Ini­ci­a­ti­vas hu­ma­ni­zam am­bi­en­te hos­pi­ta­lar

O Estado de S. Paulo - - .Edu -

Pa­ra não com­pro­me­ter o an­da­men­to es­co­lar de cri­an­ças e ado­les­cen­tes, inú­me­ros hos­pi­tais in­fan­tis ofe­re­cem acom­pa­nha­men­to pe­da­gó­gi­co. É o ca­so do Hos­pi­tal Pe­que­no Prín­ci­pe, de Cu­ri­ti­ba (PR). “Nos­sos pe­que­nos pa­ci­en­tes são su­jei­tos múl­ti­plos e in­te­grais. Pre­ci­sa­mos aten­der to­das as su­as ne­ces­si­da­des, não só fi­si­o­ló­gi­cas. Daí a im­por­tân­cia de ga­ran­tir seu di­rei­to ao vín­cu­lo com a es­co­la a par­tir da pre­sen­ça, no hos­pi­tal, de pro­fes­so­res que fa­zem adap­ta­ção cur­ri­cu­lar, de­sen­vol­vem con­teú­do, en­si­nam e fa­zem ava­li­a­ções”, ex­pli­ca Maria Gloss, co­or­de­na­do­ra do Nú­cleo de Hu­ma­ni­za­ção da ins­ti­tui­ção.

Mas, pa­ra tor­nar o am­bi­en­te hos­pi­ta­lar mais hu­ma­ni­za­do e aco­lhe­dor e também in­ter­fe­rir, de for­ma po­si­ti­va, no de­sen­vol­vi­men­to pe­da­gó­gi­co des­sas cri­an­ças, é pre­ci­so ir além e pen­sar ini­ci­a­ti­vas que dei­xem o pe­río­do de in­ter­na­ção me­nos es­tres­san­te. É aí que en­tram em cena di­fe­ren­tes es­tra­té­gi­as, como ofi­ci­nas de de­se­nho, au­las de mú­si­ca e brin­que­do­te­ca.

Maria afir­ma que não exis­tem da­dos quan­ti­ta­ti­vos so­bre os be­ne­fí­ci­os do tratamento hu­ma­ni­za­do e in­te­gral, mas a mu­dan­ça no com­por­ta­men­to das cri­an­ças é vi­sí­vel, qua­se pal­pá­vel. “A gen­te per­ce­be como o humor des­sa cri­an­ça fi­ca di­fe­ren­te. Ela se tor­na até mais ade­ren­te ao tratamento. Sua per­ma­nên­cia no hos­pi­tal fi­ca mais re­la­xa­da, tran­qui­la. O uni­ver­so do cui­dar é mai­or que o uni­ver­so do cu­rar. Nem sem­pre po­de­mos cu­rar, mas nós po­de­mos cui­dar o tem­po to­do.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.