‘NOS ANOS 80 ELA CAUSAVA, GEN­TE’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 -

Ma­ri­na diz que Can­dé Sal­les po­de fa­lar melhor do filme que ela. “Ser­vi de ob­je­to de es­tu­do do Can­dé por dez anos. Foi mui­to le­gal, te­mos mui­ta in­ti­mi­da­de”, dis­se. “Ela diz is­so, mas o cu­ri­o­so é que Ma­ri­na tem 22 ou 23 dis­cos lan­ça­dos e só um DVD”, re­pli­ca o di­re­tor e ex-na­mo­ra­do – fa­to que o le­vou a pro­vi­den­ci­ar es­se ma­te­ri­al em ví­deo. S0­bre sua per­so­na­li­da­de, ele re­su­me: “Nos anos 80 ela causava, gen­te!” Con­fi­ra a con­ver­sa com Can­dé so­bre Uma Ga­ro­ta Cha­ma­da Ma­ri­na.

São dez anos de gravação. Como tu­do co­me­çou?

Nós na­mo­rá­va­mos e fui mo­rar com ela na La­goa. Nes­sa época ela es­ta­va com uns 50 e pou­cos anos e mui­to in­qui­e­ta com o Rio, in­sa­tis­fei­ta com a ci­da­de. Achei is­so cu­ri­o­so, porque o Rio sem­pre foi o ber­ço de to­dos os seus su­ces­sos. Ela co­me­çou um pro­ces­so de mu­dan­ça pa­ra São Paulo, es­ta­va en­sai­an­do um show com di­re­ção do Isay Wein­feld, um ca­ra ado­rá­vel. Ob­ser­vei to­do es­se mo­vi­men­to e fa­lei: “Opa! Aí tem mui­ta coi­sa.”

Em depoimento no filme, Cao Albuquerqu­e diz que Ma­ri­na é mui­to mais que can­to­ra e que ela “fez mui­ta gen­te go­zar”. O que quis di­zer com es­sa fra­se? Ela fa­la uma coi­sa que é mui­to bonita, que a mú­si­ca tem a ca­pa­ci­da­de de afa­gar e eter­ni­zar mo­men­tos e pes­so­as. O Cao diz que ela, como com­po­si­to­ra, tem uma ca­ne­ta­da boa pra is­so. O que ele quis ex­pres­sar, eu acho, foi que não há uma pes­soa que não te­nha ti­do al­gu­ma boa re­cor­da­ção en­quan­to to­ca­va uma mú­si­ca de­la. Ima­gi­na, nos anos 80 ela causava, gen­te...

Quais os mo­men­tos que acha os mais cu­ri­o­sos do filme? Ado­ro a his­tó­ria so­bre quan­do ela po­sou pa­ra a re­vis­ta Play­boy, aos 45 anos.

O que acon­te­ceu en­tão?

Ela foi po­sar nua porque es­ta­va sem gra­na, es­ta­va sem can­tar há uns anos, ti­nha can­ce­la­do uma tur­nê de 60 shows. Aí, du­ran­te uma ses­são de te­ra­pia, o ana­lis­ta de­la fa­lou: “Po­sa nua, Ma­ri­na”. Ela re­tru­cou: “Mas dou­tor, como as­sim? Como é que eu vou ex­pli­car pa­ra as pes­so­as que vou po­sar nua?” Aí o te­ra­peu­ta des­co­briu uma boa so­lu­ção: “Fa­la a qu­em per­gun­tar que foi pres­cri­ção mé­di­ca” (ri­sos). Es­sa é a Ma­ri­na.

Deve ter da­do um tra­ba­lhão edi­tar dez anos de ma­te­ri­al. Você gra­vou des­de VHS até ce­lu­lar. Como foi or­ga­ni­zar tu­do is­so? Minha pro­du­to­ra Le­tí­cia Mon­te e o Lu­la Bu­ar­que de Holanda (do­nos da Es­pi­ral Fil­mes), que for­mam um ca­sal ma­ra­vi­lho­so, en­tra­ram nes­sa on­da de me aju­dar a or­ga­ni­zar tu­do e a fa­zer es­se con­jun­to de me­mó­ri­as vi­rar um filme.

RE­PRO­DU­ÇÃO

Car­taz. Ci­ne­as­ta pas­sou 10 anos reu­nin­do ma­te­ri­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.