A his­tó­ria se­cre­ta de uma in­dús­tria pop

Sé­rie de oi­to epi­só­di­os do ca­nal Mu­sic Box Bra­zil mos­tra os bas­ti­do­res da pro­du­ção que po­ten­ci­a­li­zou a mú­si­ca po­pu­lar dos anos 80

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Julio Maria

His­tó­ri­as pre­ci­sam de tem­po pa­ra vi­rar his­tó­ria. Al­guns pes­qui­sa­do­res fa­lam em 20 anos, outros de­li­mi­tam nos 30, mas o fa­to é que ela es­tá lá, a bar­ra­gem do fu­tu­ro, de­ter­mi­nan­do o que pas­sa ou não à pos­te­ri­da­de. Quan­do os anos pu­xa­dos por 1980 che­ga­ram, sain­do dos 70, a mú­si­ca ex­pe­ri­men­tou a mais ra­di­cal rup­tu­ra de lin­gua­gem so­fri­da em gar­ga­los ge­ra­ci­o­nais. Tu­do an­tes ha­via fei­to o giro com mais su­a­vi­da­de. Os 50 pre­pa­ra­ram a che­ga­da dos Be­a­tles nos 60 por pe­lo me­nos seis anos, os 60 fi­ze­ram o mes­mo pe­los gui­tar he­ro­es dos 70 e, de­pois dos 90, a fi­ta pas­sou a gi­rar ao con­trá­rio. Mas ali, no Brasil dos nos 80, a an­ti-ide­o­lo­gia de um País que saía de um re­gi­me tão so­ci­al­men­te ne­fas­to quan­to po­e­ti­ca­men­te ins­pi­ra­dor faria cres­cer a an­ti-mú­si­ca, ou a mú­si­ca des­pu­do­ra­da­men­te pop e fe­liz.

O jor­na­lis­ta An­dré Bar­cins­ki saiu com a pá em pu­nho pa­ra che­gar às ca­ma­das mais pro­fun­das da era per­di­da, como mui­ta gen­te chamou. Um lu­gar sem mais uma cau­sa uni­fi­ca­do­ra, com uma bom­ba de­to­na­da no meio da pis­ta da dis­co­te­ca cha­ma­da Aids e o sur­gi­men­to do som es­té­reo sin­to­ni­za­do em frequên­cia mo­du­la­da nas rá­di­os do País, as FMs. Sem mais a in­cum­bên­cia de so­ar como o fu­zil da re­sis­tên­cia, a mú­si­ca bra­si­lei­ra re­la­xou e cap­tou o sen­ti­men­to das pes­so­as que, de­pois de tan­to tem­po, que­ri­am ape­nas amar.

A sé­rie que in­ves­ti­ga es­ses fenô­me­nos de mas­sa sur­gi­dos nes­se ce­ná­rio re­du­zi­do mui­tas ve­zes à ter­mi­no­lo­gia “bre­ga” se cha­ma A His­tó­ria Se­cre­ta do Pop Bra­si­lei­ro, mos­tra­da no festival In-Edit, em ju­nho, e que se­rá exi­bi­da a par­tir do dia 11 de ou­tu­bro, no ca­nal Mu­sic Box Bra­zil. Uma “nar­ra­ção au­to­ral” é fei­ta por Ar­ri­go Bar­na­bé e a sé­rie é di­vi­di­da em oi­to epi­só­di­os exi­bi­dos às sextas, às 22h30. Eles são Os Clo­nes (a his­tó­ria dos clo­nes bra­si­lei­ros de Tri­ni Lo­pez, Dee D. Jack­son e Genghis Khan), Fal­sos Grin­gos (como o pop bra­si­lei­ro fa­bri­cou can­to­res es­tran­gei­ros que, na ver­da­de, eram bra­si­lei­ros, como Mor­ris Al­bert, Mark Da­vis, Ter­ry Win­ter, Don Ma­cle­an, Paul Den­ver e Chrys­ti­an), Os Car­bo­nos (a his­tó­ria da ban­da de es­tú­dio pau­lis­ta­na que gra­vou al­go como 50 mil mú­si­cas em 30 anos de car­rei­ra, de É o Amor a Fe­e­lings ), Dis­cos Fan­tas­mas (os dis­cos co­vers ven­di­dos como se fos­sem ori­gi­nais), Can­to­res de Es­tú­dio (os vo­ca­lis­tas de apoio das gra­va­ções mais su­bli­mes da época), A Explosão da Mú­si­ca In­fan­til (como os mai­o­res hits in­fan­tis, da Tur­ma do Cha­ves à Xu­xa, pas­san­do por Ba­lão Má­gi­co e Trem da Ale­gria), Os Bai­les (a cultura das do­min­guei­ras) e Mis­ter Sam (com a his­tó­ria do ar­gen­ti­no San­ti­a­go Mal­na­ti, um pro­du­tor vi­si­o­ná­rio e nem sem­pre mui­to éti­co na cons­tru­ção de no­mes como Gret­chen, Nahim, Lady Lu e Black Ju­ni­ors, de Mas que Lin­da Es­tás, de 1984).

