O olhar do ou­tro

Te­a­tro. De­ni­se Fra­ga estreia em mo­nó­lo­go com ‘Eu de Você’, ins­pi­ra­do em his­tó­ri­as re­ais

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ubi­ra­tan Brasil

Cum­pri­men­tar o pú­bli­co du­ran­te a en­tra­da no te­a­tro tor­nou-se uma prá­ti­ca ca­ri­nho­sa da atriz De­ni­se Fra­ga – surpresos, os es­pec­ta­do­res sen­ti­am-se, de uma cer­ta for­ma, in­te­gran­tes do es­pe­tá­cu­lo. Com Eu de Você, no en­tan­to, seu no­vo tra­ba­lho que estreia na quin­ta-fei­ra, 19, no Te­a­tro Vi­vo, o grau de in­ti­mi­da­de atin­giu uma fai­xa su­pe­ri­or, com in­ge­rên­cia no pró­prio texto dra­ma­túr­gi­co. “Aqui, fa­la­mos com leveza de te­mas delicados, mar­ca­dos, mui­tas ve­zes, pe­la dor e o so­fri­men­to”, ob­ser­va a atriz.

De fa­to, Eu de Você re­ve­la-se uma bem cos­tu­ra­da dra­ma­tur­gia que reú­ne his­tó­ri­as e sen­ti­men­tos da pró­pria De­ni­se, de ci­ta­ções de es­cri­to­res re­no­ma­dos (ve­ja ao la­do) e, prin­ci­pal­men­te, de vi­vên­ci­as re­ais de pes­so­as anô­ni­mas, co­le­ta­das ao lon­go de seis me­ses. “Es­se tra­ba­lho se ins­pi­ra em um pro­je­to ini­ci­a­do quan­do mon­ta­mos pe­ças de Ber­tolt Bre­cht, que nos en­si­nou que a ar­te po­de ser o de­grau pa­ra o su­bli­me”, ex­pli­ca a atriz, que pro­ta­go­ni­zou e pro­du­ziu A Al­ma Boa de Set­su­an (2008) e Ga­li­leu, Ga­li­lei (2015), tex­tos que po­dem ser in­cluí­dos no que o au­tor ale­mão cha­ma­va de “ex­pe­ri­men­tos so­ci­o­ló­gi­cos”.

O no­vo es­pe­tá­cu­lo co­me­çou a to­mar for­ma quan­do De­ni­se, o di­re­tor Luiz Vil­la­ça e o pro­du­tor Jo­sé Maria de­ci­di­ram cri­ar um tra­ba­lho em que a co­mu­ni­ca­ção di­re­ta en­tre as pes­so­as – como o con­tar de uma his­tó­ria – fos­se o as­pec­to prin­ci­pal. “Vi­ve­mos um tem­po que nos convida ao iso­la­men­to, ao me­do do con­ví­vio, ao iso­la­men­to. Daí veio a ideia de pe­dir­mos que nos en­vi­as­sem as su­as his­tó­ri­as.”

O con­vi­te foi pron­ta­men­te acei­to – ao to­do, che­ga­ram es­pon­ta­ne­a­men­te mais de 300 de­poi­men­tos, en­tre ca­sos en­gra­ça­dos e confissões me­lan­có­li­cas. Foi aí que o trio se­le­ci­o­nou aque­les que tra­zi­am uma al­ta car­ga de hu­ma­nis­mo. “Fi­cou mui­ta coi­sa boa de fora, o que me dei­xou an­gus­ti­a­da, mas es­co­lhe­mos his­tó­ri­as que são, como gos­to de brin­car, como can­ções do Ro­ber­to Car­los: to­do mun­do co­nhe­ce ao me­nos um tre­cho”, conta De­ni­se. O texto fi­nal foi as­si­na­do pe­lo au­tor e di­re­tor Rafael Go­mes e não tra­zem re­la­tos com­ple­tos, mas frag­men­tos bem cos­tu­ra­dos. “Lem­bran­ças re­ais ins­pi­ra­ram a dra­ma­tur­gia pa­ra con­tar o que, ao fi­nal, parece ser uma his­tó­ria úni­ca”, ob­ser­va Vil­la­ça.

Uma ava­li­a­ção su­per­fi­ci­al po­de su­ge­rir que a pe­ça se as­se­me­lha ao qua­dro Re­tra­to Fa­la­do, exi­bi­do no pro­gra­ma Fan­tás­ti­co, da Glo­bo, em du­as tem­po­ra­das, en­tre 2000 e 2007. Mas, na ver­da­de, ape­nas o pon­to de par­ti­da é o mes­mo: apoi­ar-se em re­la­tos re­ais. Como pro­du­to ori­gi­nal, Eu de Você é uma pe­ça so­fis­ti­ca­da, que une con­ta­ção de his­tó­ri­as, tri­lha so­no­ra ao vi­vo (exe­cu­ta­da pe­las mu­si­cis­tas Fer­nan­da Maia, Cla­ra Bas­tos e Pris­ci­la Bri­gan­te) e pro­je­ção de ima­gens de pes­so­as que con­tri­buí­ram de al­gu­ma for­ma com o es­pe­tá­cu­lo.

