Após ‘efei­to Ama­zon’, ações de va­re­jo po­dem se re­cu­pe­rar, dizem ana­lis­tas

Va­re­jis­tas na­ci­o­nais te­ri­am van­ta­gens com­pe­ti­ti­vas so­bre ri­val ame­ri­ca­na no País, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas

O Estado de S. Paulo - - Economia - Ta­li­ta Nas­ci­men­to

As ações bra­si­lei­ras do se­tor de va­re­jo so­fre­ram um aba­lo na se­ma­na passada, na es­tei­ra da che­ga­da da Ama­zon Pri­me – que com­bi­na ofer­ta de fre­te grá­tis em com­pras com aces­so a ser­vi­ços de stre­a­ming, por R$ 9,90 –, mas ana­lis­tas dizem que, no lon­go pra­zo, as em­pre­sas têm como se de­fen­der das in­ves­ti­das da gi­gan­te ame­ri­ca­na no mer­ca­do na­ci­o­nal.

O efei­to nos pa­péis das lí­de­res bra­si­lei­ras do e-com­mer­ce não foi des­pre­zí­vel. Em dois di­as, o Ma­ga­zi­ne Lui­za so­mou des­va­lo­ri­za­ção de 11%; a B2W caiu, 10% e a Via Va­re­jo, 8%. No de­cor­rer da se­ma­na, po­rém, hou­ve al­gu­ma re­cu­pe­ra­ção. O Ma­ga­zi­ne Lui­za con­se­guiu, até sex­ta-fei­ra, res­ti­tuir cer­ca de 45% do va­lor de mer­ca­do perdido, en­quan­to a Via Va­re­jo re­con­quis­tou cer­ca de 21% de su­as per­das e a B2W, 6,7%, de acor­do com da­dos da con­sul­to­ria Eco­no­má­ti­ca.

O pro­fes­sor de fi­nan­ças da Fa­cul­da­de de Economia, Ad­mi­nis­tra­ção e Con­ta­bi­li­da­de da Uni­ver­si­da­de de São Paulo (FEA-USP) Key­ler Car­va­lho Ro­cha cha­ma a aten­ção do in­ves­ti­dor pa­ra o com­por­ta­men­to dos pa­péis nes­ses mo­vi­men­tos. Pa­ra ele, no lon­go pra­zo, de­pen­den­do da per­for­man­ce da Ama­zon, as coi­sas po­dem pi­o­rar pa­ra as ou­tras va­re­jis­tas, mas elas não vão ficar pa­ra­das e devem re­a­gir à concorrent­e.

Reação. Ana­lis­tas de mer­ca­do dizem acre­di­tar que há si­nais que devem im­pul­si­o­nar as em­pre­sas bra­si­lei­ras, como os nú­me­ros re­cen­tes do Instituto Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), que mos­tram al­ta de 4,3% das ven­das do va­re­jo em ju­lho, an­te o mes­mo mês do ano pas­sa­do, e o iní­cio da li­be­ra­ção de no­vos sa­ques de até R$ 500 do Fun­do de Ga­ran­tia do Tem­po de Ser­vi­ço (FGTS).

O Mer­ca­do Li­vre, concorrent­e la­ti­no-ame­ri­ca­no no e-com­mer­ce que tem o Brasil como prin­ci­pal mer­ca­do – e que também sofreu per­das de 3,85% no va­lor de su­as ações na Bol­sa Nas­daq na úl­ti­ma se­ma­na –, mi­ni­mi­za os efei­tos da en­tra­da da Ama­zon Pri­me no Brasil.

“Não nos faz acor­dar mais ce­do nem dor­mir mais tar­de. Nos­sa es­tra­té­gia sem­pre foi no lon­go pra­zo”, afir­mou Le­an­dro Bas­soi, vi­ce-pre­si­den­te de Mer­ca­do En­vi­os pa­ra a América La­ti­na da em­pre­sa.

O ges­tor de fun­dos mul­ti­mer­ca­dos da Ver­sa, Luiz Fer­nan­do Alves, sa­li­en­ta que a Ama­zon não é à pro­va de fa­lhas. Se­gun­do ele, o lan­ça­men­to da se­ma­na passada foi um mo­vi­men­to de “um no­vo com­pe­ti­dor em um mer­ca­do com­pe­ti­ti­vo”.

