Ana Car­la Abrão

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - ANA CAR­LA ABRÃO E-MAIL: [email protected] ES­CRE­VE ÀS TER­ÇAS-FEI­RAS

Usar os re­sul­ta­dos dos ex­ces­sos de gas­tos pa­ra jus­ti­fi­car a ne­ces­si­da­de de gas­tar mais pa­ra cres­cer é fa­lá­cia.

Em la­tim, fal­le­re é o ver­bo que se tra­duz pa­ra o por­tu­guês co­mo en­ga­nar, ilu­dir ou tra­pa­ce­ar. De­le de­ri­va o ter­mo fa­lá­cia, que na­da mais é do que um ra­ci­o­cí­nio que pa­re­ce fa­zer sen­ti­do, mas que le­va, in­va­ri­a­vel­men­te, a uma con­clu­são er­ra­da. Do pon­to de vis­ta ló­gi­co, fa­lá­cia é o uso de ar­gu­men­tos sem fun­da­men­to ou fa­lhos pa­ra de­fen­der um re­sul­ta­do. Há fa­lá­ci­as in­ten­ci­o­nais, cu­jo ob­je­ti­vo é o de con­fun­dir – e não o de es­cla­re­cer. Es­ses são so­fis­mas e an­dam se mul­ti­pli­can­do no de­ba­te na­ci­o­nal quan­do o te­ma é ajus­te fis­cal ou o te­to de gas­tos. São tex­tos, ar­gu­men­tos e con­clu­sões que ar­re­gi­men­tam de­fen­so­res pou­co isen­tos, pois bus­cam in­sis­tir no er­ro já co­me­ti­do, ou jus­ti­fi­cá-los, con­fun­din­do cau­sa e con­sequên­cia nu­ma ci­ran­da de nú­me­ros pou­co ri­go­ro­sa.

“Gas­to pú­bli­co é vi­da” é a ho­je

cé­le­bre frase da en­tão mi­nis­tra da Ca­sa Ci­vil, Dil­ma Rous­seff, na reu­nião que mar­cou o iní­cio da nos­sa der­ro­ca­da fis­cal. Foi ali que se de­fi­niu a in­fle­xão de uma po­lí­ti­ca econô­mi­ca aus­te­ra e con­sis­ten­te e cri­ou-se as ba­ses pa­ra o que vi­ria a ser co­nhe­ci­do mais tar­de co­mo a No­va Ma­triz Econô­mi­ca (NME), gê­ne­se dos nos­sos pro­ble­mas fis­cais. Mas as viú­vas e viú­vos des­sa (des)ori­en­ta­ção econô­mi­ca con­ti­nu­am aí, in­sis­tin­do que a cau­sa da re­ces­são e o vi­lão da dí­vi­da pú­bli­ca – os ju­ros, cla­ro – são to­dos re­sul­ta­dos das cor­re­ções e não dos er­ros co­me­ti­dos no pas­sa­do. In­sis­tem, afi­nal, que é gas­tan­do que se sai da cri­se, de­fen­den­do con­cei­tos am­pla­men­te usa­dos no pas­sa­do re­cen­te, nu­ma es­qui­zo­fre­nia de quem acre­di­ta que ações iguais po­dem ge­rar re­sul­ta­dos di­fe­ren­tes.

Foi es­se o mo­te de ar­ti­go pu­bli­ca­do no do­min­go na Fo­lha de S. Pau­lo, sob o tí­tu­lo de “Por que cor­tar gas­tos não é so­lu­ção pa­ra o Bra­sil ter cres­ci­men­to vi­go­ro­so?” e as­si­na­do por um gru­po de eco­no­mis­tas da Uni­camp, UFRJ e Uni­si­nos e UFF. Ali os au­to­res ne­gam o de­se­qui­lí­brio fis­cal e ar­gu­men­tam que o cres­ci­men­to dos gas­tos obri­ga­tó­ri­os não é um pro­ble­ma, e re­for­çam a con­clu­são de que a re­ces­são é fru­to do ajus­te. Afi­nal, co­mo não há de­se­qui­lí­brio e não há co­mo fal­tar re­cur­sos, pois o go­ver­no po­de se fi­nan­ci­ar de for­ma ili­mi­ta­da em mo­e­da lo­cal, o gru­po to­ma ca­ro­na nu­ma ver­são bem tu­pi­ni­quim da no­va te­o­ria mo­ne­tá­ria (NMT na si­gla em in­glês) e a tem­pe­ra com pi­ta­das de NME.

