Não há mais es­pa­ço pa­ra ama­do­res

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - FER­NÃO LARA MES­QUI­TA JOR­NA­LIS­TA, ES­CRE­VE EM WWW.VES­PEI­RO.COM

Are­du­ção de des­pe­sas es­tá proi­bi­da pe­lo STF. O mes­mo STF que abriu o ano obri­gan­do o País a gas­tar mais 16,32% com o fun­ci­o­na­lis­mo, com quem já gas­ta­va tu­do. É in­cons­ti­tu­ci­o­nal im­por de­cên­cia aos me­ri­tís­si­mos que to­mam R$ 727 mil ao fa­ve­lão na­ci­o­nal pa­ra re­for­mar pis­ci­nas e chur­ras­ca­ri­as cli­ma­ti­za­das de su­as man­sões ou que se quei­xam do “mi­se­rê” de R$ 24 mil por mês fo­ra mor­do­mi­as e “au­xí­li­os” va­len­do três ou qua­tro ve­zes is­so. E o País es­tá tão ar­rom­ba­do que só fi­ca sa­ben­do des­ses es­cra­chos quan­do os pró­pri­os es­cra­cha­dos se de­nun­ci­am. Se­não pas­sa ba­ti­do. Nin­guém co­bra. Nin­guém in­ves­ti­ga. Nin­guém de­nun­cia.

Já o au­men­to de im­pos­tos “es­tá proi­bi­do pe­lo Bol­so­na­ro”. A re­cri­a­ção da CPMF tam­bém. Ela ti­nha mes­mo ca­ra de de­ses­pe­ro. Na­da a ver com li­be­ra­lis­mo ou Es­co­la de Chi­ca­go. Mas é o úni­co ex­pe­di­en­te ca­paz de jo­gar di­nhei­ro a tem­po no cai­xa de um go­ver­no que “já não tem nem pa­ra pa­gar ran­cho de sol­da­do” (em­bo­ra te­nha pra pa­gar ca­va­lo de sal­to de ge­ne­ral). Fo­ra daí cai-se nu­ma re­for­ma tri­bu­tá­ria re­al que im­pli­ca des­fa­zer um nó ce­go por me­tro pi­san­do os ca­los de pre­fei­tos, go­ver­na­do­res e ma­ma­do­res de te­tas em ge­ral. Fa­lam ne­la há 130 anos, mas nin­guém con­se­guiu nem co­me­çar…

O Bra­sil es­tá ato­la­do na ilu­são de que po­de­rá fa­zer as re­for­mas to­das de que ne­ces­si­ta pa­ra dei­xar de ser um país tão in­de­cen­te­men­te ar­cai­co e in­jus­to an­tes de ade­rir à de­mo­cra­cia.

Não vai!

A or­dem po­lí­ti­ca vi­gen­te é que de­ter­mi­na em fa­vor de quem são fei­tas re­for­mas. En­quan­to o po­vo con­ti­nu­ar sen­do a Ge­ni da pseu­do­de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra, em cu­jo lom­bo to­do mun­do po­de mon­tar co­mo e quan­do qui­ser, im­pu­ne­men­te; en­quan­to per­ma­ne­cer es­sa con­di­ção de in­vul­ne­ra­bi­li­da­de ab­so­lu­ta dos go­ver­nan­tes e fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos des­de o mo­men­to em que o elei­tor, que só par­ti­ci­pa do lan­ce fi­nal, chan­ce­la com seu vo­to obri­ga­tó­rio as tra­moi­as lá de­les pa­ra ver quem te­rá o di­rei­to à pri­mei­ra mor­di­da na mas­sa dos ex­plo­ra­dos pe­los pró­xi­mos qua­tro anos, não sai­re­mos des­se ra­mer­rão dos re­men­dos fei­tos pa­ra man­ter o do­en­te vi­vo e ex­plo­rá­vel por mais tem­po, e

não pa­ra cu­rá-lo. E se al­guém con­se­guir al­gum avan­ço na mar­ra ou na ma­nha, não de­mo­ra na­da – é juiz na ca­ra de pau, é de­pu­ta­do mon­ta­do em ja­bu­ti, é pre­si­den­te com fi­lho tor­to – tu­do se des­man­cha e a ban­di­dai­a­da vol­ta rin­do pra rua.

Ad­mi­nis­tra­ti­va, tri­bu­tá­ria, econô­mi­ca, pe­nal, da se­gu­ran­ça pú­bli­ca, ne­nhu­ma re­for­ma se­rá fei­ta pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas do po­vo an­tes que fa­ça­mos uma re­for­ma po­lí­ti­ca que po­nha o po­vo no po­der, ar­ma­do pa­ra de­ci­dir a qual­quer mo­men­to quem per­ma­ne­ce ou não com man­da­to, quem man­tém ou não o car­go pú­bli­co, quais as leis que ele se dis­põe a se­guir e que fun­ci­o­ná­ri­os da Jus­ti­ça es­tão ou não em­pe­nha­dos em fa­zê-las cum­prir.

