Fu­tu­ro incerto

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - DE­NIS LERRER ROSENFIELD PRO­FES­SOR DE FI­LO­SO­FIA NA UFRGS. E-MAIL: DENISROSEN­[email protected]

Pas­sa­dos oi­to me­ses do no­vo go­ver­no, a in­cer­te­za im­pe­ra. O pre­si­den­te con­ti­nua en­ten­den­do a po­lí­ti­ca como ati­vi­da­de vol­ta­da pa­ra con­tem­plar seus ami­gos e sua fa­mí­lia, en­quan­to con­si­de­ra to­dos os que de­le dis­cor­dem ou o cri­ti­quem como um ini­mi­go po­ten­ci­al ou atu­al. O re­sul­ta­do é a cons­tan­te po­la­ri­za­ção do cam­po po­lí­ti­co, nu­ma es­pé­cie de guer­ra in­ces­san­te. Do pon­to de vis­ta econô­mi­co, a pro­mes­sa li­be­ral e inovadora do no­vo man­da­tá­rio pou­co pro­du­ziu até ago­ra, com a economia no ma­ras­mo, se não es­tag­na­da.

Ape­sar do dis­cur­so ra­di­ca­li­za­do de que tu­do se­ria di­fe­ren­te, o “no­vo” to­man­do o lu­gar do “ve­lho”, nu­ma re­to­ma­da do le­ma lu­lis­ta do “nós con­tra eles”, com os po­los in­ver­ti­dos, nada de ver­da­dei­ro no­vo se vis­lum­bra, sal­vo o im­pas­se e a in­cer­te­za. O que era com­pre­en­sí­vel num em­ba­te elei­to­ral dei­xa de sê-lo quan­do a ta­re­fa pri­mei­ra con­sis­te na ar­te de go­ver­nar, com os ri­tos e as ne­go­ci­a­ções pró­pri­as de uma de­mo­cra­cia.

A de­mo­cra­cia to­ma tem­po, exi­ge aprendizad­o e não to­le­ra ata­lhos.

Na po­la­ri­za­ção elei­to­ral, o go­ver­no Te­mer pra­ti­ca­men­te de­sa­pa­re­ceu, is­so porque o can­di­da­to Bol­so­na­ro as­su­miu a po­si­ção da­que­le que iria dar combate ao PT, à es­quer­da e à sua dou­tri­na, fo­can­do na crí­ti­ca ao po­li­ti­ca­men­te cor­re­to. Acer­tou en­quan­to es­tra­té­gia elei­to­ral, er­rou no di­ag­nós­ti­co da si­tu­a­ção re­al.

Não se po­de con­fun­dir a im­po­pu­la­ri­da­de do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer com sua obra como governante. Por sua im­po­pu­la­ri­da­de con­vi­nha des­pre­zá-lo, pe­lo que fez de­ve­ria ser re­co­nhe­ci­do. A cor­rup­ção de al­guns de seus mi­nis­tros em mui­to con­tri­buiu pa­ra is­so, com ima­gens es­tar­re­ce­do­ras, mas o País es­ta­va ga­nhan­do em or­de­na­men­to econô­mi­co, so­ci­al e ins­ti­tu­ci­o­nal. Ha­via um cli­ma de ex­pec­ta­ti­va, de que a alar­de­a­da ban­dei­ra da lu­ta con­tra a cor­rup­ção en­se­ja­ria um no­vo ca­mi­nho a ser tri­lha­do.

Na ver­da­de, o can­di­da­to ven­ce­dor her­dou um País ar­ru­ma­do. A nar­ra­ti­va elei­to­ral con­tra tu­do o que es­ta­va aí não cor­res­pon­dia aos fa­tos. Bas­ta­va se­guir o que es­ta­va sen­do bem fei­to,

cor­ri­gin­do su­as dis­tor­ções, prin­ci­pal­men­te re­la­ti­vas a cer­tas for­mas de fa­zer po­lí­ti­ca, al­go que de­ve­ria ser fá­cil pa­ra um no­vo pre­si­den­te elei­to, de am­pla po­pu­la­ri­da­de e mui­to boa co­mu­ni­ca­ção com o elei­tor.

País ga­nhan­do con­fi­an­ça, após o co­lap­so do go­ver­no Dil­ma e da prá­ti­ca pe­tis­ta de go­ver­nar. A in­fla­ção já ha­via vol­ta­do a um pa­ta­mar de país sé­rio; os ju­ros caí­ram a um ní­vel ci­vi­li­za­do; a Lei do Te­to de Gas­tos pôs um li­mi­te à ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fiscal; a mu­dan­ça na le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta e da ter­cei­ri­za­ção mo­der­ni­zou as re­la­ções de tra­ba­lho; cri­té­ri­os de mé­ri­to fo­ram in­tro­du­zi­dos em es­ta­tais im­por­tan­tes, a co­me­çar pe­la re­cu­pe­ra­ção da Pe­tro­brás, em es­ta­do ca­la­mi­to­so na­que­le en­tão; um au­da­ci­o­so pro­gra­ma de pri­va­ti­za­ções e con­ces­sões foi ela­bo­ra­do e co­me­çou a ser im­ple­men­ta­do; a re­for­ma do en­si­no médio foi apro­va­da e os ex­ces­sos da ide­o­lo­gia de gê­ne­ro nas es­co­las co­me­ça­ram a ser cor­ri­gi­dos; a ne­go­ci­a­ção Mer­co­sul-União Europeia foi re­to­ma­da e qua­se con­cluí­da. Não me­nos im­por­tan­te foi o am­plo de­ba­te da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, com a trans­pa­rên­cia das con­tas pú­bli­cas tor­na­da aces­sí­vel a qu­em qui­ses­se vê-las. A he­ran­ça era ben­di­ta!