O com­po­si­tor Paulo Mas­sa­das tem grande es­pa­ço em pe­lo me­nos dois epi­só­di­os, o da mú­si­ca in­fan­til e o dos bai­les. Ele fa­la de um tem­po em que atu­ou ao la­do de Mi­cha­el Sul­li­van, for­man­do a du­pla mais pro­du­ti­va de hits ra­di­ofô­ni­cos da dé­ca­da, fi­na­li­za­da por um des­gas­te mú­tuo, se­gun­do Mas­sa­das. Co­me­çan­do a con­ver­sa com o Es­ta­do por te­le­fo­ne, dos Es­ta­dos Uni­dos, on­de vi­ve, ele diz que não se pro­duz mais pas­sa­do como se pro­du­zia. É como se o tem­po fos­se uma cha­pa, li­ne­ar. “A tec­no­lo­gia pro­por­ci­o­nou o sur­gi­men­to de vo­zes sem ne­nhu­ma me­ri­to­cra­cia ar­tís­ti­ca. E de­ve­ria ha­ver uma es­ca­da pa­ra se su­bir. A ar­te não de­ve­ria ser de­mo­crá­ti­ca, não é como ti­rar car­tei­ra de mo­to­ris­ta.” Se hoje não há mú­si­cas de qua­li­da­de? Sim, há, mas... “Se você ti­ves­se de es­co­lher um pra­to de co­mi­da en­tre 1 bi­lhão de pratos, qual es­co­lhe­ria?”

Os anos 80 abri­ram um por­tal que não se co­nhe­cia. “As pes­so­as que­ri­am brin­car, que­ri­am can­tar, co­me­mo­rar a vi­da, a volta da de­mo­cra­cia. Per­ce­bi que po­de­ría­mos atu­ar aí, usar uma lin­gua­gem mais di­re­ta, mais aber­ta. Pen­so que Sul­li­van e Mas­sa­das não exis­ti­ri­am se a dé­ca­da fos­se a de 60 ou de 70.” Mas ain­da as­sim, com car­tão ver­de pa­ra cri­ar tri­lhas in­fan­tis e su­ces­sos de mas­sa, ha­via um có­di­go só­li­do na mú­si­ca bra­si­lei­ra cons­truí­do por dé­ca­das. Al­go que, de re­pen­te, era ame­a­ça­do por dois ro­los com­pres­so­res que che­ga­vam pa­ra tal­vez des­truir a tra­di­ção poé­ti­ca e mu­si­cal de No­el a Vinicius, de Ca­e­ta­no, Chi­co e Gil. “So­fre­mos uma per­se­gui­ção de to­dos os la­dos”, ele lem­bra. “Eu sou fã de to­dos eles, mas sen­ti que os ar­tis­tas co­me­ça­ram a ter pre­cau­ção com re­la­ção a nós, sa­bi­am que es­ta­vam pu­lan­do um mu­ro pe­ri­go­so se nos gra­vas­sem.” De­pois que Tim Maia gra­vou Le­va, em 1985, o pre­ço das al­mas pa­re­ceu não ser tão caro as­sim e os ar­tis­tas co­me­ça­ram a pro­cu­rá-los mais. “Os ar­tis­tas que re­lu­ta­vam a nos gra­var ven­di­am 35 mil dis­cos. Quan­do gra­va­vam, a ven­da­gem ia pa­ra 535 mil”, ele diz, sem dar no­mes. Gal, Si­mo­ne, Jo­an­na, Fag­ner. Ven­do hoje, pe­la fen­da do tem­po, o di­a­bo não co­brou tão caro as­sim pa­ra fa­zê-los mi­li­o­ná­ri­os.

MU­SIC BOX BRASIL

Nos bas­ti­do­res dos anos 80. Bar­cinsky (es­quer­da) di­ri­ge epi­só­dio que mos­tra as vo­zes por trás dos gran­des hits da época

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.