A FIC­ÇÃO E O FI­LÓ­SO­FO

O Estado de S. Paulo - - Aliás - Mar­tim Vas­ques da Cu­nha

Nos úl­ti­mos anos, uma das mai­o­res bo­ba­gens lan­ça­das pe­la crí­ti­ca li­te­rá­ria é a de que há uma dis­pa­ri­da­de en­tre o escritor que re­fle­te so­bre a sociedade on­de vi­ve, por meio dos seus tra­ta­dos de não fic­ção, e o ro­man­cis­ta que dra­ma­ti­za as idei­as do mun­do que ha­bi­ta em uma for­ma nar­ra­ti­va fei­ta pa­ra ca­ti­var a ima­gi­na­ção do lei­tor. Se­gun­do es­ses crí­ti­cos, o su­jei­to que pra­ti­ca o dis­cur­so en­saís­ti­co se­ria in­com­pa­tí­vel com a ela­bo­ra­ção de uma his­tó­ria ca­paz de ter o mes­mo impacto de um axi­o­ma fi­lo­só­fi­co – e vi­ce-ver­sa.

Nada mais er­ra­do. A his­tó­ria da li­te­ra­tu­ra mun­di­al mos­tra que, mui­tas ve­zes, a não fic­ção ali­men­ta a fic­ção. É só ver os ca­sos exem­pla­res de Julio Cor­tá­zar, Ed­mund Wil­son, Jor­ge Luis Borges, Her­mann Bro­ch e Tho­mas Mann. To­dos fo­ram ex­ce­len­tes en­saís­tas no de­cor­rer da cons­tru­ção da sua obra e, sem o exer­cí­cio do pen­sa­men­to abs­tra­to que au­xi­lia na con­tem­pla­ção do Ser, ja­mais con­se­gui­ri­am pro­du­zir a car­ne e o os­so dos seus per­so­na­gens fic­ci­o­nais.

O Brasil tem ago­ra a opor­tu­ni­da­de de re­con­si­de­rar es­sa fa­lá­cia com o lan­ça­men­to da coleção Fic­ções Fi­lo­só­fi­cas, pu­bli­ca­da pe­la É Realizaçõe­s – e que cons­ta de três tí­tu­los inau­gu­rais: As Me­mó­ri­as de Undergroun­d, do pen­sa­dor bri­tâ­ni­co Ro­ger Scruton; A His­tó­ria de Rasselas, Prín­ci­pe da Abis­sí­nia,

do gi­gan­te da crí­ti­ca li­te­rá­ria in­gle­sa Sa­mu­el John­son; e Ho­mens da Tar­de,

do fi­ló­so­fo bra­si­lei­ro Ma­rio Fer­rei­ra dos San­tos. No pri­mei­ro li­vro, Scruton mos­tra uma ha­bi­li­da­de in­sus­pei­ta­da na car­pin­ta­ria dra­má­ti­ca da sua tra­ma. O ce­ná­rio é a Che­cos­lo­vá­quia de 1985, al­guns anos an­tes da Re­vo­lu­ção de Ve­lu­do fei­ta por Vá­clav Ha­vel e da que­da do Im­pé­rio So­vié­ti­co que su­fo­ca­va o país. Jan Rei­chl é um jo­vem que, ao la­do da mãe, dis­tri­bui pan­fle­tos no ‘sa­miz­dat’, o sub­ter­râ­neo in­te­lec­tu­al que ser­ve tan­to como me­tá­fo­ra da sua vi­da in­te­ri­or como o ce­ná­rio do en­con­tro amo­ro­so que te­rá com a mis­te­ri­o­sa Bet­ka. Por um des­cui­do de Jan, a mãe de­le é pre­sa pe­lo Ser­vi­ço Se­cre­to che­co, e ele pas­sa a vi­ver uma sur­pre­en­den­te tra­ma com Bet­ka, que o fa­rá ser uma tes­te­mu­nha da tran­si­ção do es­pí­ri­to de uma na­ção que se li­ber­tou gra­ças à po­lis pa­ra­le­la cri­a­da por seus dis­si­den­tes, pa­ra uma no­va pro­vín­cia sus­ten­ta­da pe­lo ca­pi­ta­lis­mo glo­bal de uma Eu­ro­pa re­nas­ci­da.

