Rafael Bec­ker vi­bra por torneio de gol­fe em SP

Aos 28 anos, ele bus­ca pontos no ran­king no São Paulo Golf Club Cham­pi­onship e mi­ra va­ga no Korn Fer­ry

O Estado de S. Paulo - - Esportes - Paulo Fa­ve­ro

Rafael Bec­ker vai disputar o São Paulo Golf Club Cham­pi­onship de olho nos pontos do ran­king do PGA Tour La­ti­no Ame­ri­ca e tam­bém na pre­mi­a­ção de US$ 175 mil que se­rá dis­tri­buí­da aos com­pe­ti­do­res – só o cam­peão em­bol­sa US$ 31,5 mil. O even­to, uma es­pé­cie de ter­cei­ra di­vi­são, ser­ve como por­ta de en­tra­da pa­ra o Korn Fer­ry, o cir­cui­to de acesso ao PGA.

A com­pe­ti­ção co­me­ça ama­nhã na ca­pi­tal pau­lis­ta e o atle­ta de 28 anos se mostra oti­mis­ta. “É mui­to im­por­tan­te pe­la pon­tu­a­ção e tam­bém porque pos­so com­pe­tir em ca­sa. Isso é sem­pre uma hon­ra. Não te­mos tan­tos even­tos im­por­tan­tes no Bra­sil, mas ago­ra te­mos dois tor­nei­os no ano e isso é mui­to bom”, co­men­tou.

Es­sa ter­cei­ra di­vi­são do PGA tem com­pe­ti­ções no Ca­na­dá, na Chi­na e Amé­ri­ca La­ti­na. Bec­ker es­tá em 26.º lu­gar, mas só dis­pu­tou quatro dos no­ve tor­nei­os no ano. Se fi­car en­tre os cin­co mais bem colocados no ran­king, con­se­gue a va­ga di­re­ta pa­ra o Korn Fer­ry. “No gol­fe, uma vi­tó­ria em um even­to im­por­tan­te va­le mui­to”, dis­se. Pro­fis­si­o­nal há seis anos, ele tem uma ro­ti­na pe­sa­da. Faz pe­lo me­nos uma ho­ra de pre­pa­ra­ção fí­si­ca es­pe­cí­fi­ca por dia e trei­na seis horas no cam­po. Tam­bém faz um trabalho de pre­pa­ra­ção mental, tem nu­tri­ci­o­nis­ta e fi­si­o­te­ra­peu­ta, en­tre ou­tros pro­fis­si­o­nais.

Do pon­to de vis­ta fi­nan­cei­ro, ele con­ta com su­por­te da Confederaç­ão Bra­si­lei­ra de Gol­fe e da Ma­ri­nha. “Ti­nha pa­tro­cí­nio no ano pas­sa­do, mas aca­bou. Pa­ra se ter uma ideia, pa­ra disputar um torneio se gas­ta por vol­ta de US$ 2,5 mil. Pa­ra com­pen­sar isso, pre­ci­sa­ria fi­car no top 15 em uma com­pe­ti­ção com 144 atletas. Não é fá­cil”, afir­mou.

Pa­ra a mo­da­li­da­de, ele é bem jo­vem e sa­be que tem mui­to a evo­luir. “O gol­fe é um es­por­te mui­to mental. O pi­co na car­rei­ra cos­tu­ma ser en­tre os 32 e 40 anos. É um es­por­te que es­tá cada vez mais fí­si­co e é preciso ter re­gu­la­ri­da­de em to­dos os di­as de dis­pu­ta.”

ZE­CA RESENDES-CBGOLFE

Oti­mis­mo. Rafael Bec­ker es­tá con­fi­an­te pa­ra o torneio em SP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.