es­pe­lho com o co­me­ço da car­rei­ra, com o tro­pi­ca­lis­mo, e ime­di­a­ta­men­te veio Ma­mãe Coragem,e Lon­don, Lon­don. In­clu­si­ve, tem uma par­te in­tei­ra na le­tra que é di­fe­ren­te da ver­são que a gen­te apren­deu com o RPM, que ti­nha apren­di­do com Ca­e­ta­no, tem uma es­tro­fe in­tei­ra ali que é da gravação de­la. A gen­te manteve nes­sa ver­são no­va”, diz.

As Cur­vas da Es­tra­da de San­tos, de Ro­ber­to e Eras­mo Car­los, também foi ideia de Gal. “Porque ela ti­nha can­ta­do lá atrás em al­gum show e nun­ca gra­vou. Fora que es­sa mú­si­ca também tem a ver com exí­lio. Ro­ber­to foi a Lon­dres, mos­trou es­sa mú­si­ca pa­ra Ca­e­ta­no, que te­ve uma cri­se de cho­ro e, por cau­sa dis­so, Ro­ber­to compôs De­bai­xo dos Ca­ra­cóis dos Seus Ca­be­los pa­ra ele”, re­lem­bra Mar­cus.

Já o meio do show traz um blo­co amo­ro­so, re­fle­xo também da at­mos­fe­ra que mar­ca o dis­co A Pe­le do Fu­tu­ro (que con­tou ain­da com pro­du­ção de Pu­pil­lo).

“E o fi­nal é is­so: va­mos dan­çar mes­mo, co­me­çan­do com Chu­va de Prata, que é uma das mú­si­cas que mais to­ca­ram na minha in­fân­cia”, con­ti­nua ele. “Achei que ti­nha de ter Chu­va de Prata, uma mú­si­ca bonita, uma le­tra le­gal, uma coi­sa mais abra­ça­di­nho pa­ra de­pois po­der entrar a fa­se dis­co e os fre­vos, que são apo­teó­ti­cos.”

VERISSIMO EXCEPCIONA­LMENTE, NÃO PU­BLI­CA­MOS A CO­LU­NA HOJE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.