Por­tu­guês, qua­se aces­só­rio

Cres­ceu de 2,8 mil pa­ra 4,6 mil o to­tal de alu­nos em SP em instituiçõ­es in­ter­na­ci­o­nais ou de en­si­no em ou­tro idi­o­ma

O Estado de S. Paulo - - .Edu - Luciana Al­va­rez ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

Quan­do che­ga de ma­nhã na es­co­la, nin­guém diz “bom dia” a Fe­li­pe Ya­na­ka, de 5 anos. O mais pro­vá­vel é que ele ou­ça um “hey, go­od mor­ning”, ou al­gu­ma ou­tra saudação em in­glês. Fi­lho de pai e mãe bra­si­lei­ros, des­de o iní­cio do ano o me­ni­no es­tu­da no co­lé­gio bi­lín­gue Au­brick, on­de du­ran­te o en­si­no in­fan­til as au­las são qua­se to­tal­men­te em in­glês.

A mãe de Fe­li­pe, Yu­ri, diz ter se sur­pre­en­di­do com a tran­qui­li­da­de com que o pro­ces­so es­tá trans­cor­ren­do. “De pe­que­no, ele te­ve um atra­so de fa­la. Pre­fe­ri­mos não bo­tar an­tes na es­co­la bi­lín­gue, on­de a ir­mã já es­tu­da­va, porque fi­ca­mos pre­o­cu­pa­dos de in­cluir mais um idi­o­ma se nem o por­tu­guês ele fa­la­va di­rei­to”, conta. O me­ni­no, po­rém, parece ter pro­gre­di­do até no por­tu­guês de­pois de ter es­se con­ta­to in­ten­so com o in­glês. “Sin­to que, des­de a en­tra­da na Au­brick, fi­cou mais aten­to ao meio, aos co­le­gas, à emo­ção das pes­so­as. E nun­ca vol­tou pa­ra ca­sa re­cla­man­do que não es­ta­va en­ten­den­do”.

Fa­la e tex­tos.

A ir­mã mais ve­lha, Vic­to­ria, de 7 anos, es­tá no 2º ano. Pa­ra ela, as au­las se di­vi­dem en­tre por­tu­guês e in­glês. E ela se co­mu­ni­ca com de­sen­vol­tu­ra nas du­as lín­guas e ago­ra começa a do­mi­nar o có­di­go es­cri­to de am­bas. “Tra­ba­lho nu­ma mul­ti­na­ci­o­nal e às ve­zes a gen­te re­ce­be co­le­gas pa­ra jan­tar que são es­tran­gei­ros, e ve­jo como ela fa­la com de­sem­ba­ra­ço”, diz Yu­ri, que fa­la in­glês flu­en­te­men­te, mas co­me­çou a aprender só na ado­les­cên­cia. “Pa­ra mim, era uma ma­té­ria, como Ma­te­má­ti­ca, Ge­o­gra­fia. Pa­ra ela, é al­go na­tu­ral”.

A diretora da Au­brick, Mir­za La­ran­ja, per­ce­be que a geração que hoje es­tá com fi­lhos em ida­de es­co­lar é uma que en­xer­ga va­lor no bi­lin­guis­mo. “Eles cres­ce­ram no mo­men­to de glo­ba­li­za­ção mais intensa, de mui­ta co­mu­ni­ca­ção com o mun­do”, afir­ma. A es­co­la que foi fun­da­da há dez anos, só com en­si­no in­fan­til e 37 alu­nos, ho

je tem qua­se 700 cri­an­ças do in­fan­til ao fun­da­men­tal 2.

O cres­ci­men­to da es­co­la re­fle­te um cres­ci­men­to ge­ral da pro­cu­ra por uma edu­ca­ção bi­lín­gue, so­bre­tu­do em in­glês. Um le­van­ta­men­to da Or­ga­ni­za­ção das Es­co­las Bi­lín­gues de São Paulo mos­tra que só na ca­pi­tal, on­de exis­tem ao me­nos 71 instituiçõ­es de en­si­no bi­lín­gue e oi­to es­co­las in­ter­na­ci­o­nais, o nú­me­ro de es­tu­dan­tes ma­tri­cu­la­dos sal­tou de 2,8 mil pa­ra 4,6 mil ao lon­go dos úl­ti­mos cin­co anos.

No­vo fo­co.

O in­glês é a lín­gua dos ne­gó­ci­os e da ci­ên­cia, da cultura e da tec­no­lo­gia. Ser flu­en­te no idi­o­ma não é mais vis­to como di­fe­ren­ci­al, mas como pré-re­qui­si­to pa­ra se vi­ver bem em um mun­do glo­ba­li­za­do. Com o de­se­jo de que os fi­lhos apren­dam in­glês de fa­to, mas com me­nos dis­po­ni­bi­li­da­de de le­var a cur­sos ex­tras, os pais bus­cam so­lu­ções den­tro da es­co­la re­gu­lar. Mui­tos op­tam por co­lé­gio in­ter­na­ci­o­nais e bi­lín­gues, instituiçõ­es que já nasceram com a mis­são de for­mar os alu­nos no idi­o­ma es­tran­gei­ro. Outros ade­rem a pro­gra­mas es­pe­ci­ais de idi­o­ma em es­co­las bra­si­lei­ras, que têm per­ce­bi­do a de­man­da e pas­sa­ram a fa­zer con­vê­ni­os com cur­sos de in­glês, ou cri­ar pro­gra­mas pró­pri­os.