Já em A His­tó­ria de Rasselas, uma obra-pri­ma que só po­de ser com­pa­ra­da à Uto­pia, de Tho­mas Mo­re, por cau­sa do nú­me­ro de enig­mas fei­tos de­li­be­ra­da­men­te por Sa­mu­el John­son, te­mos a su­pe­ra­ção de um cli­chê da época em que foi es­cri­to – no ca­so, o am­bi­en­te ori­en­ta­lis­ta –, pa­ra me­di­tar­mos so­bre o prín­ci­pe (Rasselas) que de­se­ja, com sua ir­mã Ne­kayah e o po­e­ta Im­lac, des­co­brir como se deve pra­ti­car a sua “es­co­lha de vi­da”. Iso­la­do em um castelo im­pe­ne­trá­vel às tor­men­tas do mun­do re­al, o trio sai em bus­ca de conhecimen­to e sa­be­do­ria, mas en­con­tra so­men­te in­cer­te­za e lu­to. O lu­to, co­mum a to­dos nós, é o te­ma cen­tral de Ho­mens da Tar­de, de Ma­rio Fer­rei­ra dos San­tos, um des­ses mi­la­gres fi­lo­só­fi­cos ocor­ri­dos no Brasil e que até ago­ra pou­cos ou­sam com­pre­en­der ade­qua­da­men­te. Ao te­cer um en­re­do tê­nue so­bre os pro­ble­mas me­ta­fí­si­cos de três ami­gos – Paul­sen, Pi­tá­go­ras e Ví­tor – que ten­tam so­bre­vi­ver nu­ma ca­pi­tal bra­si­lei­ra no fi­nal da dé­ca­da de 1930, Ma­rio con­se­gue es­bo­çar dra­ma­ti­ca­men­te idei­as e axi­o­mas que de­pois se­ri­am de­sen­vol­vi­dos com ri­gor e in­ven­ti­vi­da­de em obras fi­lo­só­fi­cas pos­te­ri­o­res, como Fi­lo­so­fi­as de Afir­ma­ção e Ne­ga­ção (1958) e es­te co­los­so da es­pe­cu­la­ção que é a Fi­lo­so­fia Con­cre­ta (1962).

O que li­ga es­ses três li­vros não é ape­nas o fa­to de que eles são “fic­ções fi­lo­só­fi­cas”, como afir­ma o no­me da coleção que os agru­pou, mas sim que, sem a sín­te­se en­tre a ideia e o dra­ma, es­ses au­to­res ja­mais con­se­gui­ri­am mos­trar ao lei­tor o que acon­te­ce com a vi­da de al­guém que vi­ve nes­ses con­tur­ba­dos tem­pos mo­der­nos. Eles pre­ci­sa­ram cri­ar, ca­da um a seu mo­do, uma no­va for­ma dra­má­ti­ca pa­ra re­tra­tar o que se pas­sa no co­ra­ção dos ani­qui­la­dos que so­mos – e a qual, sem a fic­ção que cri­a­mos nas nos­sas pró­pri­as bi­o­gra­fi­as, ja­mais su­por­ta­ría­mos so­bre­vi­ver nes­te mun­do re­ple­to de in­qui­e­tu­de. Tal­vez a “mo­ral” des­sas his­tó­ri­as (se há al­gu­ma) já te­nha si­do pro­fe­ri­da pe­la prin­ce­sa Ne­kayah ao seu ir­mão Rasselas, cri­a­ções su­bli­mes do dr. John­son (e inu­si­ta­dos pro­du­tos do lu­to que o au­tor sofreu pe­la mor­te de sua que­ri­da mãe), quan­do ela diz, à gui­sa de con­clu­são, que en­quan­to fi­cou pre­o­cu­pa­da com o mo­do da sua “es­co­lha de vi­da”, es­que­ceu-se de pra­ti­car o que era re­al­men­te im­por­tan­te: vi­ver se­gun­do a pers­pec­ti­va da eter­ni­da­de.

Nes­te pon­to, o romance fi­lo­só­fi­co de Ma­rio Fer­rei­ra dos San­tos de­sen­vol­ve o te­ma até che­gar a uma con­clu­são inu­si­ta­da: o ser hu­ma­no pre­ci­sa mer­gu­lhar nas pro­fun­de­zas do nada pa­ra en­tão co­nhe­cer, den­tro de si, que há “al­go” nes­te uni­ver­so apa­ren­te­men­te sem sen­ti­do – e que, a par­tir de­le, po­de­mos en­ca­rar as vi­cis­si­tu­des que nos ata­ca­rão. Mes­mo as­sim, per­ma­ne­ce uma per­gun­ta: e se es­te “al­go” não pas­sar de uma me­ra cren­ça – en­fim, de uma me­ra fic­ção?

