‘Can­ta Bra­sil...’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - RO­BER­TA MARTINELLI E-MAIL: RO­BER­[email protected]

Co­mo lan­çar um dis­co ho­je? Mui­tos ar­tis­tas pos­tam vá­ri­as fo­tos em es­tú­dio con­tan­do os di­as de gra­va­ção, as par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais e tu­do o que acon­te­ce no pro­ces­so pa­ra cri­ar ex­pec­ta­ti­va. Aí vai lan­çan­do aos pou­cos: um sin­gle, de­pois a ca­pa, aí uma ou­tra mú­si­ca e en­tão o dis­co. Es­se tem si­do o ca­mi­nho mais co­mum. Mas não é o úni­co ca­mi­nho. Cla­ro. Aliás, não exis­te fór­mu­la pa­ra lan­çar. Ca­da ar­tis­ta

in­ven­ta uma ma­nei­ra. Qu­al a me­lhor? Não sei se es­sa per­gun­ta ca­be. Tal­vez a per­gun­ta se­ja: qu­al a me­lhor ma­nei­ra pa­ra tal ar­tis­ta? Sex­ta-fei­ra pas­sa­da, dia 13 de se­tem­bro, ti­ve­mos al­guns exem­plos de óti­mos lan­ça­men­tos na mú­si­ca bra­si­lei­ra: El­za So­a­res e Céu.

El­za lan­çou o dis­co Pla­ne­ta Fo­me com pro­du­ção de Ra­fa­el Ra­mos e par­ti­ci­pa­ção de Bai­a­na Sys­tem, Or­kes­tra Rum­pi­lezz, Vir­gi­nia Ro­dri­gues, B Ne­gão, Pe­dro Lou­rei­ro e Ra­fa­el Mi­ke.

No ca­so de­la, o dis­co foi apa­re­cen­do aos pou­cos. Ela anun­ci­ou o tra­ba­lho em ju­lho des­te ano já com o no­me do ál­bum que, se­gun­do ela, vem de uma con­ver­sa em sua pri­mei­ra apre­sen­ta­ção pú­bli­ca, no pro­gra­ma do Ary Bar­ro­so: Ca­lou­ros em Des­fi­le. De­pois veio a ca­pa do tra­ba­lho com ar­te da La­er­te, se­gui­da por um sin­gle e o cli­pe da mú­si­ca Li­ber­ta­ção e en­tão, fi­nal­men­te, no dia 13 “bem nes­se dia da sor­te e cheio de sig­ni­fi­ca­dos” (co­mo es­cre­veu a can­to­ra em sua con­ta no Ins­ta­gram) che­gou o dis­co in­tei­ro. Mais um ma­ni­fes­to, al­ta­men­te co­nec­ta­do com o nos­so atu­al mo­men­to e com a pri­mei­ra com­po­si­ção da can­to­ra.

Na mes­ma sex­ta-fei­ra, 13, de sur­pre­sa, com uma ou ou­tra pis­ta por aí, che­gou o quin­to dis­co da can­to­ra e com­po­si­to­ra Céu, Ap­ká, com pro­du­ção de Pu­pil­lo e Her­vé Sal­ters (a mes­ma du­pla do tra­ba­lho an­te­ri­or, Tro­pix). Co­me­çou com fo­tos de céu azul na con­ta de­la no Ins­ta­gram, no meio de agos­to. De­pois um pi­a­no, uma fo­to de es­tú­dio, e, no dia 2 de se­tem­bro, uma fo­to de um diá­rio, ou ca­der­no, ou car­ta es­cri­ta à mão ex­pli­can­do o no­me do dis­co Ap­ká – uma pa­la­vra que seu fi­lho mais no­vo, An­to­ni­no, fa­la­va em mo­men­tos de ale­gria ou bons sen­ti­men­tos: “Em tem­pos de con­tras­tes, som­bra e luz, dei­xo re­gis­tra­do aqui es­se sin­ge­lo gri­to pes­so­al de uma por­ção de amor”. E o gri­to de amor es­ta­va em to­das as pla­ta­for­mas na sex­ta-fei­ra, sem avi­so pré­vio e com um be­lís­si­mo cli­pe da mú­si­ca Co­re­to, di­ri­gi­do por Ali­ne La­ta. (aliás, já viu? Fa­ça is­so já!)

Qu­al das du­as ma­nei­ras fun­ci­o­na me­lhor? Não sei. Pa­ra ca­da uma, um mo­do. Se a ex­pec­ta­ti­va pa­ra El­za foi cri­a­da a ca­da anún­cio, o se­gre­do da Céu tam­bém fun­ci­o­nou pa­ra cri­ar es­sa an­si­e­da­de, a ca­da des­li­ze ou pis­ta dei­xa­da.

In­de­pen­den­te­men­te do mo­do de lan­çar, são dois dis­cos que já mar­cam o ano de 2019.

ÉRICO TOS­CA­NO E RE­NAN COS­TA LI­MA

Céu. Dis­co no­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.