Projetos ino­va­do­res

Com mé­to­do que pri­o­ri­za a apren­di­za­gem por meio da ex­pe­ri­ên­cia, Es­co­la Pri­mei­ra pre­pa­ra cri­an­ças pa­ra um mun­do em cons­tan­te trans­for­ma­ção

O Estado de S. Paulo - - .Edu -

Ca­da vez mais co­nec­ta­do e ex­pos­to a um mun­do vas­to de in­for­ma­ções, o jo­vem de hoje de­man­da um no­vo mo­de­lo de es­co­la, que não ape­nas re­pas­se o con­teú­do. O atu­al de­sa­fio da edu­ca­ção é bus­car for­mas de en­si­nar que pre­pa­rem os es­tu­dan­tes pa­ra um mun­do em que mui­tas pro­fis­sões vão de­sa­pa­re­cer e ou­tras vão sur­gir, afetadas pe­la tec­no­lo­gia.

Nes­se di­fí­cil pro­ces­so, co­lé­gi­os que já nasceram com um olhar ino­va­dor sa­em na fren­te – ca­so da Es­co­la Pri­mei­ra, na Vi­la No­va Conceição, zo­na sul de São Paulo. A es­co­la foi cri­a­da há 10 anos com fo­co na edu­ca­ção in­fan­til, e a em­prei­ta­da bem-su­ce­di­da fez com que abris­se, em 2016, tur­mas do en­si­no fun­da­men­tal 1. Na Pri­mei­ra, a aqui­si­ção da lín­gua in­gle­sa é as­se­gu­ra­da com um cur­so ex­tra do idi­o­ma no con­tra­tur­no, que in­clui vi­vên­ci­as em si­tu­a­ções do co­ti­di­a­no.

Não há a di­vi­são por ma­té­ri­as, sua li­nha pe­da­gó­gi­ca é a Apren­di­za­gem por Projetos. Os edu­ca­do­res es­cu­tam os in­te­res­ses das cri­an­ças e os ar­ti­cu­lam com as di­re­tri­zes cur­ri­cu­la­res. Os projetos são como ali­cer­ces pa­ra a cons­tru­ção de to­do o con­teú­do li­ga­do à gra­de cur­ri­cu­lar. “No pro­je­to Me­nos Plás­ti­co, os alu

nos do 3º ano fi­ze­ram uma cam­pa­nha e con­se­gui­ram con­ven­cer a es­co­la a op­tar pe­los co­pos de vi­dro. Com os úl­ti­mos co­pos des­car­tá­veis usa­dos, es­tão cons­truin­do um lus­tre. Nes­sas ações, tra­ba­lham con­teú­dos de di­ver­sas áre­as, como ma­te­má­ti­ca, lin­gua­gem e ci­ên­ci­as”, ex­pli­ca a diretora Cristina Fer­nan­des.

Es­ses projetos, se­jam eles uma cam­pa­nha pa­ra re­ti­rar os co­pos plás­ti­cos da es­co­la ou a cons­tru­ção de uma na­ve es­pa­ci­al com su­ca­ta, sur­gem a par­tir da ne­ces­si­da­de de se aprender um con­teú­do do cur­rí­cu­lo, uma in­ves­ti­ga­ção es­pon­tâ­nea ou um pro­ble­ma na co­mu­ni­da­de.

Como fer­ra­men­ta pe­da­gó­gi­ca que ser­ve de apoio aos projetos es­tá a Fei­ra Or­gâ­ni­ca, re­a­li­za­da to­da se­gun­da-fei­ra na es­co­la. A em­pre­sa M&F le­va cai­xo­tes com fru­tas, ver­du­ras, ovos e mel or­gâ­ni­cos que po­dem ser com­pra­dos pe­los pais e fun­ci­o­ná­ri­os. A fei­ra é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra os alu­nos aprenderem, na prá­ti­ca, con­teú­dos de áre­as como sus­ten­ta­bi­li­da­de. Se­ja com­pran­do, brin­can­do ou con­ver­san­do com o fei­ran­te.

Pen­sar em re­de

Pre­ten­de­mos que as cri­an­ças gos­tem de se lan­çar ao des­co­nhe­ci­do e se­jam agen­tes de mu­dan­ças” Cristina Fer­nan­des, diretora da Es­co­la Pri­mei­ra

Por que a Apren­di­za­gem por Projetos? Porque ela per­mi­te ana­li­sar, iden­ti­fi­car, er­rar, cor­ri­gir, es­cu­tar o ou­tro, ar­gu­men­tar, mudar de ideia, es­ta­be­le­cer re­la­ções, com­par­ti­lhar conhecimen­to e pen­sar em re­de. Com es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as, a cri­an­ça apren­de com sen­ti­do e ad­qui­re múl­ti­plas com­pe­tên­ci­as, como au­to­no­mia e cri­a­ti­vi­da­de.

O ob­je­ti­vo é for­mar jo­vens que pos­sam ter um de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral e glo­bal em um mun­do cons­tan­te­men­te afe­ta­do por no­vas tec­no­lo­gi­as. “Pre­ten­de­mos que eles se tor­nem pes­so­as in­te­res­sa­das por aprender e gos­tem de se lan­çar ao des­co­nhe­ci­do”, re­su­me a diretora.

No ate­liê, cri­an­ças do 3º ano re­a­pro­vei­tam os úl­ti­mos co­pos des­car­tá­veis usa­dos pe­la es­co­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.