DI­REI­TO CONS­TI­TU­CI­O­NAL

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto -

Ar­ro­cho nos ve­lhi­nhos

Se­gun­do re­por­ta­gem do Estadão, a equi­pe econô­mi­ca do go­ver­no Bol­so­na­ro co­gi­ta de en­vi­ar ao Con­gres­so Nacional pro­je­to que vi­sa a re­ti­rar da Cons­ti­tui­ção o di­rei­to à re­po­si­ção sa­la­ri­al pe­lo ín­di­ce in­fla­ci­o­ná­rio. Na prá­ti­ca, ti­ra do go­ver­no a obri­ga­to­ri­e­da­de de dar re­a­jus­te, no mí­ni­mo, pe­lo ín­di­ce in­fla­ci­o­ná­rio apu­ra­do no ano an­te­ri­or. A economia pre­ten­di­da é de R$ 37 bi­lhões apro­xi­ma­da­men­te e se­ria uma es­pé­cie de ga­ti­lho em tem­pos de de­sa­jus­te fis­cal. É im­pen­sá­vel, ab­sur­do, bru­tal e ab­so­lu­ta­men­te inad­mis­sí­vel que o go­ver­no fe­de­ral se­quer pen­se em im­por ar­ro­cho aos apo­sen­ta­dos, pen­si­o­nis­tas e ou­tros seg­men­tos vul­ne­rá­veis. As pes­so­as per­de­rão po­der de compra, te­rão sua ren­da cor­roí­da pe­la in­fla­ção e, de­pen­den­do do pe­río­do em que es­sa me­di­da vi­go­rar, cor­re­mos o risco de pro­du­zir mais uma le­gião de mi­se­rá­veis. Os téc­ni­cos bem pa­gos pe­lo Ministério da Economia de­ve­ri­am es­tar de­bru­ça­dos em medidas que ele­vem a ar­re­ca­da­ção não pe­lo au­men­to de impostos, mas com­ba­ten­do a so­ne­ga­ção. E es­tar em­pe­nha­dos na ela­bo­ra­ção de pro­je­tos que com­ba­tam os pri­vi­lé­gi­os e o des­per­dí­cio de di­nhei­ro público, que é fru­to do su­or dos con­tri­buin­tes bra­si­lei­ros. WIL­LI­AN MAR­TINS mar­tins.wil­li­[email protected]­bo.com Gu­a­ra­re­ma

Sa­lá­rio mí­ni­mo e in­fla­ção

Es­sa ideia de não mais cor­ri­gir o sa­lá­rio mí­ni­mo pe­la in­fla­ção é tão es­ta­pa­fúr­dia que de­ve ter si­do ima­gi­na­da por al­gum bu­ro­cra­ta mui­to bem re­mu­ne­ra­do, que não se­rá afe­ta­do por isso. É al­go ab­so­lu­ta­men­te im­pen­sá­vel, cru­el e de­sas­tro­so.

RADOICO C­MA­RA GUI­MA­RÃES [email protected]

São Paulo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.