‘Qu­e­ro mos­trar que sou uma pes­soa di­fe­ren­te’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Pa­trick Levy, de­ten­to C.N. e C.T.

Pa­trick Levy ti­nha 5 anos quan­do en­trou pa­ra o mun­do ar­tís­ti­co. Co­me­çou fa­zen­do co­mer­ci­ais, par­ti­ci­pou do pro­gra­ma TV Fo­fão, na Ban­dei­ran­tes, e atu­ou em no­ve­las co­mo Éra­mos Seis (1994), As Pu­pi­las do Se­nhor Rei­tor (1994) e San­gue do Meu San­gue (1995).

Co­mo vo­cê pa­rou no mun­do do cri­me?

Ti­ve o pri­mei­ro con­ta­to com dro­gas na ado­les­cên­cia, na es­co­la. Co­me­cei com a ma­co­nha e fui pa­ra a co­caí­na. Aca­ba­va ten­do que tra­fi­car pa­ra con­se­guir di­nhei­ro pa­ra com­prar, por­que não ti­nha co­ra­gem de pe­dir pa­ra o meu pai.

Vo­cê já te­ve con­ta­to com o mun­do ar­tís­ti­co an­tes da pri­são? Sim, meu pai era o Fe­li­pe Levy (ator e di­re­tor, par­ti­ci­pou dos pro­gra­mas ‘Os Tra­pa­lhões’ e ‘Bron­co’, com Ro­nald Go­li­as, e de fil­mes de Amá­cio Maz­za­ro­pi. Mor­reu em 2008). Des­de os 5 anos, eu era ga­ro­to-pro­pa­gan­da e fiz is­so até os 12 anos, quan­do par­ti­ci­pei da TV Fo­fão, da Ban­dei­ran­tes, com o sau­do­so Ori­val Pes­si­ni. A par­tir daí, fiz di­ver­sas no­ve­las, al­gu­mas pe­ças de te­a­tro e, in­fe­liz­men­te, fui pa­rar no trá­fi­co de dro­gas.

E co­mo foi re­en­con­trar o te­a­tro na pri­são?

Quan­do eu saio da ce­la e ve­nho pa­ra cá, me des­li­go to­tal­men­te do lu­gar que es­tou e pro­cu­ro en­trar no per­so­na­gem. Is­so pas­sou a ser au­to­má­ti­co. Aqui, já con­se­gui ter­mi­nar o en­si­no fun­da­men­tal. Qu­e­ro ter a chan­ce de mos­trar que sou uma pes­soa di­fe­ren­te. E pre­ten­do vol­tar a fa­zer o que fa­zia an­tes de pa­rar aqui. In­clu­si­ve, pe­ço des­cul­pas pa­ra a so­ci­e­da­de. Quan­do sair da­qui, pre­ten­do atu­ar... fa­zer o que eu amo. /

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.