Fe­de­ra­ção e au­to­no­mia

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Ain­da que a Cons­ti­tui­ção te­nha as­se­gu­ra­do aos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os au­to­no­mia fal­tam-lhes mei­os pa­ra um go­ver­no de fa­to li­vre e res­pon­sá­vel.

A re­for­ma tri­bu­tá­ria atu­al­men­te em tra­mi­ta­ção na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos trou­xe de volta a ques­tão so­bre o pac­to fe­de­ra­ti­vo. Em ar­ti­go pu­bli­ca­do no Es­ta­do ( Tri­bu­ta­ção em nú­me­ros, 12/9/2019), o se­na­dor Jo­sé Ser­ra (PSDB-SP) lem­brou que, “do pon­to de vis­ta tri­bu­tá­rio, o Brasil é o país fe­de­ra­ti­vo mais des­cen­tra­li­za­do do mun­do. (...) De acor­do com a Or­ga­ni­za­ção pa­ra Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE), Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros se apro­pri­am de 56,4% da ar­re­ca­da­ção in­ter­na de im­pos­tos. Em média, es­sa par­ti­ci­pa­ção é de 30,9% nos paí­ses fe­de­ra­dos si­tu­a­dos em nos­sa fai­xa de ren­da e de 49,5% en­tre os mais ri­cos”.

Es­sa des­cen­tra­li­za­ção é con­sequên­cia di­re­ta do pac­to fe­de­ra­ti­vo de­cor­ren­te da Cons­ti­tui­ção de 1988, que de­fi­niu a au­to­no­mia como regra. A Car­ta Mag­na de­fi­ne, por exem­plo, que “os Es­ta­dos or­ga­ni­zam-se e re­gem-se pe­las Cons­ti­tui­ções e leis que ado­ta­rem, ob­ser­va­dos os prin­cí­pi­os des­ta Cons­ti­tui­ção”. A Cons­ti­tui­ção de­fi­ne os prin­cí­pi­os, mas a or­ga­ni­za­ção de ca­da Es­ta­do e mu­ni­cí­pio deve ser fi­xa­da pe­lo or­de­na­men­to ju­rí­di­co es­pe­cí­fi­co de ca­da en­te. Re­a­fir­man­do a au­to­no­mia dos Es­ta­dos, “são re­ser­va­das aos Es­ta­dos as com­pe­tên­ci­as que não lhes se­jam ve­da­das por es­ta Cons­ti­tui­ção”, diz o art. 25, § 1.º.

Ob­ser­va-se, ao mes­mo tem­po, a crô­ni­ca hi­pos­su­fi­ci­ên­cia fi­nan­cei­ra, po­lí­ti­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va dos en­tes fe­de­ra­dos. Ain­da que a Cons­ti­tui­ção te­nha as­se­gu­ra­do aos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os au­to­no­mia pa­ra re­sol­ver as ques­tões lo­cais, com frequên­cia fal­tam­lhes mei­os pa­ra um go­ver­no de fa­to li­vre e res­pon­sá­vel.

Em vez de en­fren­ta­rem seus pro­ble­mas, os en­tes fe­de­ra­dos re­cor­rem à União, o que con­duz à cen­tra­li­za­ção e à uni­for­mi­za­ção de me­di­das, em sen­ti­do con­trá­rio ao que de­ve­ria ocor­rer nu­ma fe­de­ra­ção.

Tal si­tu­a­ção é vis­ta, por exem­plo, nos de­ba­tes so­bre a am­pli­a­ção do al­can­ce da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, pa­ra abran­ger também Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. Não é ta­re­fa do Con­gres­so Na­ci­o­nal re­a­li­zar a re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria dos en­tes fe­de­ra­dos, mas é mui­to con­ve­ni­en­te que o fa­ça, di­an­te das di­fi­cul­da­des po­lí­ti­cas pa­ra que es­ses en­tes al­te­rem seus sis­te­mas de apo­sen­ta­do­ria.

“Na Fe­de­ra­ção bra­si­lei­ra ain­da pro­li­fe­ram ca­sos de de­pen­dên­cia e ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fiscal”, afir­mou o se­na­dor Jo­sé Ser­ra, aler­tan­do pa­ra o fa­to de que “uma des­cen­tra­li­za­ção adi­ci­o­nal de re­cei­tas sem con­di­ci­o­nan­tes ade­qua­dos po­de cri­ar ine­fi­ci­ên­ci­as que cor­rom­pem a qua­li­da­de do gas­to pú­bli­co e a pró­pria au­to­no­mia dos en­tes fe­de­ra­ti­vos. Al­guns in­di­ca­do­res a es­se res­pei­to são a baixa ar­re­ca­da­ção mu­ni­ci­pal nas ba­ses do IPTU e do ISS e a oci­o­si­da­de de re­cur­sos des­ti­na­dos a projetos es­pe­cí­fi­cos, in­clu­si­ve de emen­das par­la­men­ta­res”.

Eis um pon­to ex­tre­ma­men­te pre­o­cu­pan­te. Em vez de apoi­ar e for­ta­le­cer a re­a­li­da­de lo­cal, o sis­te­ma fe­de­ra­ti­vo tal como pre­vis­to pe­la Cons­ti­tui­ção de 1988 tem si­do oca­sião pa­ra au­men­tar ain­da mais a hi­pos­su­fi­ci­ên­cia dos en­tes fe­de­ra­dos.

“Al­guns Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os parecem es­tar ab­di­can­do de exer­cer bem a com­pe­tên­cia de tri­bu­tar e de exe­cu­tar in­ves­ti­men­tos, am­bos fun­da­men­tais pa­ra sua ple­na au­to­no­mia. Ao con­trá­rio, es­tão dan­do pri­o­ri­da­de a gas­tos cor­ren­tes cus­te­a­dos ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te pe­las trans­fe­rên­ci­as que re­ce­bem da União, am­pli­an­do a de­pen­dên­cia des­ses re­cur­sos”, es­cre­veu Jo­sé Ser­ra.

A impressão é que se es­tá di­an­te do pi­or dos mun­dos. Têm-se to­dos os cus­tos e com­ple­xi­da­des ine­ren­tes a um sis­te­ma fe­de­ra­ti­vo e, ao mes­mo tem­po, não se apro­vei­tam os be­ne­fí­ci­os que es­se sis­te­ma de­ve­ria ge­rar. Di­an­te des­se pa­no­ra­ma, é grande a pres­são pa­ra que o Con­gres­so ado­te so­lu­ções de curto pra­zo, di­mi­nuin­do a au­to­no­mia dos en­tes fe­de­ra­dos. Em vez de re­sol­ver sa­tis­fa­to­ri­a­men­te as ques­tões re­la­ti­vas ao pac­to fe­de­ra­ti­vo, es­sa ten­dên­cia de mi­ti­gar a Fe­de­ra­ção aca­ba, no en­tan­to, por am­pli­ar su­as con­tra­di­ções.

O sis­te­ma fe­de­ra­ti­vo tem mui­tas po­ten­ci­a­li­da­des, es­pe­ci­al­men­te pa­ra um país tão extenso e va­ri­a­do como o Brasil. Mas, pa­ra ob­ter seus me­lho­res di­vi­den­dos, é ne­ces­sá­rio não tro­car a au­to­no­mia e a con­se­quen­te res­pon­sa­bi­li­da­de dos en­tes fe­de­ra­dos por re­men­dos cen­tra­li­za­do­res. O aprendizad­o com es­sas três dé­ca­das de Cons­ti­tui­ção deve le­var a um aper­fei­ço­a­men­to da Fe­de­ra­ção, e não ao seu aban­do­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.