O mé­to­do

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

A Jair Bol­so­na­ro e a quem o cer­ca in­ti­ma­men­te po­de não in­te­res­sar ser “efi­ci­en­te” a sua re­la­ção com o Con­gres­so.

Du­ran­te even­to pro­mo­vi­do pe­lo Es­ta­do e pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Eco­no­mia (Ibre) da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV) so­bre as pers­pec­ti­vas econô­mi­cas pa­ra o País, o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Fer­nan­do Li­mon­gi afir­mou que o go­ver­no fe­de­ral é “ine­fi­ci­en­te” na re­la­ção com o Con­gres­so Na­ci­o­nal.

No pai­nel Pre­si­den­ci­a­lis­mo à Bol­so­na­ro, o pro­fes­sor da Es­co­la de Eco­no­mia da FGV apon­tou que, das 11 pri­mei­ras Me­di­das Pro­vi­só­ri­as (MPs) edi­ta­das pe­lo go­ver­no Bol­so­na­ro, 7 per­de­ram a efi­cá­cia por não te­rem si­do vo­ta­das em tem­po há­bil. “O go­ver­no tem um cer­to de­sin­te­res­se pe­las pró­pri­as pro­pos­tas que en­via ao Le­gis­la­ti­vo”, dis­se Li­mon­gi.

Es­tá-se di­an­te de al­go mais ma­lé­fi­co pa­ra a de­mo­cra­cia do que o apa­ren­te de­sin­te­res­se do go­ver­no pe­la de­fe­sa de sua pró­pria agen­da e a ine­fi­ci­ên­cia na re­la­ção com os par­la­men­ta­res, fa­tos que por si sós já se­ri­am gra­ves. En­tre Exe­cu­ti­vo e Le­gis­la­ti­vo pra­ti­ca­men­te não há ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca. Igual­men­te, a es­ta al­tu­ra tam­bém es­tá cla­ro que o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro não tem um pro­je­to pa­ra o País, o que su­ge­re que ele mes­mo te­nha si­do pe­go de sur­pre­sa por sua vi­tó­ria no plei­to do ano pas­sa­do.

Es­ses dois fa­to­res, de fa­to, au­men­tam os pro­ble­mas da con­du­ção da pau­ta le­gis­la­ti­va do go­ver­no fe­de­ral. Mas o que há de pre­o­cu­par os bra­si­lei­ros

de­vo­tos da de­mo­cra­cia é ou­tra coi­sa.

Há um mé­to­do na for­ma co­mo o pre­si­den­te Bol­so­na­ro tem pau­ta­do a sua re­la­ção com a cha­ma­da “clas­se po­lí­ti­ca”, e is­so vem des­de a cam­pa­nha elei­to­ral, quan­do se apre­sen­tou aos elei­to­res co­mo al­guém “no­vo”, alheio a ela, não obs­tan­te ter pas­sa­do qua­se três dé­ca­das no Le­gis­la­ti­vo co­mo um obs­cu­ro de­pu­ta­do do bai­xo cle­ro. É da es­sên­cia do bol­so­na­ris­mo – e es­te é um dos fa­to­res pre­pon­de­ran­tes pa­ra a vi­tó­ria do ca­pi­tão re­for­ma­do – man­ter vi­va a con­tra­po­si­ção en­tre o “po­vo” e “os po­lí­ti­cos”, no­ções mui­to par­ti­cu­la­res que ha­bi­tam a men­te do pre­si­den­te e de seus mais pró­xi­mos in­ter­lo­cu­to­res.

O que po­de es­tar por trás do “de­sin­te­res­se” do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro em de­fen­der com ha­bi­li­da­de e afin­co seus pro­je­tos no Le­gis­la­ti­vo e, mais do que is­so, a sa­dia re­la­ção en­tre os Po­de­res, é uma ten­ta­ti­va de en­fra­que­cer a de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va.

A prá­ti­ca não é iné­di­ta no mun­do de ho­je e já cons­ti­tui mes­mo um mo­do de go­ver­nar. O pre­si­den­te já en­vi­ou pro­je­tos de lei, MPs e de­cre­tos ao Con­gres­so bas­tan­te con­tro­ver­ti­dos, pa­ra di­zer o mí­ni­mo, quan­do não fron­tal­men­te in­cons­ti­tu­ci­o­nais ou tec­ni­ca­men­te so­frí­veis. Em ge­ral, ver­sam so­bre te­mas bas­tan­te ca­ros ao ni­cho mais ex­tre­ma­do de seus apoi­a­do­res, uma par­ce­la da po­pu­la­ção que vem di­mi­nuin­do, co­mo mos­tram re­cen­tes pes­qui­sas de opi­nião, mas que é bas­tan­te ba­ru­lhen­ta nas re­des so­ci­ais.

Uma vez re­jei­ta­dos os pro­je­tos de ini­ci­a­ti­va do go­ver­no fe­de­ral por de­pu­ta­dos e se­na­do­res, se­ja por ra­zões de or­dem téc­ni­co-ju­rí­di­ca, se­ja por tra­ta­rem de ques­tões que não es­tão pa­ci­fi­ca­das no seio da so­ci­e­da­de re­pre­sen­ta­da pe­lo Con­gres­so, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pas­sa a ter um rol de res­pon­sá­veis a quem atri­buir o “ônus” de não con­se­guir “trans­for­mar o País” co­mo de­se­jam aque­les que o ele­ge­ram. Não sur­pre­en­de, pois, que um de seus fi­lhos te­nha cri­ti­ca­do re­cen­te­men­te o va­gar das dis­cus­sões de­mo­crá­ti­cas. De fa­to, só em re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os as coi­sas an­dam na ve­lo­ci­da­de do de­se­jo do se­nhor.

A ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca do go­ver­no fe­de­ral, quan­do se apre­sen­ta, tem si­do pau­ta­da pe­lo en­ca­mi­nha­men­to dos as­sun­tos fa­mi­li­a­res do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, co­mo a in­di­ca­ção de um de seus fi­lhos pa­ra a em­bai­xa­da bra­si­lei­ra nos Es­ta­dos Uni­dos e os avan­ços so­bre a au­to­no­mia de ór­gãos co­mo o Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af) e a Po­lí­cia Fe­de­ral com vis­tas, co­mo se no­ti­cia, a pro­te­ger ou­tro fi­lho de in­ves­ti­ga­ções. “A no­va po­lí­ti­ca é só pa­ra os ou­tros”, dis­se Fer­nan­do Li­mon­gi no even­to Es­ta­dão/FGV-Ibre.

De­ve-se ter em men­te que ao pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e a quem o cer­ca in­ti­ma­men­te po­de não in­te­res­sar ser “efi­ci­en­te” a sua re­la­ção com o Con­gres­so Na­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.