Co­or­de­na­do­ra de pós-gra­du­a­ção do Instituto Sin­gu­la­ri­da­des, An­to­ni­e­ta Me­ga­le acre­di­ta que o en­si­no de in­glês é o grande cha­ma­riz pa­ra es­co­las in­ter­na­ci­o­nais e bi­lín­gues, mas de­fen­de que to­das es­sas es­co­las pre­ci­sam ir mui­to além do idi­o­ma. “O idi­o­ma deve ser co­lo­ca­do a ser­vi­ço da am­pli­a­ção do re­per­tó­rio cul­tu­ral. Uma ou­tra lín­gua dá a pos­si­bi­li­da­de de aces­so a bens cul­tu­rais di­ver­sos”, ex­pli­ca. O in­glês é lín­gua ofi­ci­al em 60 paí­ses.

“Até posso tra­ba­lhar só com a Dis­ney, mas o alu­no já tem

aces­so a is­so. O cor­po do­cen­te po­de, em vez dis­so, apre­sen­tar con­tos da Ni­gé­ria, da Ín­dia. O alu­no vai co­nhe­cer ou­tro re­per­tó­rio do que é brin­car, do que é ser cri­an­ça, do que é fa­mí­lia, de for­ma a re­ver seu pa­pel no mun­do”, afir­ma An­to­ni­e­ta.

Fenô­me­no glo­bal. O au­men­to do in­te­res­se por co­lé­gi­os que en­si­nem em in­glês não é um fenô­me­no de São Paulo, nem do Brasil. “Te­mos me­nos ex­pa­tri­a­dos do que an­tes. Is­so es­tá de acor­do com o qua­dro da mai­o­ria das es­co­las in­ter­na­ci­o­nais bri­tâ­ni­cas em to­do o mun­do, à me­di­da em que mais fa­mí­li­as lo­cais en­xer­gam os be­ne­fí­ci­os de uma edu­ca­ção bri­tâ­ni­ca”, afir­ma Lui­se Simp­son, diretora do co­lé­gio bri­tâ­ni­co St. Paul’s. Sem dar nú­me­ros, ela diz que a de­man­da por va­gas na es­co­la, que sem­pre foi al­ta, “con­ti­nua a cres­cer”.

Ar­no Krug, CEO da re­de Ma­ple Be­ar do Brasil, de en­si­no bi­lín­gue no mo­de­lo ca­na­den­se, lem­bra ain­da que a ci­ên­cia es­tá do la­do do en­si­no de idi­o­mas ain­da na in­fân­cia. Se­gun­do ele, al­gu­mas dé­ca­das atrás, as pes­so­as ti­nham cer­to me­do que en­si­nar o in­glês (ou ou­tra lín­gua) mui­to ce­do atra­pa­lha­ria a aqui­si­ção da lín­gua ma­ter­na e na al­fa­be­ti­za­ção. “As pes­qui­sas têm de­mons­tra­do que, na ver­da­de, faz bem pa­ra o cé­re­bro. Pes­so­as bi­lín­gues que che­ga­ram à ter­cei­ra ida­de têm me­nos in­ci­dên­cia de Alzhei­mer e mais ve­lo­ci­da­de de ra­ci­o­cí­nio”, afir­ma. Es­se se­ria mais um dos mo­ti­vos que têm con­tri­buí­do pa­ra o au­men­to da de­man­da por es­co­las bi­lín­gues em to­do o mun­do.

Com 27 uni­da­des só na ci­da­de de São Paulo, a re­de pre­pa­ra uma for­te ex­pan­são nos pró­xi­mos três anos pa­ra o in­te­ri­or e outros Es­ta­dos. No País, são atu­al­men­te 130 uni­da­des, e a in­ten­ção é abrir mais 110. “Pa­ra a Grande São Paulo, não te­mos pre­vi­são de no­vas uni­da­des, mas is­so não sig­ni­fi­ca que não ha­ja mais es­pa­ço de cres­ci­men­to. Se a gen­te com­pa­rar com Cin­ga­pu­ra, ci­da­de com 5 mi­lhões de ha­bi­tan­tes e 20 uni­da­des da Ma­ple Be­ar, ain­da te­mos pa­ra cres­cer”, diz.

FE­LI­PE RAU/ESTADÃO

Na­tu­ral. Ir­mãos Fe­li­pe e Vic­to­ria vêm apren­den­do in­glês com fa­ci­li­da­de no co­lé­gio bi­lín­gue Au­brick

IANCARLO BIAGINI

Au­men­to. Ma­ple Be­ar tem 130 uni­da­des no País e quer mais 110

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.