Novatos cri­am grupo ‘pa­ra­le­lo’ na Câ­ma­ra

Sem em­pla­car seus projetos, de­pu­ta­dos de 1º man­da­to que­rem atu­ar de for­ma con­jun­ta

O Estado de S. Paulo - - Política - Renato Ono­fre Ma­ri­a­na Hau­bert / BRA­SÍ­LIA

Sem es­pa­ço den­tro das le­gen­das e lon­ge da ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca dos lí­de­res pa­ra em­pla­car seus projetos, de­pu­ta­dos de pri­mei­ro man­da­to cri­a­ram um grupo pa­ra­le­lo, su­pra­par­ti­dá­rio, pa­ra ten­tar am­pli­ar sua in­fluên­cia na pau­ta da Câ­ma­ra. O grupo já se reu­niu com o pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), pa­ra dis­cu­tir as pro­pos­tas da “no­va bancada”.

As primeiras con­ver­sas so­bre a cri­a­ção do au­to­de­no­mi­na­do Grupo Par­la­men­tar Su­pra­par­ti­dá­rio (GPS) nasceram em um grupo de What­sApp for­ma­do por 18 de­pu­ta­dos fe­de­rais da opo­si­ção que vo­ta­ram a fa­vor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia no se­gun­do tur­no da Câ­ma­ra, con­tra­ri­an­do a orientação de seus res­pec­ti­vos par­ti­dos. Os “dis­si­den­tes”, al­guns al­vos de san­ções, ava­li­am que po­dem se for­ta­le­cer com a união. A ideia bá­si­ca é pro­por e vo­tar jun­tos du­ran­te as ses­sões de­li­be­ra­ti­vas da Câ­ma­ra. “Não é um par­la­men­tar es­pe­cí­fi­co que vai mudar o Brasil, é um grupo”, dis­se o de­pu­ta­do Fe­li­pe Ri­go­ni (PSB-ES) ao jus­ti­fi­car a cri­a­ção do GPS.

Con­for­me re­ve­lou a Co­lu­na do Estadão na quar­ta-fei­ra passada, Ri­go­ni e outros 14 de­pu­ta­dos se reu­ni­ram em um al­mo­ço, em Bra­sí­lia, pa­ra dis­cu­tir os caminhos do grupo. Sen­ta­da à fren­te de Ri­go­ni, a de­pu­ta­da Ta­ba­ta Ama­ral (PDT-SP) foi uma das que se mos­tra­ram frus­tra­das com o rit­mo da tra­mi­ta­ção das pro­pos­tas. Se­gun­do dois par­ti­ci­pan­tes do en­con­tro, a par­la­men­tar – au­to­ra de cin­co projetos de lei – te­ria afir­ma­do que, ape­sar de to­da “pu­bli­ci­da­de es­pon­tâ­nea” do seu no­me, não con­se­gue avan­çar como que­ria em te­mas do seu in­te­res­se.

Ri­go­ni, Ta­ba­ta e outros no­ve par­la­men­ta­res lan­ça­ram um ma­ni­fes­to no mês pas­sa­do em que pe­dem que par­la­men­ta­res pos­sam exer­cer o man­da­to com in­de­pen­dên­cia, sem o ris­co de pu­ni­ções dos par­ti­dos. “En­quan­to exis­tir o pre­si­den­ci­a­lis­mo, o mul­ti­par­ti­da­ris­mo e a fe­de­ra­ção, as li­de­ran­ças par­ti­dá­ri­as pre­ci­sa­rão ou­vir e ne­go­ci­ar com su­as ba­ses, dis­si­den­tes ou não”, afir­mou Ta­ba­ta em ar­ti­go pu­bli­ca­do após a vo­ta­ção da Pre­vi­dên­cia.

Em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do no mês pas­sa­do, a de­pu­ta­da dis­se que “tem mui­to ma­chis­mo” nas crí­ti­cas que re­ce­beu de co­le­gas de Parlamento. Ela ain­da po­de ser ex­pul­sa do PDT por ter vo­ta­do a fa­vor do pro­je­to de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Des­con­for­to. Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co e pro­fes­sor do Ins­per Car­los Me­lo, o fenô­me­no da for­ma­ção de gru­pos su­pra­par­ti­dá­ri­os não é re­cen­te e se­ria fru­to da fal­ta de ri­gor dos par­ti­dos na for­ma­ção de su­as ba­ses e na es­co­lha prag­má­ti­ca de can­di­da­tos que pos­sam ter um bom re­sul­ta­do elei­to­ral. “Você vai en­con­trar es­se ti­po de des­con­for­to em vá­ri­os par­ti­dos, tal­vez te­nha ex­ce­ções em par­ti­dos mais ide­o­ló­gi­cos como PSOL e No­vo, porque têm uma dis­ci­pli­na in­ter­na mui­to for­te, mas o cri­té­rio de se­le­ção dos can­di­da­tos não é ide­o­ló­gi­co”, ava­lia. “É su­per prag­má­ti­co e, de­pois que se ele­gem, as pes­so­as ve­em que não tem com­pa­ti­bi­li­da­de com su­as le­gen­das.”

Na aná­li­se de Me­lo, Ta­ba­ta e Ri­go­ni, por exem­plo, te­ri­am mais iden­ti­da­de en­tre si do que com su­as si­glas. Mas ele res­sal­ta que a atu­a­ção de gru­pos como o GPS po­de re­sul­tar em im­pas­ses, tan­to in­ter­nos quan­to em re­la­ção às le­gen­das de ca­da um de seus in­te­gran­tes. O grupo, por exem­plo, não te­rá como exi­gir fi­de­li­da­de de seus mem­bros e os par­ti­dos po­dem pu­nir de for­ma mais se­ve­ra aque­les que des­res­pei­ta­rem no­va­men­te de­ci­sões so­bre vo­ta­ções.

‘Ide­o­lo­gia’. Ofi­ci­al­men­te, o GPS se de­fi­ne como um “mo­vi­men­to de pes­so­as que age com um pro­pó­si­to ou ob­je­ti­vo de­fi­ni­do sem qual­quer ti­po de in­fluên­cia ou ide­o­lo­gia tan­to dos par­ti­dos de es­quer­da ou de di­rei­ta”. A ideia da fren­te su­pra­par­ti­dá­ria nas­ceu de uma con­ver­sa com o pre­si­den­te da Câ­ma­ra. Maia acon­se­lhou de­pu­ta­dos de pri­mei­ro man­da­do que não se sen­ti­am re­pre­sen­ta­dos em seus par­ti­dos e ban­ca­das a bus­ca­rem uma atu­a­ção par­la­men­tar con­jun­ta.

O grupo já se vê como uma es­pé­cie de “blo­co al­ter­na­ti­vo”, sem a for­ma­li­za­ção dos par­ti­dos, pa­ra pres­si­o­nar lí­de­res, pre­si­den­tes de co­mis­sões e o pró­prio pre­si­den­te da Ca­sa pa­ra pau­tar agen­das comuns. Maia tem tra­ta­do o grupo qua­se como se fos­se uma es­tru­tu­ra tra­di­ci­o­nal da Câ­ma­ra, re­ce­ben­do seus in­te­gran­tes em seu ga­bi­ne­te e na re­si­dên­cia ofi­ci­al.

DIVULGAÇÃO

GPS. De­pu­ta­dos do Grupo Par­la­men­tar Su­pra­par­ti­dá­rio reu­ni­dos em um restaurant­e; ideia é tra­ba­lhar por pau­tas comuns

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.