Do­na da Vi­vo, es­pa­nho­la Te­lefô­ni­ca mos­tra in­te­res­se por área mó­vel da Oi

Em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al des­de 2016, quar­ta mai­or ope­ra­do­ra do País tem re­de de ce­lu­lar que ho­je va­le­ria pe­lo me­nos R$ 14 bi­lhões; ne­go­ci­a­ção com os es­pa­nhóis co­me­çou após apro­va­ção do no­vo mar­co re­gu­la­tó­rio das te­le­co­mu­ni­ca­ções no Con­gres­so

O Estado de S. Paulo - - Economia | Negócios - Cir­ce Bo­na­tel­li

Uma se­ma­na após o no­vo mar­co le­gal de te­le­co­mu­ni­ca­ções ser apro­va­do no Con­gres­so, a cor­ri­da pa­ra a con­so­li­da­ção do se­tor já co­me­çou. O gru­po es­pa­nhol Te­lefô­ni­ca – do­no da Te­lefô­ni­ca Bra­sil e da mar­ca Vi­vo – ma­ni­fes­tou in­te­res­se por com­prar a Oi. A in­for­ma­ção foi an­te­ci­pa­da pe­lo jor­nal es­pa­nhol El Con­fi­den­ci­al e con­fir­ma­da em se­gui­da pe­lo Es­ta­dão/Bro­ad­cast com fon­tes do mer­ca­do.

O Es­ta­dão/ Bro­ad­cast apu­rou que o in­te­res­se da Te­lefô­ni­ca es­tá es­pe­ci­fi­ca­men­te nas re­des mó­veis da Oi, que abran­gem as tec­no­lo­gi­as 3G e 4G, e não nas re­des fi­xas, vol­ta­das pa­ra ban­da lar­ga e TV por as­si­na­tu­ra.

Se­gun­do o jor­nal es­pa­nhol, a Te­lefô­ni­ca te­ria con­tra­ta­do o ban­co de in­ves­ti­men­tos Mor­gan Stan­ley pa­ra aju­dá-la na aqui­si­ção. En­tre­tan­to, as con­ver­sas ain­da es­tão em es­tá­gio ini­ci­al, se­gun­do fon­tes. Pro­cu­ra­das, as em­pre­sas não qui­se­ram co­men­tar.

A mo­vi­men­ta­ção no mer­ca­do co­me­çou lo­go após o Se­na­do apro­var, na se­ma­na pas­sa­da, o no­vo mar­co le­gal de te­le­co­mu­ni­ca­ções. Pe­las no­vas re­gras, as em­pre­sas da área po­dem ven­der ati­vos e cor­tar gas­tos em tro­ca de no­vos in­ves­ti­men­tos.

Con­for­me es­pe­ra­do por ana­lis­tas do se­tor, es­sa me­di­da deu mai­or se­gu­ran­ça a in­ves­ti­do­res e ali­vi­ou as fi­nan­ças das com­pa­nhi­as, abrin­do es­pa­ço pa­ra fu­sões e aqui­si­ções. A Oi, em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al, é o prin­ci­pal al­vo das con­cor­ren­tes.

Fa­ti­a­men­to. A re­de mó­vel da Oi va­le em tor­no de R$ 14 bi­lhões a R$ 15 bi­lhões, se­gun­do o ana­lis­ta-che­fe da Nec­ton In­ves­ti­men­tos, Glau­co Le­gat. Ele dis­se que fa­ti­ar os ati­vos po­de ser uma boa al­ter­na­ti­va pa­ra a ope­ra­do­ra re­for­çar o cai­xa e con­cen­trar os in­ves­ti­men­tos na ex­pan­são da fi­bra óti­ca.

Se­gun­do ele, a Oi já tem du­tos e ca­bos ins­ta­la­dos em boa par­te do País, o que re­duz o cus­to mé­dio de ins­ta­la­ção da fi­bra óp­ti­ca em 30%. “Uma ope­ra­do­ra fixa e mó­vel in­te­gra­da con­so­me mui­to ca­pi­tal. Na mi­nha vi­são, a Oi não pa­ra de pé as­sim”, afir­mou Le­gat. “Faz mais sen­ti­do ela se vol­tar ao seg­men­to no qu­al já tem van­ta­gem com­pe­ti­ti­va. E a Oi já tem uma enor­me ca­pi­la­ri­da­de de re­des”.

Na opi­nião de Jo­sé Ro­cha, ge­ren­te sê­ni­or de te­le­co­mu­ni­ca­ções da con­sul­to­ria E&Y, as re­des mó­veis são o “fi­lé mig­non” da Oi. Por­tan­to, uma po­ten­ci­al venda do ati­vo po­de­ria aju­dar o cai­xa da te­le no cur­to pra­zo, mas dei­xa­ria a com­pa­nhia fo­ra de um mer­ca­do im­por­tan­te no fu­tu­ro.

“A venda pre­ci­sa­ria ser mui­to bem pen­sa­da. O ad­ven­to de no­vas tec­no­lo­gi­as, co­mo o 5G, per­mi­ti­rá a ofer­ta de ban­da lar­ga pe­las re­des mó­veis em um ho­ri­zon­te de uns cin­co anos. Aí a fi­bra vai co­me­çar a per­der for­ça”, dis­se Ro­cha.

As fon­tes con­sul­ta­das dis­se­ram que as re­des mó­veis da Oi são va­li­o­sas tan­to pe­lo la­do da in­fra­es­tru­tu­ra – com an­te­nas e fai­xas de frequên­cia – quan­to pe­los cli­en­tes que agre­ga­ri­am ao seu com­pra­dor. A par­tir daí se­ria pos­sí­vel re­du­zir cus­tos com lo­jas, pu­bli­ci­da­de e es­tru­tu­ra de re­des.

A Oi tem 42,1 mi­lhões de cli­en­tes, o equi­va­len­te a 16,4% de par­ti­ci­pa­ção no mer­ca­do de te­le­fo­nia mó­vel no País. A li­de­ran­ça é da Vi­vo (32,3%), se­gui­da por Cla­ro (24,7%) e TIM (24,0%), se­gun­do ran­king da con­sul­to­ria Te­le­co com da­dos até ju­lho.

Pa­ra se con­cre­ti­zar, uma po­ten­ci­al com­pra da Oi por qual­quer con­cor­ren­te tam­bém pre­ci­sa­ria de aval do Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca (Ca­de), pois re­pre­sen­ta­rá uma con­cen­tra­ção do mer­ca­do re­le­van­te.

Obs­tá­cu­lo. Acor­do com do­na da Vi­vo, que de­tém um ter­ço do se­tor, pre­ci­sa de aval do Ca­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.