“Olhan­do pa­ra as em­prei­ta­das ao re­dor do mun­do, a Ama­zon não é um su­ces­so ga­ran­ti­do. No lon­go pra­zo, is­so deve ser ape­nas um ruí­do”, diz. Ele ci­ta a saí­da da em­pre­sa da Chi­na, em maio, por não con­se­guir ven­cer a con­cor­rên­cia lo­cal.

Já Hen­ri­que Bred­da, ges­tor da Alas­ka, co­nhe­ci­do pe­las apos­tas no Ma­ga­zi­ne Lui­za, de­fen­deu no Twit­ter as van­ta­gens de lo­gís­ti­ca da va­re­jis­ta na­ci­o­nal que já ofe­re­ce en­tre­ga em 48 ho­ras em 200 ci­da­des do Brasil, sem ta­xa men­sal. Vo­la­ti­li­da­de na Bol­sa. Is­so não quer di­zer que os anún­ci­os da Ama­zon ain­da não pos­sam tra­zer ins­ta­bi­li­da­de às ações das gi­gan­tes na­ci­o­nais do se­tor – até porque a ame­ri­ca­na tem mui­to po­der de in­ves­ti­men­to. Considerad­o o mer­ca­do glo­bal, se­gun­do a Eco­no­má­ti­ca, a Ama­zon tem o do­bro de va­lor de mer­ca­do da sua mai­or ri­val, a chi­ne­sa Ali­ba­ba.

Pa­ra o ana­lis­ta-che­fe da Necton, Glau­co Le­gat, a for­ça da em­pre­sa ame­ri­ca­na deve ser sem­pre le­va­da em conta pe­lo in­ves­ti­dor. “Há fa­to­res que di­mi­nu­em o impacto des­sa en­tra­da. E um de­les é a pers­pec­ti­va de cres­ci­men­to do con­su­mo bra­si­lei­ro ba­se­a­do nos úl­ti­mos ín­di­ces com pe­que­nas me­lho­ras e ações (de go­ver­no), como a li­be­ra­ção do FGTS.”

Ele lem­bra, por ou­tro la­do, que não é pos­sí­vel ig­no­rar o ta­ma­nho da concorrent­e que che­gou ao mer­ca­do bra­si­lei­ro. “As va­re­jis­tas bra­si­lei­ras, como Ma­ga­zi­ne Lui­za, têm boa es­tru­tu­ra lo­gís­ti­ca pa­ra com­pe­tir, mas no ní­vel glo­bal es­se jo­go fi­ca com­pli­ca­do”, com­ple­ta Le­gat.

O ana­lis­ta da Gui­de In­ves­ti­men­tos, Rafael Pas­sos, aler­ta que a vo­la­ti­li­da­de vis­ta nos pa­péis das em­pre­sas bra­si­lei­ras du­ran­te a se­ma­na passada po­de se re­pe­tir no curto pra­zo. “A prin­cí­pio, as ações fi­cam pres­si­o­na­das pa­ra bai­xo. A ca­da anún­cio da Ama­zon, ha­ve­rá es­se mo­vi­men­to.” Por es­sa ra­zão, du­ran­te o ano, ape­sar da cur­va de al­ta, as ações das va­re­jis­tas já ti­nham so­fri­do os­ci­la­ções.

“Há fa­to­res que ten­dem a di­mi­nuir o impacto da en­tra­da da Ama­zon Pri­me no Brasil, como a pers­pec­ti­va de cres­ci­men­to do con­su­mo das fa­mí­li­as bra­si­lei­ras, e ações pon­tu­ais, como a no­va ro­da­da de li­be­ra­ção dos sa­ques do FGTS.”

Glau­co Le­gat

ANA­LIS­TA-CHE­FE DA NECTON

LE­AN­DRO FON­SE­CA / MA­GA­ZI­NE LUI­ZA-4/9/2018

Dis­tri­bui­ção. Lo­gís­ti­ca das va­re­jis­tas bra­si­lei­ras é mais bem es­tru­tu­ra­da, diz con­sul­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.