Com­ple­to, São Paulo so­fre com o CSA

Ti­me de Cu­ca pressiona, mas só ar­ran­ca o em­pa­te por 1 a 1 aos 41 do se­gun­do tem­po e so­ma qua­tro jo­gos sem vitória

O Estado de S. Paulo - - Esportes - Gui­lher­me Amaro

O São Paulo sofreu pa­ra bus­car ape­nas o em­pa­te por 1 a 1 com o CSA, on­tem, no úl­ti­mo jo­go do pri­mei­ro tur­no do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro. Os vi­si­tan­tes sur­pre­en­de­ram e saí­ram na fren­te, mas a equi­pe tri­co­lor mar­cou aos 41 mi­nu­tos do se­gun­do tem­po, com Rei­nal­do.

An­tes de che­gar ao em­pa­te, tor­ce­do­res cha­ma­vam o ti­me de “ama­re­lão” e “sem ver­go­nha” no Mo­rum­bi. O São Paulo não vence há qua­tro jo­gos, com du­as der­ro­tas e dois em­pa­tes. A equi­pe não mar­ca­va ha­via três par­ti­das e ago­ra caiu pa­ra o sex­to lu­gar da ta­be­la do Bra­si­lei­rão, com 32 pon­tos. No fim do con­fron­to, o ti­me foi vai­a­do. Também hou­ve pro­tes­to na saí­da do es­tá­dio. “Foi uma pe­na. Só uma equi­pe jo­gou. Nós fi­na­li­za­mos, mas a bo­la não en­trou. Foi uma in­fe­li­ci­da­de, mas te­mos de se­guir”, dis­se o ata­can­te Pa­blo, que vol­tou ao ti­me.

Pa­ra o za­guei­ro Bruno Alves, o São Paulo me­re­cia a vitória após con­se­guir 30 fi­na­li­za­ções. “Ti­ve­mos vo­lu­me de jo­go, o que foi uma evo­lu­ção. Fi­ca­mos seis mi­nu­tos na área de­les pa­ra mar­car no fim do pri­mei­ro tem­po. Na ho­ra cer­ta, o gol vai sair”, dis­se o de­fen­sor do ti­me.

O téc­ni­co Cu­ca reconhece que os tro­pe­ços den­tro de ca­sa já com­pro­me­tem a lu­ta pe­lo título. “Os em­pa­tes em ca­sa ti­ram a chan­ce de a gen­te bri­gar lá na fren­te. Nos úl­ti­mos qua­tro jo­gos, os re­sul­ta­dos não vi­e­ram e fi­ca ca­da vez mais di­fí­cil bri­gar pe­lo título”, afir­mou.

Da­ni­el Alves atu­ou pe­la pri­mei­ra vez na la­te­ral-di­rei­ta. Her­na­nes vol­tou de lesão e fez a fun­ção de meia, en­quan­to Pa­blo re­as­su­miu a vaga de cen­tro­a­van­te. Alexandre Pa­to, ou­tro que es­ta­va le­si­o­na­do, en­trou após o in­ter­va­lo.

O ti­me te­ve mui­to mais qua­li­da­de e pres­si­o­nou o CSA prin­ci­pal­men­te na par­te fi­nal do pri­mei­ro tem­po. O go­lei­ro Jor­di fez bo­as de­fe­sas, mas também con­tou com a fal­ta de pontaria de Rei­nal­do e Pa­blo.

Um dos des­ta­ques da par­ti­da foi o du­e­lo en­tre Da­ni­el Alves e Apo­di, que também é la­te­ral-di­rei­to de ori­gem, mas atu­ou como ata­can­te. O jo­ga­dor se des­ta­ca mais pe­la ve­lo­ci­da­de do que pe­la téc­ni­ca e não des­gru­da­va do ri­val são-pau­li­no.

Com a pres­são no fim do pri­mei­ro tem­po e a en­tra­da de Pa­to, a ex­pec­ta­ti­va era de que o São Paulo não de­mo­ra­ria a abrir o pla­car. No en­tan­to, o CSA foi qu­em vol­tou melhor do in­ter­va­lo, acer­tou a tra­ve com Eul­ler aos qua­tro mi­nu­tos e mar­cou aos no­ve com Bus­ta­man­te.

O gol fez Cu­ca mudar o São Paulo. En­tra­ram To­ró, ou­tro que vol­tou de lesão, e Igor Go­mes. Por ou­tro la­do, o ti­me tri­co­lor pas­sou a pres­si­o­nar e a ten­tar achar es­pa­ço na de­fe­sa.

Os jo­ga­do­res do São Paulo “afun­da­ram” no cam­po ofen­si­vo. Vi­rou um jo­go de ata­que con­tra de­fe­sa, com o CSA fe­cha­do e bus­can­do os con­tra­gol­pes.

O gol do São Paulo só saiu aos 41 mi­nu­tos do se­gun­do tem­po. Após cru­za­men­to de Da­ni­el Alves e con­fu­são na área, a bo­la so­brou pa­ra Rei­nal­do. O em­pa­te di­mi­nuiu o pre­juí­zo em ca­sa, mas é mui­to pou­co pa­ra uma equi­pe que bri­ga pe­los pri­mei­ros lu­ga­res da ta­be­la em um jo­go con­tra um ad­ver­sá­rio que es­tá na zo­na de re­bai­xa­men­to.

RAHEL PATRASSO / REU­TERS

Em que­da. O São Paulo, de Her­na­nes e Ar­bo­le­da, fi­cou no em­pa­te com o CSA e saiu vai­a­do do Mo­rum­bi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.