BI­O­GRA­FIA DA SAN­TA

Bi­o­gra­fia conta his­tó­ri­as so­bre a mu­lher que con­se­guia co­mo­ver go­ver­na­do­res e pre­si­den­tes

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Jo­sé Maria May­rink

Li­vro Ir­mã Dul­ce, a San­ta dos Po­bres, de Gra­ci­li­a­no Ro­cha, nar­ra a tra­je­tó­ria da frei­ra bai­a­na que vi­rou be­a­ta e se­rá ca­no­ni­za­da es­te ano.

Fo­ram oi­to anos de tra­ba­lho, cem en­tre­vis­tas, vi­a­gens a Itá­lia, França e Es­ta­dos Uni­dos, bus­ca de do­cu­men­tos na Biblioteca do Va­ti­ca­no, re­por­ta­gens nas ru­as, em hos­pi­tais e con­ven­tos, con­ver­sas com bis­pos e car­de­ais. O re­pór­ter e edi­tor Gra­ci­li­a­no Ro­cha, nas­ci­do e for­ma­do em Jor­na­lis­mo em Cam­po Grande pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ma­to Gros­so do Sul, es­tá lan­çan­do o li­vro Ir­mã Dul­ce, a San­ta dos Po­bres (Edi­to­ra Pla­ne­ta, 296 páginas, R$ 49,90), his­tó­ria de Maria Ri­ta de Sou­za Bri­to Lo­pes.

Se­gun­da filha do den­tis­ta e pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio Augusto Lo­pes Pontes e da do­na de ca­sa Dul­ce de Sou­za Bri­to, Maria Ri­ta nas­ceu em Sal­va­dor, em 1914, de uma fa­mí­lia de clas­se média com co­ne­xões na po­lí­ti­ca da Bahia. Seu avô pa­ter­no fun­dou o Co­lé­gio San­to Antô­nio, san­to de de­vo­ção da fa­mí­lia. Ir­mã Dul­ce – de­pois Be­a­ta Dul­ce dos Po­bres, após a be­a­ti­fi­ca­ção em 2011 e, a par­tir de 13 de ou­tu­bro des­te ano, com a ca­no­ni­za­ção, San­ta Dul­ce dos Po­bres – ga­nhou es­se no­me

em ho­me­na­gem à mãe, fa­le­ci­da em 1921. En­trou pa­ra o con­ven­to em 15 de agos­to de 1934, de­pois de lu­tar con­tra a re­sis­tên­cia do pai, que tra­ça­ra pa­ra ela o ro­tei­ro de to­das as mo­ças de clas­se al­ta da Bahia. O den­tis­ta Pontes, ami­go do car­de­al Augusto Ál­va­ro da Silva, pri­maz de Sal­va­dor, ia à mis­sa aos do­min­gos e co­mun­ga­va, era um ca­tó­li­co fi­el, mas não se con­for­ma­va com a vo­ca­ção da filha. No fim, con­cor­dou. Acom­pa­nhou Maria Ri­ta à ci­da­de de São Cris­tó­vão, em Ser­gi­pe, on­de ela re­ce­beu o hábito azul e bran­co e re­ce­beu o no­me de Ir­mã Dul­ce.

O den­tis­ta cho­rou, emo­ci­o­na­do, lem­bran­do-se da me­ni­na le­va­da – “mui­to ter­rí­vel”, como ela se de­fi­nia – que também gos­ta­va de bo­ne­ca, mas pre­fe­ria fa­zer guer­ra de ma­mo­na no quin­tal e sol­tar pi­pas na rua. Do­min­go era dia de fu­te­bol, no Cam­po da Gra­ça. Era um pro­gra­ma de gen­te ri­ca, de ra­pa­zes ali­nha­dos e se­nho­ri­nhas. “Até os 13 anos, eu era lou­ca por fu­te­bol, e o mai­or cas­ti­go que eu po­de­ria re­ce­ber, se eu pin­ta­va mui­to du­ran­te a se­ma­na, era aos do­min­gos não ir ao fu­be­bol com meu pai”, re­lem­bra­ria Ir­mã Dul­ce em en­tre­vis­ta, já no con­ven­to da Con­gre­ga­ção das Ir­mãs Mis­si­o­ná­ri­as da Ima­cu­la­da Conceição, on­de mo­rou an­tes de ser trans­fe­ri­da pa­ra Sal­va­dor.

Na Bahia, Ir­mã Dul­ce de­di­cou-se à as­sis­tên­cia aos po­bres. Men­di­gos e do­en­tes eram aco­lhi­dos em um hos­pi­tal, cri­an­ças aban­do­na­das iam pa­ra um or­fa­na­to. De­sem­pre­ga­dos re­ce­bi­am re­fei­ções, pas­sa­gens de ôni­bus pa­ra vol­ta­rem à terra na­tal e uma ca­ma pa­ra dor­mir até a so­lu­ção do pro­ble­ma. O escritor Paulo Co­e­lho, en­tão um jo­vem perdido em Sal­va­dor, após ter fu­gi­do de um hos­pi­tal psi­quiá­tri­co no qual fora internado pe­los pais, re­cor­reu a Ir­mã Dul­ce. En­trou na fi­la e con­tou sua his­tó­ria. Ir­mã Dul­ce ou­viu e, sem nada per­gun­tar, es­cre­veu: “Va­le um bi­lhe­te de ôni­bus”, e as­si­nou. “O pri­mei­ro mo­to­ris­ta que leu o que es­ta­va no pa­pel man­dou que eu em­bar­cas­se.”