E o que fez o no­vo go­ver­no? Manteve o dis­cur­so de que o “no­vo” de­ve­ria pri­mar, o que não ti­ves­se es­se ca­rim­bo de­via ser des­pre­za­do. O pre­ço a pa­gar foi al­to. A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia es­ta­va pron­ta pa­ra ser vo­ta­da. Bas­ta­va a no­va equi­pe de go­ver­no con­cluí-la. Even­tu­ais de­sa­cor­dos po­de­ri­am ser cor­ri­gi­dos. O pre­si­den­te ti­nha ca­pi­tal pa­ra tal.

Em vez dis­so, uma no­va pro­pos­ta foi ela­bo­ra­da, cri­an­do um vá­cuo de ex­pec­ta­ti­vas e um am­bi­en­te de es­pe­rar pa­ra ver. A re­for­ma po­de­ria ter si­do apro­va­da em mar­ço. Es­ta­mos em setembro, aguar­dan­do sua apro­va­ção em ou­tu­bro. Um ano foi perdido. Ou­ve-se atu­al­men­te que a po­lí­ti­ca vai mal, mas a economia es­tá in­do bem. Tra­ta-se de uma for­ma de au­toi­lu­são. Se fos­se bem, já es­ta­ría­mos na ro­ta do cres­ci­men­to, da con­fi­an­ça e do con­ten­ta­men­to com as trans­for­ma­ções pro­me­ti­das. O País per­ma­ne­ceu, po­rém, na dis­cus­são da Pre­vi­dên­cia, da Pre­vi­dên­cia e da Pre­vi­dên­cia. A re­pe­ti­ção da mes­ma nar­ra­ti­va não a tor­na ver­da­dei­ra.

A con­fu­são con­ti­nua em ou­tra re­for­ma, a tri­bu­tá­ria. Pas­sa­dos mais de oi­to me­ses, o go­ver­no ain­da não apre­sen­tou sua pro­pos­ta. Não te­ve tem­po de ela­bo­rá-la? Há já dois projetos de ini­ci­a­ti­va par­la­men­tar, o do Se­na­do e o da Câ­ma­ra, além de uma ini­ci­a­ti­va dos go­ver­na­do­res, num choque sis­te­má­ti­co de ca­be­ças. Res­tou ao go­ver­no, pe­la sua inér­cia, pro­por o “ve­lho”, a volta da CPMF, que con­se­gue a pro­e­za de con­gre­gar to­das as for­ças po­lí­ti­cas e em­pre­sa­ri­ais con­tra ela. Re­sul­ta­do: a exo­ne­ra­ção do se­cre­tá­rio Es­pe­ci­al da Re­cei­ta Fe­de­ral. Mais uma baixa num go­ver­no que não con­se­gue fir­mar a sua equi­pe.

Po­li­ti­ca­men­te, o pre­si­den­te, que se tor­nou o prin­ci­pal co­mu­ni­ca­dor de seu go­ver­no, não he­si­ta em cri­ar con­fli­tos, como se as­sim outros pro­ble­mas pu­des­sem ser mi­ni­mi­za­dos. Apos­ta que es­sa sua nar­ra­ti­va, for­ta­le­cen­do o seu nú­cleo du­ro, po­de­rá pro­por­ci­o­nar-lhe con­di­ções fa­vo­rá­veis pa­ra as elei­ções de 2022. Crê na po­la­ri­za­ção e em em­ba­tes con­tí­nu­os, con­vo­can­do o PT a ser o seu ini­mi­go pre­fe­ri­do. Acon­te­ce que sua nar­ra­ti­va e o di­ag­nós­ti­co equi­vo­ca­do do País que re­ce­beu es­tão, ca­da vez mais, in­ter­fe­rin­do na se­a­ra econô­mi­ca. Em vez de pro­pi­ci­ar o re­lan­ça­men­to do País, sua po­lí­ti­ca o es­tá tra­van­do. Se a economia não der cer­to, nem o seu dis­cur­so po­la­ri­za­do lhe se­rá de va­lia.

Tam­pou­co con­tri­bui pa­ra des­tra­var o País o apoio in­con­di­ci­o­nal do pre­si­den­te a seus fi­lhos, como se ques­tões fa­mi­li­a­res e psi­co­ló­gi­cas de­ves­sem pre­va­le­cer so­bre os des­ti­nos do Brasil. Que um fi­lho do pre­si­den­te fa­ça um co­men­tá­rio des­pre­zan­do a de­mo­cra­cia e o vi­ce-pre­si­den­te, o pre­si­den­te do Se­na­do e o pre­si­den­te da Câ­ma­ra se ve­jam obri­ga­dos a con­tes­tá-lo mos­tra bem a ano­ma­lia que es­ta­mos vi­ven­do.

O fu­tu­ro é incerto!

Atu­al go­ver­no her­dou um País ar­ru­ma­do, bas­ta­va se­guir o que es­ta­va sen­do bem fei­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.