Quan­do pas­sar o dia na es­co­la é ro­ti­na

Instituiçõ­es in­ves­tem em en­si­no in­te­gral, de­man­da cres­cen­te por cau­sa de pais que tra­ba­lham por mui­tas ho­ras se­gui­das

O Estado de S. Paulo - - .Edu - / L.A.

De co­lé­gi­os par­ti­cu­la­res gran­des e pe­que­nos, no­vos ou tra­di­ci­o­nais, ges­to­res edu­ca­ci­o­nais re­la­tam uma pro­cu­ra cres­cen­te pe­lo pe­río­do in­te­gral. Com os pais tra­ba­lhan­do por mui­tas ho­ras se­gui­das e um trân­si­to em São Paulo que di­fi­cul­ta os des­lo­ca­men­tos, as es­co­las aca­bam sen­do um lu­gar se­gu­ro pa­ra que cri­an­ças e ado­les­cen­tes pas­sem o dia. Sem sair de seus por­tões, os mais no­vos apren­dem idi­o­mas, pra­ti­cam es­por­tes e fa­zem ati­vi­da­des ar­tís­ti­cas. Po­de ser uma so­lu­ção, mas é pre­ci­so ter cui­da­do.

No ano pas­sa­do, Ana Luí­sa Gon­çal­ves Lo­re­na, hoje com 11 anos, es­tu­da­va em um co­lé­gio bi­lín­gue, o que a obri­ga­va a ficar al­gu­mas ho­ras ex­tras den­tro de sa­la de au­la, pa­ra dar conta dos con­teú­dos em dois idi­o­mas. Em­bo­ra não fi­cas­se até tar­de – saía às 15 ho­ras – che­ga­va em ca­sa can­sa­da e de­sa­ni­ma­da. Os pais de­ci­di­ram mu­dá-la de co­lé­gio. Ago­ra es­tá no in­te­gral do Co­lé­gio San­ta Maria. Ana Luí­sa fi­ca mais ho­ras na es­co­la, mas es­tá fe­liz – e apren­den­do mais, dizem os pais.

“Ela tem ati­vi­da­des es­por­ti­vas, lú­di­cas e ar­tís­ti­cas, o que aju­da a não ficar ma­çan­te. Não é só a quan­ti­da­de de ho­ras que im­por­ta, de­pen­de dos con­teú­dos e dos pro­fis­si­o­nais”, ava­lia o pai, Ag­nal­do Lo­re­na. “No co­lé­gio an­te­ri­or, as cri­an­ças fi­ca­vam con­fi­na­das num pré­dio fe­cha­do. No San­ta Maria, ela tem con­ta­to com a na­tu­re­za”, diz a mãe, Ana Pau­la Lo­re­na.

Es­te é o pri­mei­ro ano que o co­lé­gio ofe­re­ce in­te­gral. “A gen­te per­ce­beu que ha­via uma de­man­da das fa­mí­li­as. Atu­al­men­te há pe­río­do in­te­gral pa­ra o in­fan­til e o fun­da­men­tal 1, mas a res­pos­ta tem si­do tão po­si­ti­va que es­ta­mos es­tu­dan­do ex­pan­dir pa­ra o fun­da­men­tal 2 em 2020”, conta a ori­en­ta­do­ra pe­da­gó­gi­ca Va­ni­ni Mes­qui­ta.

Além de um mo­men­to pa­ra es­tu­dar e fa­zer a li­ção que se­ria pa­ra ca­sa, as cri­an­ças apren­dem ar­te­sa­na­to, te­a­tro, ro­bó­ti­ca, in­glês e cu­li­ná­ria. “A gen­te não quer que te­nha a ca­ra do cur­ri­cu­lar. A ideia é o alu­no ter um mo­men­to de mais au­to­no­mia, mais em con­ta­to com os ami­gos. Ou­tro dia, por exem­plo, foi uma das alu­nas que en­si­nou os ami­gos a fa­zer bis­coi­tos na cu­li­ná­ria”, conta Va­ni­ni.

Pa­ra a psi­có­lo­ga Eli­za­beth Monteiro, a es­co­la in­te­gral é “um mal ne­ces­sá­rio” pa­ra grande par­te das fa­mí­li­as. “Cri­an­ça em ca­sa sem es­tí­mu­lo não se de­sen­vol­ve na área cog­ni­ti­va e in­te­lec­tu­al. Ado­les­cen­te so­zi­nho só vai fa­zer bes­tei­ra. Pa­ra mui­tos, o am­bi­en­te pro­te­gi­do e com es­tí­mu­los da es­co­la é a melhor op­ção.” Con­tu­do, ela aler­ta que mes­mo os es­tí­mu­los pre­ci­sam de cer­ta mo­de­ra­ção. É im­por­tan­te que a cri­an­ça te­nha sem­pre tem­po li­vre, tan­to na es­co­la quan­to em ca­sa, pa­ra não fa­zer nada. “O que ve­mos em ge­ral é um massacre de co­bran­ças e agen­da cheia, mas fal­ta de con­ví­vio fa­mi­li­ar. A tur­bu­lên­cia começa já de ma­nhã. As cri­an­ças têm de entrar num rit­mo que não é o de­las.”