Os nú­me­ros, de fa­to, não men­tem. Vi­ve­mos um ci­clo de re­du­ção con­tí­nua da ca­pa­ci­da­de do se­tor pú­bli­co de in­ves­tir, o que le­va à ob­via con­clu­são de que es­ta­mos so­fren­do com bai­xo in­ves­ti­men­to pú­bli­co (e pri­va­do). O in­ves­ti­men­to pú­bli­co atin­giu pa­ta­ma­res his­to­ri­ca­men­te bai­xos, nos três ní­veis da fe­de­ra­ção. Pa­ra­le­la­men­te, os gas­tos obri­ga­tó­ri­os, em par­ti­cu­lar os gas­tos com des­pe­sas de pes­so­al, cres­ce­ram à ta­xa re­al de 3,17% ao ano nos úl­ti­mos 7 anos en­quan­to as re­cei­tas se ele­va­ram, em ter­mos re­ais, me­nos de 0,82% nes­se mes­mo pe­río­do. O des­co­la­men­to das du­as tra­je­tó­ri­as ocor­reu tan­to em tem­pos de bo­nan­ça quan­to em tem­pos de re­ces­são, sen­do a sequên­cia mui­to cla­ra.

À me­di­da que re­cei­tas ex­tra­or­di­ná­ri­as fo­ram min­guan­do e as des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as con­ti­nu­a­vam cres­cen­do em rit­mo de­fi­ni­do pe­los seus mo­to­res pró­pri­os (vin­cu­la­ções e/ou cres­ci­men­to ve­ge­ta­ti­vo), só ha­via uma con­ta a ser re­du­zi­da pa­ra mi­ni­mi­zar o de­se­qui­lí­brio es­tru­tu­ral en­tre des­pe­sas e re­cei­tas. E es­sa con­ta era a do in­ves­ti­men­to, aque­la, den­tre to­das as des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as, de mais fá­cil ajus­te. O de­se­qui­lí­brio es­tru­tu­ral con­ti­nua, ape­sar de ne­ga­do pe­los au­to­res, e ho­je com­pro­me­te não só os in­ves­ti­men­tos, mas tam­bém o fun­ci­o­na­men­to da má­qui­na.

Mas a so­lu­ção fá­cil vi­ria não pe­la re­ver­são do de­se­qui­lí­brio ine­xis­ten­te, re­cei­ta vil de or­to­do­xos sem co­ra­ção, mas pe­la ma­nu­ten­ção da ten­dên­cia de cres­ci­men­to da dí­vi­da pú­bli­ca. Afi­nal, gas­to é vi­da, or­ça­men­to pú­bli­co tem di­nâ­mi­ca dis­tin­ta do or­ça­men­to pri­va­do e dí­vi­da pú­bli­ca po­de ser ili­mi­ta­da. Pa­ra fe­char es­se ar­gu­men­to te­mos que es­que­cer dos ju­ros, aque­le vi­lão que os he­te­ro­do­xos ten­dem a ig­no­rar ser um pre­ço. Ju­ro, lem­bre­mos, é con­sequên­cia e não cau­sa. In­cer­te­za, sol­vên­cia e ris­co es­tão na ba­se da for­ma­ção des­se pre­ço, a não ser que ig­no­re­mos tu­do is­so e dei­xe­mos a in­fla­ção vol­tar, as­sim co­mo acon­te­ceu em 2016.

De fa­to, os au­to­res têm ra­zão ao afir­mar que o Bra­sil não que­brou. Mas só não que­brou ain­da por­que hou­ve, em me­a­dos de 2016, um im­pe­a­ch­ment que nos deu a chan­ce de re­es­cre­ver nos­sa his­tó­ria econô­mi­ca e mu­dar a ro­ta que nos le­va­va ao co­lap­so. Foi gra­ças ao te­to de gas­tos, à re­for­ma tra­ba­lhis­ta, à apro­va­ção da TLP e ago­ra à re­for­ma da Pre­vi­dên­cia – e qui­çá uma pro­fun­da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va – que co­me­ça­re­mos a vis­lum­brar um país me­lhor. Um país mais jus­to, com mais opor­tu­ni­da­des e uma me­lhor alo­ca­ção de re­cur­sos. Gas­tar me­nos e me­lhor é a so­lu­ção. Usar os re­sul­ta­dos dos ex­ces­sos de gas­tos pa­ra jus­ti­fi­car a ne­ces­si­da­de de gas­tar mais pa­ra cres­cer é fa­lá­cia, se­não en­ga­na­ção.

O im­pe­a­ch­ment de Dil­ma pos­si­bi­li­tou ao País re­es­cre­ver a sua his­tó­ria econô­mi­ca

ECO­NO­MIS­TA E SÓ­CIA DA CON­SUL­TO­RIA OLIVER WYMAN. O AR­TI­GO RE­FLE­TE EX­CLU­SI­VA­MEN­TE A OPI­NIÃO DA CO­LU­NIS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.