RE­FOR­MA DO ES­TA­DO

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto -

Pri­vi­lé­gi­os ina­cei­tá­veis

O edi­to­ri­al A vez da re­for­ma do Es­ta­do (14/9, A3) de­ve­ria me­re­cer a aten­ção de to­dos os que ocu­pam car­gos na es­tru­tu­ra do Es­ta­do bra­si­lei­ro. Não res­ta a me­nor dúvida de que é ur­gen­te e in­dis­pen­sá­vel que se pro­ce­da a uma sé­ria dis­cus­são so­bre o pa­pel do Es­ta­do e que se dê an­da­men­to às con­se­quen­tes e ne­ces­sá­ri­as me­di­das de in­ter­ven­ção na es­tru­tu­ra bu­ro­crá­ti­ca. Não é mais pos­sí­vel que nos­so po­vo to­le­re e as­sis­ta pas­si­va­men­te ao festival de des­man­dos per­pe­tra­do por ser­vi­do­res que de­ve­ri­am ser­vir a ele, mas não pa­ram de bus­car bre­chas ou fa­lhas na le­gis­la­ção pa­ra se au­to­be­ne­fi­ci­a­rem. Va­le re­pe­tir o que diz o edi­to­ri­al: “Não se po­de mais acei­tar que ha­ja pri­vi­lé­gi­os a ser­vi­do­res pú­bli­cos bem re­mu­ne­ra­dos en­quan­to fal­tam re­cur­sos pa­ra ofe­re­cer o bá­si­co – prin­ci­pal­men­te saú­de, edu­ca­ção, trans­por­te e sa­ne­a­men­to bá­si­co – à po­pu­la­ção de baixa ren­da”. In­fe­liz­men­te, é pre­ci­so ad­mi­tir que, nes­te ca­so, o mau exem­plo vem da al­ta cú­pu­la do Ju­di­ciá­rio, que de­ve­ria ze­lar pe­lo que diz a Cons­ti­tui­ção, a qual cla­ra­men­te es­ta­be­le­ce um te­to de gas­tos pa­ra o ser­vi­ço pú­bli­co, mas des­res­pei­ta es­can­da­lo­sa­men­te es­se te­to ao per­mi­tir que mem­bros des­se Po­der usu­fru­am to­do ti­po de van­ta­gens, be­nes­ses e outros ga­nhos ile­gais e imo­rais. O que se vê hoje é que a qua­se to­ta­li­da­de dos juí­zes e pro­mo­to­res ganha aci­ma do te­to. Uma ver­go­nha. MAR­COS CANDAU car­va­lho­can­[email protected]

São Paulo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.