Em cena, é pos­sí­vel ou­vir fra­ses re­ve­la­do­ras, como a de um ra­paz cha­ma­do Bruno: “Mo­ro per­to do aeroporto e os aviões que pas­sam por ci­ma da minha ca­be­ça me en­si­na­ram a olhar pa­ra ci­ma”. Ou poé­ti­cas, como a di­ta por Wag­ner: “Os tem­po­rais con­ti­nu­am. Com eles, eu me acos­tu­mo. Mas não posso su­por­tar o tem­po nu­bla­do por mui­to tem­po. Há que bus­car a cla­ri­da­de”. Ou ain­da si­nais de uma vitória pes­so­al, como a con­fes­sa­da por Ka­ri­na: “De­pois da sen­sa­ção de que você pas­sou anos se olhan­do pe­los olhos das ou­tras pes­so­as, fi­nal­men­te você re­co­lo­ca os seus olhos de volta e pas­sa a olhar pa­ra você por você”.

Mes­mo ra­di­an­te com o que cha­ma de “sin­fo­nia de hu­ma­ni­da­des”, De­ni­se re­sis­tia ao fa­to de ficar so­zi­nha no pal­co. “Nun­ca fiz um mo­nó­lo­go por gos­tar jus­ta­men­te da tro­ca en­tre ato­res em cena”, conta ela, que se sen­tiu mais con­fi­an­te quan­do os cri­a­do­res per­ce­be­ram que os de­poi­men­tos se tor­na­ri­am ain­da mais po­de­ro­sos se ga­nhas­sem a com­pa­nhia de ci­ta­ções de au­to­res clás­si­cos. “Gos­to de brin­car di­zen­do que qu­em lê Dos­toi­evs­ki ou Fer­nan­do Pes­soa vai no mí­ni­mo so­frer mais bo­ni­to, porque vai so­frer com a cum­pli­ci­da­de dos poetas.”

Fi­nal­men­te, seus co­le­gas de cri­a­ção pe­di­ram que De­ni­se in­cluís­se al­gu­mas de su­as his­tó­ri­as pes­so­ais, como a ha­bi­li­da­de da mãe em na­dar e a do pai em can­tar. E é jus­ta­men­te es­sa fu­são de me­mó­ri­as que trans­for­ma sua atu­a­ção em um de­sa­fio – utilizando, como pou­cas ve­zes, to­dos seus inú­me­ros re­cur­sos ar­tís­ti­cos, De­ni­se vai da secretária an­gus­ti­a­da ao ga­ro­to que se descobre em meio a um as­sal­to, das do­res de Fer­nan­do Pes­soa à pró­pria De­ni­se e seu me­do de en­fren­tar o mar. Não sa­tis­fei­ta, ela corre pe­los cor­re­do­res do te­a­tro, em bus­ca de es­pec­ta­do­res que a aju­dem a nar­rar “aque­le ma­nan­ci­al de vul­ne­ra­bi­li­da­des”. E a pla­teia, mes­mo a par­ce­la que tem pa­vor de ser cha­ma­da a par­ti­ci­par, a re­ce­be de bra­ços aber­tos, emo­ci­o­na­da. “De tão comuns, as his­tó­ri­as po­de­ri­am ser con­ta­das por pra­ti­ca­men­te qual­quer pes­soa que es­tá no te­a­tro”, acre­di­ta o pro­du­tor Jo­sé Maria.

E o fi­nal, que não con­vém re­ve­lar pe­la sur­pre­sa, co­roa a ta­pe­ça­ria que De­ni­se foi cos­tu­ran­do com to­dos re­la­tos em pou­co mais de uma ho­ra, des­ta­can­do o su­bli­me do co­ti­di­a­no por meio da ar­te. “Foi um pro­ces­so so­fri­do, pois não sa­bía­mos qual se­ria o re­sul­ta­do”, con­fes­sa De­ni­se, cu­ja res­pos­ta re­ce­be com o pú­bli­co, des­sa vez, a abra­çan­do na saí­da.

“Uma flor nas­ceu no as­fal­to! Pas­sem de lon­ge bon­des, ôni­bus, rio de aço do trá­fe­go. Uma flor ain­da des­bo­ta­da ilu­de a polícia, rom­pe o as­fal­to”

Car­los Drum­mond de An­dra­de PO­E­TA

“Não sou lou­co por solidaried­ade aos mi­lha­res de nós que, pa­ra cons­truir o pos­sí­vel, também sa­cri­fi­ca­ram a ver­da­de que se­ria uma lou­cu­ra”

Cla­ri­ce Lis­pec­tor, ES­CRI­TO­RA

“Eu, quan­do olho nos olhos, sei quan­do uma pes­soa es­tá por den­tro ou es­tá por fora. Qu­em es­tá por fora não segura um olhar que de­mo­ra”

Paulo Le­mins­ki, PO­E­TA

A be­le­za é sem­pre al­guém no sen­ti­do que ela se con­cre­ti­za ape­nas pe­la ex­pec­ta­ti­va de reu­nião com o ou­tro”

Val­ter Hu­go Mãe ESCRITOR

CA­CÁ BER­NAR­DES

A atriz. Em cena, conta di­ver­sas his­tó­ri­as, in­clu­si­ve as su­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.