Em en­tre­vis­ta por e-mail da­da ao au­tor, Gra­ci­li­a­no Ro­cha, o escritor acres­cen­tou. “É com lá­gri­mas nos olhos que es­cre­vo es­tas li­nhas. Que óti­mo que sua vi­da es­te­ja con­ta­da nes­te li­vro.”

Po­lí­ti­cos e governante­s vi­si­ta­vam Ir­mã Dul­ce, pa­ra co­nhe­cer sua obra ou com o in­te­res­se elei­to­ral. Ela re­ce­bia a to­dos e sem­pre apro­vei­ta­va a opor­tu­ni­da­de pa­ra pe­dir pe­los po­bres. Antonio Car­los Ma­ga­lhães abre a lis­ta, como go­ver­na­dor e ami­go pes­so­al. Era ele qu­em abria as por­tas pa­ra in­clu­sões na agen­da de vi­si­tan­tes de au­to­ri­da­des fe­de­rais. Os pre­si­den­tes Eu­ri­co Gas­par Du­tra, João Ba­tis­ta Fi­guei­re­do e Jo­sé Sar­ney le­va­ram solidaried­ade e con­tri­buí­ram com mi­lhões de cru­zei­ros.

Pre­si­den­tes. “Eu sou in­dig­no de fa­zer ou­tra coi­sa, se­não lhe bei­jar os pés”, dis­se Sar­ney em 27 de maio de 2014, du­ran­te ses­são so­le­ne do Se­na­do em ho­me­na­gem ao cen­te­ná­rio de nas­ci­men­to de Ir­mã Dul­ce. Em 4 de ju­nho des­te ano, re­pe­tiu a de­cla­ra­ção em en­tre­vis­ta a Gra­ci­li­a­no Ro­cha. Ami­ga de Sar­ney, era a úni­ca pes­soa, fora do go­ver­no, que ti­nha o nú­me­ro do te­le­fo­ne ver­me­lho no ga­bi­ne­te do Pa­lá­cio do Pla­nal­to. Ir­mã Dul­ce aci­o­nou o nú­me­ro mui­tas ve­zes.

Du­tra pro­me­teu 6,5 mi­lhões de cru­zei­ros, o equi­va­len­te a R$ 12 de mi­lhões atu­ais, pa­ra con­cluir as obras so­ci­ais de Ir­mã Dul­ce por meio do Cír­cu­lo Ope­rá­rio da Bahia (COB), com ga­ran­tia do Ban­co do Brasil. Como o di­nhei­ro não che­gou, Ir­mã Dul­ce co­brou o pro­me­ti­do quan­do o pre­si­den­te vol­tou à Bahia. Ele pe­diu ao mi­nis­tro da Edu­ca­ção, o ban­quei­ro bai­a­no Cle­men­te Ma­ri­a­ni, pa­ra aten­der a frei­ra. O li­vro de Gra­ci­li­a­no Ro­cha conta como foi a es­tra­té­gia pa­ra anu­lar uma dí­vi­da com o Ban­co do Brasil com di­nhei­ro do go­ver­no.

Já o pre­si­den­te João Ba­tis­ta Fi­guei­re­do vi­si­tou Sal­va­dor ci­ce­ro­ne­a­do por Ma­ga­lhães. Fi­cou emo­ci­o­na­do ao ver a pre­ca­ri­e­da­de do Hos­pi­tal San­to Antô­nio e pro­me­teu aju­dar Ir­mã Dul­ce. A pro­mes­sa foi cum­pri­da 30 me­ses de­pois, em mar­ço de 1982, quan­do a frei­ra re­en­con­trou o pre­si­den­te.“Já fa­lei com San­to Antô­nio e ele me dis­se que o senhor só en­tra lá no céu se nos aju­dar na cons­tru­ção do no­vo hos­pi­tal”, dis­se a frei­ra.

“Eu vou ar­ran­jar o di­nhei­ro pa­ra a senhora, nem que eu te­nha de as­sal­tar um ban­co”, res­pon­deu Fi­guei­re­do. “Pois o senhor me avi­se, que vou com o senhor”, pe­diu Ir­mã Dul­ce. Fi­guei­re­do deu uma gar­ga­lha­da. O Ministério do Pla­ne­ja­men­to li­be­rou 50 mi­lhões de cru­zei­ros na se­ma­na se­guin­te (cer­ca de RS 4,5 mi­lhões) e quan­tia igual um ano de­pois, trans­fe­ri­da pe­lo Fun­do de In­ves­ti­men­to So­ci­al.

“Obri­ga­do, Ir­mã Dul­ce, por seus dois mi­la­gres: ma­tar a fo­me de al­guém e per­mi­tir a volta do fi­lho pró­di­go.” Paulo Co­e­lho

ESCRITOR

EDI­TO­RA PLA­NE­TA

Com Ma­ga­lhães e Fi­guei­re­do. Re­li­gi­o­sa não per­dia opor­tu­ni­da­des pa­ra ob­ter re­cur­sos pa­ra man­ter hos­pi­tal e or­fa­na­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.