Eis aqui o enig­ma também lan­ça­do por Ro­ger Scruton em As Me­mó­ri­as de Undergroun­d. É aqui que a sur­pre­en­den­te car­pin­ta­ria li­te­rá­ria de­mons­tra­da no seu romance mos­tra, em su­as bre­chas, o mes­mo pro­ble­ma es­pi­ri­tu­al que foi vis­lum­bra­do an­te­ri­or­men­te em seus en­sai­os fi­lo­só­fi­cos, como O Ros­to de Deus e A Al­ma do Mun­do. Pa­ra Scruton, a di­men­são me­ta­fí­si­ca es­ta­rá sem­pre su­bor­di­na­da à di­men­são es­té­ti­ca; na prá­ti­ca, is­to sig­ni­fi­ca que, ape­sar do dra­ma in­te­ri­or de Jan Rei­chl ser al­go que o des­trói por com­ple­to, a pro­vá­vel redenção que ele en­con­tra, por meio de um pa­dre que não cum­priu os seus vo­tos, não pas­sa de uma su­pos­ta men­ti­ra que ser­ve ape­nas pa­ra con­so­lá-lo – uma vez que, se­gun­do o fi­ló­so­fo in­glês, a imor­ta­li­da­de da al­ma se­ria a mai­or (e a melhor) de to­das as his­tó­ri­as já con­ta­das pe­lo gê­ne­ro hu­ma­no. Es­te diá­lo­go in­trin­ca­do en­tre o pen­sa­men­to e o dra­ma, ar­ti­cu­la­do nes­ses três li­vros, já in­di­ca o mo­do como a crí­ti­ca li­te­rá­ria ain­da não per­ce­beu a ara­pu­ca que pre­pa­rou pa­ra o lei­tor que pre­ten­de so­men­te se di­ver­tir e sa­bo­re­ar um pou­co da boa li­te­ra­tu­ra. As obras com­ple­tas de Ro­ger Scruton, Sa­mu­el John­son e Ma­rio Fer­rei­ra dos San­tos pre­ci­sam ser li­das e en­ten­di­das em sua uni­da­de com­ple­ta e or­gâ­ni­ca, as­sim como as de outros es­cri­to­res que usa­ram da não fic­ção pa­ra es­ta­be­le­cer pos­te­ri­or­men­te (ou ao mes­mo tem­po) um pro­je­to pu­ra­men­te fic­ci­o­nal.

No fim, o que im­por­ta com es­ses lan­ça­men­tos im­por­tan­tís­si­mos pa­ra o mer­ca­do edi­to­ri­al – e que também in­cen­ti­vam a cri­a­ção de um de­ba­te cul­tu­ral mais sau­dá­vel, es­pe­ci­al­men­te em tem­pos de re­du­ci­o­nis­mos e lin­gua­gens cor­rom­pi­das – é que o en­con­tro da fi­lo­so­fia com a li­te­ra­tu­ra de fic­ção é al­go que deve ser in­cen­ti­va­do não só en­tre os leitores, mas prin­ci­pal­men­te en­tre os cri­a­do­res, es­ses ani­qui­la­dos que ain­da vi­vem no sub­ter­râ­neo da sociedade. Afi­nal, sem uma boa his­tó­ria, o pen­sa­men­to não nos aju­da­rá a com­pre­en­der qual é a nos­sa “es­co­lha de vi­da”; e sem a fi­lo­so­fia, ja­mais te­re­mos a ca­pa­ci­da­de de en­con­trar a con­so­la­ção ne­ces­sá­ria pa­ra fa­zer o en­con­tro com a eter­ni­da­de que só a con­tem­pla­ção do Ser po­de nos dar.

É AU­TOR DE ‘CRI­SE E UTO­PIA – O DI­LE­MA DE THO­MAS MO­RE’ (VIDE, 2012) E ‘A POEIRA DA GLÓ­RIA – UMA (INES­PE­RA­DA) HIS­TÓ­RIA DA LI­TE­RA­TU­RA BRA­SI­LEI­RA’ ).

HO­MENS DA TAR­DE

AU­TOR: MÁ­RIO FER­REI­RA DOS SAN­TOS

EDI­TO­RA: É REALIZAÇÕE­S 376 PÁGS., R$ 69,90

A HIS­TÓ­RIA DE RASSELAS...

AU­TOR: SA­MU­EL JOHN­SON

TRA­DU­ÇÃO: MAR­CE­LO CONSENTINO

EDI­TO­RA: É REALIZAÇÕE­S 384 PÁGS., R$ 69,90

AS ME­MÓ­RI­AS DE UNDERGROUN­D

AU­TOR: RO­GER SCRUTON

TRA­DU­ÇÃO: PE­DRO SETTE-C­MA­RA

EDI­TO­RA: É REALIZAÇÕE­S 336 PÁGS., R$ 64,90

A his­tó­ria da li­te­ra­tu­ra pro­va que a não fic­ção aju­da a fic­ção, ca­so da sé­rie com Sa­mu­el John­son, Má­rio Fer­rei­ra dos San­tos e Ro­ger Scruton

Lu­to. Te­ma de Má­rio Fer­rei­ra dos San­tos

FRANTZESCO KANGARI

Scruton. Au­tor re­fle­te so­bre ‘undergroun­d’ che­co em 1985, an­tes da Re­vo­lu­ção de Ve­lu­do

SIR JOSHUA REYNOLDS/NATIONAL PORTRAIT GALLERY

John­son. O prín­ci­pe de olho no eter­ni­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.