A diretora da es­co­la in­fan­til Pac­to, que fun­ci­o­na das 7 às 19 ho­ras, Maria Jo­sé Mam­ma­na, conta que mui­tas cri­an­ças fi­cam qua­se 12 ho­ras sob seus cui­da­dos, por ne­ces­si­da­des pro­fis­si­o­nais dos pais. “Ve­jo que é um ca­mi­nho sem volta, a es­co­la é a se­gun­da ca­sa dos alu­nos. Mas os pais fi­cam tran­qui­los porque têm con­fi­an­ça.” A Pac­to ofe­re­ce uma sé­rie de ati­vi­da­des: in­glês, ta­ekwon­do, te­a­tro, cir­co, ro­bó­ti­ca, ca­po­ei­ra e io­ga. “Tem de ser um tem­po pra­ze­ro­so. Acre­di­to que a es­co­la se­ja melhor do que cri­an­ça ficar na fren­te da TV com uma ba­bá”, afir­ma.

Van­ta­gens.

Se é uma re­a­li­da­de que mui­tas fa­mí­li­as ne­ces­si­tam de um pe­río­do es­co­lar mais lon­go, co­lé­gi­os bus­cam mos­trar que as ho­ras a mais

são sig­ni­fi­ca­ti­vas no aprendizad­o. “Es­co­las de qua­se to­do o mun­do fun­ci­o­nam em pe­río­do in­te­gral. E ain­da as­sim a cri­an­ça tem tem­po pa­ra não fa­zer nada, brin­car in­di­vi­du­al­men­te, so­nhar”, diz Maria Helena Bres­ser, fundadora da es­co­la Mó­bi­le e da Mó­bi­le In­te­gral.

A Mó­bi­le in­te­gral es­tá em ati­vi­da­de há dois anos, mas vem sen­do pla­ne­ja­da des­de 2014. “A nos­sa equi­pe sem­pre es­tu­dou, pes­qui­sou, bus­can­do co­nhe­ci­men­tos in­te­res­san­tes pa­ra os alu­nos, mas tem coi­sas que não dá pa­ra in­je­tar no cur­rí­cu­lo re­gu­lar.” No pe­río­do es­ten­di­do, o tem­po é dedicado so­bre­tu­do ao en­si­no de idi­o­mas – prin­ci­pal­men­te in­glês, mas também espanhol – e a au­las ino­va­do­ras de ci­ên­ci­as. “Os alu­nos não fi­cam só me­mo­ri­zan­do, apren­dem a pra­ti­car as ci­ên­ci­as, cons­tro­em en­ge­nho­cas. Des­sa for­ma, vão per­ce­ben­do as in­ter-re­la­ções en­tre os con­cei­tos. Is­so faz com que te­nham mais es­pí­ri­to crí­ti­co.”

Ta­ti­a­na Blan­co, mãe de dois alu­nos que es­tão no en­si­no fun­da­men­tal na Mó­bi­le In­te­gral, con­fes­sa que ti­nha pre­con­cei­to com es­co­las in­te­grais. “A prin­cí­pio não me in­te­res­sa­va, mas al­guns pais co­nhe­ce­ram a pro­pos­ta e me fa­la­ram bem. De­ci­di ir em uma reu­nião de apre­sen­ta­ção e saí en­can­ta­da. Eles apren­dem ges­tão de projetos, as ma­té­ri­as são in­ter­dis­ci­pli­na­res, o que é a re­a­li­da­de da vi­da.” A mãe ga­ran­te que as cri­an­ças dão conta dos estudos e mui­to mais. “Elas têm mui­ta ener­gia. Sa­em das au­las por volta das 16 ho­ras e ain­da vão fa­zer ati­vi­da­des, al­gu­mas fora, ou­tras na es­co­la, como han­de­bol e au­las de mú­si­ca.”

“Hoje a mai­o­ria das fa­mí­li­as olha pa­ra além do cur­ri­cu­lar. Pro­cu­ra al­go a mais, quer agre­gar o idi­o­ma e os es­por­tes sem a pre­o­cu­pa­ção de le­var e bus­car”, diz Pa­trí­cia No­guei­ra, diretora pe­da­gó­gi­ca da re­de Pen­tá­go­no, que há dois anos mu­dou o for­ma­to do seu pe­río­do in­te­gral. “Não so­mos es­co­la bi­lín­gue, mas ofe­re­ce­mos uma imer­são em in­glês. Is­so além dos es­por­tes: futsal, vô­lei, bas­que­te, judô, gi­nás­ti­ca, ba­lé.”

A edu­ca­do­ra ga­ran­te que não existe um melhor e um pi­or en­tre pe­río­do re­gu­lar ou in­te­gral, que tu­do de­pen­de de von­ta­de e ro­ti­na dos pais. “Pa­ra a mai­o­ria das cri­an­ças o in­te­gral fun­ci­o­na bem. Mas o cur­so pre­ci­sa ser di­fe­ren­ci­a­do, pa­ra ser mo­ti­va­dor.”

VALÉRIA GONÇALVEZ/ESTADÃO

Ale­gria. Ana Luí­sa, do San­ta Maria, gos­ta do in­te­gral

JULIO BITTENCOUR­T

Ino­va­ção. Mó­bi­le pes­qui­sou como in­se­rir prá­ti­cas de ci­ên­ci­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.