No­vo fi­nan­ci­a­men­to imobiliári­o in­de­xa­do ao IPCA de­ve aque­cer mer­ca­do

O Estado de S. Paulo - - Economia - Por Jo­sé Ro­meu Fer­raz Ne­to, pre­si­den­te da FIABCI-BRA­SIL

Em agos­to de 2019, a Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral in­cluiu uma no­va for­ma de fi­nan­ci­a­men­to imobiliári­o, atre­la­da ao IPCA (Ín­di­ce de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo), que po­de ser mais atra­ti­va pa­ra uma par­te de in­te­res­sa­dos em ad­qui­rir imó­veis.

Es­sa no­va mo­da­li­da­de tem po­ten­ci­al de aque­cer o mer­ca­do imobiliári­o pois, além de os ju­ros fi­ca­rem mais bai­xos, a ten­dên­cia é que ou­tros ban­cos tam­bém pas­sem a ofe­re­cer mais es­sa op­ção aos com­pra­do­res, ge­ran­do uma con­cor­rên­cia sau­dá­vel no mer­ca­do.

A li­nha an­ti­ga, que con­ta com os ju­ros mais a Ta­xa Re­fe­ren­ci­al (TR), con­ti­nua va­len­do. Na no­va mo­da­li­da­de, os ju­ros fi­xos pro­pos­tos pe­lo ban­co fi­cam bem abai­xo do que aque­les atre­la­dos à TR. Pa­ra o com­pra­dor que pre­ten­de qui­tar o fi­nan­ci­a­men­to em um pe­río­do me­nor, a mo­da­li­da­de po­de ser uma ex­ce­len­te for­ma de eco­no­mi­zar.

Por ter ju­ros mais bai­xos no mo­men­to, o fi­nan­ci­a­men­to atre­la­do ao IPCA tam­bém per­mi­te que pes­so­as que não ti­nham ren­da su­fi­ci­en­te pa­ra fi­nan­ci­ar um imó­vel de de­ter­mi­na­do va­lor ago­ra o pos­sam fa­zer, pois a par­ce­la mais bai­xa dei­xa de com­pro­me­ter uma par­te gran­de do or­ça­men­to, o que se­ria im­pe­di­ti­vo no ca­so de fi­nan­ci­a­men­to atre­la­do à TR.

Afi­nal, a que­da no va­lor das pres­ta­ções in­de­xa­das ao IPCA po­de ser de 35% até 51%, de­pen­den­do da con­di­ção e do re­la­ci­o­na­men­to que o com­pra­dor ti­ver com o ban­co. Pa­ra fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, o per­cen­tu­al de ta­xa de ju­ros po­de ser ou se apro­xi­mar de 2,95%, de­pen­den­do do re­la­ci­o­na­men­to com o ban­co. Já pa­ra tra­ba­lha­do­res do se­tor pri­va­do, ele po­de va­ri­ar de 3,25% a 4,95%, tam­bém de acor­do com a re­la­ção do in­te­res­sa­do com a Cai­xa Econô­mi­ca.

Va­le lem­brar que não se­rá pos­sí­vel fa­zer por­ta­bi­li­da­de de um fi­nan­ci­a­men­to in­de­xa­do ao IPCA pa­ra aque­le atre­la­do à TR.

Ten­do em vis­ta o ce­ná­rio po­si­ti­vo da eco­no­mia bra­si­lei­ra, o mer­ca­do imobiliári­o vol­ta­rá a cres­cer e, com a en­tra­da do IPCA, a pro­cu­ra por fi­nan­ci­a­men­tos imo­bi­liá­ri­os irá au­men­tar ain­da mais, aque­cen­do o mer­ca­do.

Com a re­cu­pe­ra­ção da cri­se econô­mi­ca ou di­an­te das re­for­mas pro­pos­tas que ten­dem a me­lho­rar a con­fi­a­bi­li­da­de no país, o prog­nós­ti­co é de de­man­da al­ta pa­ra imó­veis em um pe­río­do em que a pro­du­ção ain­da es­tá bai­xa, e a con­se­quen­te va­lo­ri­za­ção de­les.

Pos­si­bi­li­da­de de par­ce­las mais bai­xas irá im­pul­si­o­nar com­pra­do­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.