O alu­no como pro­ta­go­nis­ta

Com sa­la ma­ker e de olho nas in­di­vi­du­a­li­da­des, Co­lé­gio Stoc­kler for­ma jo­vens com per­fil co­la­bo­ra­ti­vo e sen­so crí­ti­co de mun­do

O Estado de S. Paulo - - .Edu -

For­mar jo­vens que in­gres­sem no mer­ca­do com uma vas­ta for­ma­ção cul­tu­ral, que te­nham uma lei­tu­ra crí­ti­ca de mun­do e um per­fil co­la­bo­ra­ti­vo é o de­sa­fio das es­co­las atu­al­men­te. A mis­são de se rein­ven­tar e che­gar a um for­ma­to de en­si­no ino­va­dor é com­ple­xa, mas al­gu­mas instituiçõ­es já tri­lham o ca­mi­nho do su­ces­so. Ca­so do Co­lé­gio Stoc­kler.

Lo­ca­li­za­do no Bro­o­klin, em São Paulo, o co­lé­gio apos­ta em um mé­to­do de apren­di­za­gem por projetos que ex­plo­ra o le­van­ta­men­to de hi­pó­te­ses, a ela­bo­ra­ção de pro­tó­ti­pos e a pos­si­bi­li­da­de de com­par­ti­lhar os re­sul­ta­dos com a co­mu­ni­da­de. “A ex­pe­ri­ên­cia do alu­no es­tá mais sig­ni­fi­ca­ti­va des­de o ano pas­sa­do, quan­do in­tro­du­zi­mos a me­to­do­lo­gia de apren­di­za­gem cri­a­ti­va”, ex­pli­ca a diretora pe­da­gó­gi­ca Jo­sely Ma­gri.

Cri­a­da pe­lo Instituto de Tec­no­lo­gia de Mas­sa­chus­sets (MIT), es­sa me­to­do­lo­gia par­te da ne­ces­si­da­de de com­pre­en­der as par­ti­cu­la­ri­da­des de ca­da alu­no, aju­dan­do-o a de­sen­vol­ver ha­bi­li­da­des so­ci­o­e­mo­ci­o­nais, cri­a­ti­vi­da­de, cu­ri­o­si­da­de e in­ves­ti­ga­ção. “É um mé­to­do de en­si­no que ques­ti­o­na os sis­te­mas de edu­ca­ção atu­ais e pro­põe con­cei­tos como des­cen­tra­li­za­ção, personaliz­ação e ga­mi­fi­ca­ção. Ele pro­por­ci­o­na um mai­or en­ga­ja­men­to do es­tu­dan­te no aprendizad­o”, ex­pli­ca a co­or­de­na­do­ra de Projetos

do En­si­no Fun­da­men­tal do Co­lé­gio Stoc­kler, Re­gi­na Ta­ri­fa.

O no­vo mo­de­lo exi­giu mu­dan­ças, como a cri­a­ção de uma sa­la “ma­ker” (es­pa­ço com fer­ra­men­tas, ban­ca­das e gran­des me­sas) e a in­clu­são de um ho­rá­rio na gra­de do 9º ano do en­si­no fun­da­men­tal pa­ra que os alu­nos pos­sam pôr a mão na mas­sa. O no­vo es­pa­ço deu ain­da mais abran­gên­cia à re­a­li­za­ção dos projetos: o alu­no ima­gi­na um pro­ble­ma que gos­ta­ria de re­sol­ver, re­gis­tra o que quer co­lo­car em prá­ti­ca e par­te pa­ra a cri­a­ção e tes­te de pro­tó­ti­pos pa­ra solucionar a ques­tão. Ao fi­nal, ele com­par­ti­lha os re­sul­ta­dos com os co­le­gas, re­fle­te so­bre as ações e par­te pa­ra no­vos projetos.

Com a me­to­do­lo­gia, o Co­lé­gio Stoc­kler ti­ra do pro­fes­sor o pro­ta­go­nis­mo na sa­la de au­la e pri­o­ri­za o pa­pel do alu­no, que par­ti­ci­pa ati­va­men­te da apren­di­za­gem. “As­sim con­se­gui­mos de­sen­vol­ver as po­ten­ci­a­li­da­des de ca­da um. Apos­ta­mos em tur­mas pe­que­nas e em am­bi­en­tes aco­lhe­do­res”, diz Jo­sely, lem­bran­do que as clas­ses têm, no má­xi­mo, 25 alu­nos.

Como re­sul­ta­do, a diretora des­ta­ca que o co­lé­gio for­ma es­tu­dan­tes com per­fis que os no­vos tem­pos pe­dem. "São jo­vens com sen­so crí­ti­co, que con­se­guem se po­si­ci­o­nar de for­ma as­ser­ti­va po­rém res­pei­to­sa", afir­ma.

Es­pa­ço pa­ra a cri­a­ti­vi­da­de

Na sa­la ma­ker os alu­nos do 9º ano tra­ba­lham em gru­pos e fi­cam à fren­te de ati­vi­da­des 100% prá­ti­cas. No es­pa­ço, a tur­ma apren­de a li­dar com as fer­ra­men­tas dis­po­ní­veis e tes­tam su­as pos­si­bi­li­da­des, como conta a es­tu­dan­te Ma­nu­e­la Hér­cu­les, 15 anos.“Saí­mos da ro­ti­na, ti­ve­mos uma ava­li­a­ção e uma pro­pos­ta de tra­ba­lho di­fe­ren­te da­que­la com a qual es­tá­va­mos acos­tu­ma­dos”, conta a jo­vem. Mui­tos nun­ca ti­nham usa­do mar­te­los, ser­ras, pre­gos e outros ins­tru­men­tos.“Também conhecemos um pou­co mais so­bre scrat­ch, lin­gua­gem de­sen­vol­vi­da pe­lo MIT que tor­na a pro­gra­ma­ção mais aces­sí­vel”, com­ple­ta o co­le­ga Victor Cam­pos, 15. O pro­je­to cul­mi­nou com o com­par­ti­lha­men­to das ex­pe­ri­ên­ci­as em ofi­ci­nas mi­nis­tra­das pe­los alu­nos de pro­gra­ma­ção em scrat­ch, de câ­ma­ra escura e de um xi­lo­fo­ne fei­to com gar­ra­fas de vi­dro.

“Nos­so mé­to­do pro­por­ci­o­na um mai­or en­ga­ja­men­to do es­tu­dan­te no aprendizad­o" Re­gi­na Ta­ri­fa, co­or­de­na­do­ra de Projetos do En­si­no Fun­da­men­tal do Co­lé­gio Stoc­kler

Na sa­la ma­ker, alu­nos do 6º ano de­sen­vol­vem au­to­no­mia in­ves­ti­ga­ti­va

Ao co­lo­car a mão na mas­sa, alu­nos de­sen­vol­vem tan­to a ini­ci­a­ti­va quan­to a co­la­bo­ra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.