CON­GRES­SO NACIONAL

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto -

Des­pe­sas cres­cen­tes

A mai­o­ria de nos­sos de­pu­ta­dos e se­na­do­res não tem ne­nhum es­crú­pu­lo em pro­por e vo­tar medidas em be­ne­fí­cio de­les mes­mos. Por uma tra­di­ção de maus cos­tu­mes no País, não per­ce­bem como isso é no­ci­vo e os des­me­re­ce pe­ran­te a Na­ção. Num aflu­xo de más idei­as que não pa­ram de apa­re­cer, au­men­tam con­ti­nu­a­men­te o nú­me­ro de pen­du­ri­ca­lhos (ale­ga­da­men­te pa­ra mo­ra­dia, saú­de, trans­por­te, su­por­te técnico, co­mu­ni­ca­ção, etc.), mui­tos dos quais de ca­rá­ter du­vi­do­so. Nos úl­ti­mos tem­pos pas­sa­ram a des­ti­nar so­mas cres­cen­tes de di­nhei­ro vi­vo a eles mes­mos, a tí­tu­lo de co­ber­tu­ra de gas­tos elei­to­rais. E agin­do contra o con­tro­le des­ses gas­tos pe­lo TSE. Es­ta é uma gran­de fa­lha da Cons­ti­tui­ção de 1988: per­mi­tir que, so­zi­nhos, de­ci­dam quan­to po­dem gastar com eles mes­mos. É mui­ta falta de éti­ca e de com­pro­mis­so com a po­pu­la­ção que os sus­ten­ta. Su­gi­ro uma con­sul­ta pú­bli­ca an­tes de apro­va­rem qualquer des­ses gas­tos na­ba­bes­cos. Ex­pe­ri­men­tem fa­zer, pa­ra ver o que o po­vo pen­sa. WIL­SON SCARPELLI wis­[email protected]­ra.com.br

Co­tia O País pre­ci­sa gastar me­nos, o po­vo pre­ci­sa ter elei­ções mais sim­ples e ba­ra­tas. To­dos queremos redução drás­ti­ca das cam­pa­nhas, trans­pa­rên­cia na de­mons­tra­ção do que é fei­to e pu­ni­ção pa­ra trans­gres­so­res. E os re­pre­sen­tan­tes vo­tam pro­je­to em to­tal dis­cre­pân­cia, sem a me­nor som­bra de arrependim­ento! É es­sen­ci­al ado­tar­mos o vo­to dis­tri­tal e a re­to­ma­da – re­call – de man­da­tos, pa­ra que eles se con­ven­çam de que são ilus­tres ser­vi­do­res pú­bli­cos, mas subs­ti­tuí­veis a qualquer mo­men­to pe­lo re­al de­ten­tor do po­der, o po­vo. JOÃO CRESTANA [email protected]­re­ar.com.br São Paulo

Bre­cha pa­ra gastar

Bra­sil sur­re­al

Quan­do o Bra­sil es­tá eco­no­mi­ca­men­te pa­ra­do, mi­lhões de pes­so­as de­sem­pre­ga­das, pla­nos econô­mi­cos pen­sa­dos pa­ra que o País vol­te a ter a so­li­dez fi­nan­cei­ra ne­ces­sá­ria pa­ra seu de­sen­vol­vi­men­to, vem o mundo ir­re­al ca­pi­ta­ne­a­do por nos­so Le­gis­la­ti­vo es­pe­cu­lar so­bre for­mas de au­men­tar e fle­xi­bi­li­zar con­tro­les de cam­pa­nhas elei­to­rais e de par­ti­dos. Ti­ram-se direitos do ci­da­dão sob a ale­ga­ção de que o País es­tá que­bra­do. Mas sobra di­nhei­ro pa­ra au­men­tar cai­xa de cam­pa­nha e be­ne­fí­ci­os de se­to­res poderosos do lobby po­lí­ti­co. Pou­ca-ver­go­nha. Es­ses se­res que ur­dem a per­pe­tu­a­ção no po­der mais do que re­pre­sen­tar con­dig­na­men­te o ci­da­dão que os ele­geu fo­gem de seu papel re­pre­sen­ta­ti­vo. Se­gui­das ma­ni­fes­ta­ções de­mons­tram que o po­vo es­tá far­to de ser tão mal re­pre­sen­ta­do. Par­ti­dos hoje nada mais são que ajun­ta­men­tos de pes­so­as que lá es­tão mais por in­te­res­ses pró­pri­os que por estratégia po­lí­ti­ca, uni­da­de ide­o­ló­gi­ca, pla­nos cidadãos. O com­por­ta­men­to ab­je­to de es­can­ca­rar mo­ti­va­ções e in­te­res­ses par­ti­cu­la­res só os dis­so­cia cada vez mais da sociedade. Com isso au­men­ta o po­ten­ci­al de fi­car­mos à mer­cê de po­lí­ti­cos “sal­va­do­res da pá­tria”, po­pu­lis­tas de plan­tão. Es­ta, de­fi­ni­ti­va­men­te, não é a de­mo­cra­cia que fa­rá nos­so país se de­sen­vol­ver pa­ra um ama­nhã mo­der­no e gran­di­o­so.

SER­GIO HOLL LA­RA [email protected]­ra.com.br In­dai­a­tu­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.