A ver­da­de é for­te o su­fi­ci­en­te em ‘Un­be­li­a­va­ble’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Mi­ke Ha­le / NYT / TRA­DU­ÇÃO DE TEREZINHA MAR­TI­NO

A his­tó­ria re­al por trás da mi­nis­sé­rie da Net­flix Un­be­li­e­va­ble é um exem­plo qua­se per­fei­to da bar­ga­nha faus­ti­a­na na ba­se do re­la­to de cri­mes re­ais. É hor­rí­vel e, em igual me­di­da, em­pol­gan­te e de­ve dei­xar o pú­bli­co tão cho­ca­do quan­to sa­tis­fei­to. A his­tó­ria so­bre sé­rie de es­tu­pros em Washing­ton e no Co­lo­ra­do de 2008 a 2011 foi re­la­ta­da por T. Ch­ris­ti­an Mil­ler, da ProPu­bli­ca, e Ken Arms­trong, do Marshall Pro­ject, em um ar­ti­go de 2015 que ven­ceu o prê­mio Pu­lit­zer de re­por­ta­gem. Não sur­pre­en­de, por­tan­to, que os cri­a­do­res de Un­be­li­e­va­ble – Su­san­nah Grant, ro­tei­ris­ta de Erin Broc­ko­vi­ch, e os no­ve­lis­tas Mi­cha­el Cha­bon e Ave­let Wald­man – te­nham usa­do a re­por­ta­gem co­mo mo­de­lo pa­ra sua sé­rie fic­ci­o­nal.

Com 8 epi­só­di­os, Un­be­li­e­a­va­ble ado­ta a es­tru­tu­ra do ar­ti­go ori­gi­nal, in­do e vol­tan­do en­tre a his­tó­ria tris­te de Ma­rie (Kai­tlyn De­ver) – jo­vem de 18 anos de Washing­ton que, sob pres­são da po­lí­cia, con­ta ter si­do es­tu­pra­da – e o re­la­to de uma in­ves­ti­ga­ção de sé­rie de es­tu­pros três anos de­pois no Co­lo­ra­do. Os elos en­tre os ca­sos do Co­lo­ra­do são des­co­ber­tos por du­as mu­lhe­res de­te­ti­ves, vi­vi­das por Mer­ritt We­ver e To­ni Col­let­te. Os no­vos ata­ques es­tão li­ga­dos ao es­tu­pro de Ma­rie (a so­lu­ção do ca­so de­la te­ria im­pe­di­do os ou­tros).

Nas mãos ex­pe­ri­en­tes de Grant, Wald­man e Cha­bon (com os di­re­to­res Li­sa Cho­lo­den­ko e Mi­cha­el Din­ner) a sé­rie trans­cor­re fa­cil­men­te. Co­mo mis­té­rio ela é ten­sa e fas­ci­nan­te e seus múl­ti­plos de­sen­la­ces se de­sen­vol­vem com uma mes­cla de co­me­mo­ra­ção e pe­sar. Is­so va­le tam­bém pa­ra o ar­ti­go ori­gi­nal, que, com 12 mil pa­la­vras, po­de ser li­do em me­nos tem­po do que as­sis­tir à sé­rie. E ao ex­pan­dir e dra­ma­ti­zar a his­tó­ria, nem to­das as op­ções são bem-su­ce­di­das.

Quan­to aos as­sun­tos mais am­plos es­cla­re­ci­dos pe­lo ca­so de Ma­rie – o er­ro em acre­di­tar no re­la­to das ví­ti­mas do es­tu­pro – Arms­trong e Mil­ler na mai­or par­te dei­xa­ram que os fa­tos fa­las­sem por si mes­mo.

Un­be­li­e­a­va­ble se man­tém pró­xi­mo do tom re­ser­va­do do ar­ti­go, mas pa­re­ce me­nos con­fi­an­te de que o es­pec­ta­dor vai ex­trair li­ções so­bre jus­ti­ça e igualdade – co­lo­can­do com frequên­cia um dis­cur­so so­bre es­ses te­mas na bo­ca do per­so­na­gem. Vo­cê po­de con­si­de­rar es­ta ên­fa­se co­mo uma va­li­da­ção da im­por­tân­cia da sé­rie, mas ela en­fra­que­ce o dra­ma.

A sé­rie tam­bém se ex­pan­diu na ca­rac­te­ri­za­ção de Ma­rie e as du­as de­te­ti­ves, na his­tó­ria cha­ma­das Gra­ce Ras­mus­sen e Ka­ren Du­vall, um pro­ces­so cu­jos re­sul­ta­dos são am­bi­va­len­tes. Mui­tos dos me­lho­res mo­men­tos cos­tu­mam ser sim­ples, co­mo a reação da de­te­ti­ve Du­vall a uma no­va in­for­ma­ção: cho­que ou dor ou en­tu­si­as­mo es­tão es­cri­tos no ros­to de We­ver. A his­tó­ria fa­la por si mes­ma.

NET­FLIX

Ma­rie. A per­so­na­gem é vi­vi­da pe­la atriz Kai­tlyn De­ver

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.