A tra­di­ção cen­te­ná­ria da ‘muiñei­ra’

O Estado de S. Paulo - - Viagem -

Na­da em A Coruña é mais tra­di­ci­o­nal do que a muiñei­ra. A mú­si­ca tí­pi­ca ga­le­ga tem o pan­dei­ro e a gai­ta co­mo prin­ci­pais ins­tru­men­tos. As ba­ti­das rá­pi­das e dan­çan­tes fa­zem com o que o rit­mo ga­nhe adep­tos de to­das as ida­des. Não se sa­be ao cer­to quan­do a

muiñei­ra foi cri­a­da. Há mui­tas his­tó­ri­as so­bre a dan­ça, mas os pri­mei­ros re­gis­tros do­cu­men­tais são do sé­cu­lo 18. Ho­mens e mu­lhe­res que tra­ba­lha­vam mo­en­do tri­go e mi­lho nos cam­pos apro­vei­ta­vam o tem­po li­vre pa­ra can­tar e dan­çar ao re­dor dos moi­nhos.

Em A Coruña, o mais po­pu­lar e co­nhe­ci­do re­du­to da muiñei­ra éo bar A Re­pi­cho­ca (Rua Oril­la­mar, 13). De quin­ta a sá­ba­do, o lu­gar con­ta com de­ze­nas de gru­pos ga­le­gos. Além de apre­sen­ta­ções ao vi­vo, os mais de­si­ni­bi­dos po­dem ar­ris­car pas­sos da dan­ça ou mes­mo apren­der acor­des da gai­ta ga­le­ga. Sem­pre na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra do mês são re­a­li­za­dos con­cur­sos pa­ra es­co­lher a me­lhor ban­da de

muiñei­ra. Ban­dei­ras ga­le­gas de­co­ram o bar de pon­ta a pon­ta e um cli­ma des­con­traí­do to­ma con­ta do lo­cal nas noi­tes de ve­rão. Na pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok do bar (fa­ce­bo­ok. com/are­pi­cho­ca.oril­la­mar) é pos­sí­vel as­sis­tir a al­gu­mas des­sas apre­sen­ta­ções.

Se vo­cê é da­que­les que gos­tam de apren­der no­vos idi­o­mas ou ao me­nos al­gu­mas pa­la­vras ou ex­pres­sões pa­ra sa­lu­dar os mo­ra­do­res, A Re­pi­cho­ca é o lu­gar per­fei­to pa­ra is­so. É bem co­mum ver jo­vens fa­lan­do ga­le­go en­tre eles sem se pre­o­cu­par mui­to se o in­ter­lo­cu­tor res­pon­de em cas­te­lha­no ou em por­tu­guês. Re­fle­xo do cli­ma des­con­traí­do e mo­der­no, ide­al pa­ra quem fo­ge dos shows “pe­ga­tu­ris­tas”.

MI­GUEL VIDAL/REU­TERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.