É a mes­ma ló­gi­ca do de­sar­ma­men­to. É de um ób­vio ulu­lan­te que é im­pos­sí­vel de­sar­mar 100% das pes­so­as e, mui­to me­nos ain­da, de­sar­mar a ban­di­da­gem com uma sim­ples ca­ne­ta­da. Nos “paí­ses de­sar­ma­dos” no ta­pe­tão, co­mo o Bra­sil, que o foi con­tra a or­dem ex­pres­sa do seu po­vo, que dis­se “NÃO” ao de­sar­ma­men­to no re­fe­ren­do de 23 de ou­tu­bro de 2005 por mai­o­ria de 63,94%, só se­rão de­sar­ma­dos de fa­to os ci­da­dãos obe­di­en­tes à lei que pas­sa­rão a vi­ver to­tal­men­te à mer­cê da ban­di­da­gem ar­ma­da. É es­se o fa­to que os 60 e tan­tos mil ca­dá­ve­res de bra­si­lei­ros as­sas­si­na­dos cla­mam ano após ano aos céus. Mas se to­do mun­do es­ti­ves­se ou pu­des­se es­tar ar­ma­do a ban­di­da­gem é que pas­sa­ria a ter de se cui­dar an­tes de abor­dar al­guém com más in­ten­ções. Não pre­ci­sa sair dan­do ti­ro. É co­mo a bom­ba atô­mi­ca. Bas­ta to­do mun­do sa­ber que vo­cê tem pa­ra que co­me­cem a te res­pei­tar.

Na po­lí­ti­ca é a mes­mís­si­ma coi­sa. Se o elei­tor per­ma­ne­ces­se “ar­ma­do” an­tes e de­pois de ca­da elei­ção, apto a “ati­rar” a qual­quer mo­men­to pa­ra re­to­mar man­da­tos, de­mi­tir re­lap­sos e cor­rup­tos, re­cu­sar leis de ara­que e man­dar as su­as pró­pri­as aos Le­gis­la­ti­vos, os po­lí­ti­cos e fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos é que te­ri­am de pen­sar dez ve­zes an­tes de agir mo­vi­dos por in­te­res­ses es­cu­sos.

É um ra­ci­o­cí­nio lím­pi­do, cla­ro e trans­lú­ci­do co­mo a pró­pria luz do sol. E, pa­ra além da sua ló­gi­ca ma­ni­fes­ta, exis­te o fa­to de que to­do o mun­do que fun­ci­o­na fun­ci­o­na as­sim. É o ar­gu­men­to ir­re­fu­tá­vel do re­sul­ta­do. Me­nos pa­ra o “Bra­sil com voz”. Lá to­do mun­do faz ques­tão de não ver.

O bra­si­lei­ro foi le­va­do des­de lá de trás a acre­di­tar que uma boa edu­ca­ção for­mal é o pré-re­qui­si­to pa­ra a ins­ta­la­ção de um sis­te­ma de­mo­crá­ti­co e que, sen­do es­te um país de­se­du­ca­do, de­mo­cra­cia não é pa­ra ele. A ver­da­de his­tó­ri­ca é o con­trá­rio. A de­mo­cra­cia é que é o pré-re­qui­si­to pa­ra se con­se­guir for­çar os po­lí­ti­cos a en­tre­ga­rem uma boa edu­ca­ção ao po­vo, que, por sua vez, é o pres­su­pos­to de uma eco­no­mia prós­pe­ra e com­pe­ti­ti­va. Po­de ter ha­vi­do meia dú­zia de suí­ços al­fa­be­ti­za­dos em 1290 quan­do in­ven­ta­ram a con­fe­de­ra­ção lá de­les. E os ame­ri­ca­nos de 1789, as­sim co­mo os de ho­je, não se pa­re­ci­am na­da, co­mo mé­dia, com Ja­mes Ma­di­son, Ale­xan­der Ha­mil­ton e John Jay. A sor­te é fun­da­men­tal pa­ra que, na “ho­ra H”, em vez da na­ta do Ilu­mi­nis­mo, não lhe caia uma cor­te cor­rup­ta so­bre a ca­be­ça, co­mo nos acon­te­ceu em 1808. Mas na Era da In­for­ma­ção a sor­te pe­sa bem me­nos. Ho­je po­de­se sa­ber e po­de-se co­pi­ar o que dá cer­to, co­mo tem fei­to to­do mun­do que pas­sou a dar cer­to.

O que não há mais mes­mo é es­pa­ço pa­ra ama­do­res. Os ini­mi­gos da de­mo­cra­cia são pro­fis­si­o­nais. Se­rá pre­ci­so per­cor­rer o ca­mi­nho in­tei­ro co­mo eles vêm fa­zen­do des­de sem­pre. Apu­rar e sin­te­ti­zar me­tó­di­ca e pro­fis­si­o­nal­men­te as idei­as e in­for­ma­ções fun­da­men­tais, ma­pe­ar ci­en­ti­fi­ca­men­te o la­bi­rin­to le­gis­la­ti­vo e a tran­quei­ra ins­ti­tu­ci­o­nal que se vai atra­ves­sar, es­tru­tu­rar re­des na­ci­o­nais co­mo as que se en­sai­a­ram a par­tir de 2013 pa­ra se­me­ar sis­te­ma­ti­ca­men­te a boa no­va, con­cen­trar ab­so­lu­ta­men­te o fo­co e par­tir pa­ra o ata­que sa­ben­do exa­ta­men­te por on­de co­me­çar (dis­tri­tal pu­ro com re­call mais des­par­ti­da­ri­za­ção só das elei­ções mu­ni­ci­pais, por exem­plo), por­que a bar­rei­ra é ve­lhís­si­ma e enor­me e só po­de­rá so­frer o fu­ro que aca­ba­rá por der­ru­bá-la se to­dos os ti­ros fo­rem con­cen­tra­dos exa­ta­men­te no mes­mo pon­to.

Ini­mi­gos da de­mo­cra­cia são pro­fis­si­o­nais. Ur­ge uma re­for­ma po­lí­ti­ca que po­nha o po­vo no po­der

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.