Bra­si­lei­ro já pa­gou R$ 32 bi em ta­xas ex­tras na con­ta de luz

Ban­dei­ras ta­ri­fá­ri­as en­tra­ram em vi­gor em 2015 pa­ra evi­tar rom­bos no se­tor por cau­sa dos pe­río­dos de se­ca

O Estado de S. Paulo - - Economia - An­dré Borges / BRA­SÍ­LIA

As ban­dei­ras ta­ri­fá­ri­as, ta­xas ex­tras que pas­sa­ram a ser in­cluí­das men­sal­men­te na con­ta de luz, já cus­ta­ram R$ 32,24 bi­lhões aos con­su­mi­do­res de to­do o País. O va­lor, sem in­cluir cor­re­ções mo­ne­tá­ri­as, so­ma tudo o que foi pa­go de ja­nei­ro de 2015, quan­do as ban­dei­ras ta­ri­fá­ri­as en­tra­ram em vi­gor, até ju­nho de 2019, além da pre­vi­são de de­sem­bol­so até de­zem­bro.

Os da­dos fazem parte de um le­van­ta­men­to técnico fei­to pe­la Agên­cia Nacional de Ener­gia Elé­tri­ca (Ane­el), ao qu­al o Es­ta­do te­ve acesso. O re­la­tó­rio ava­lia os re­sul­ta­dos fi­nan­cei­ros do me­ca­nis­mo de co­bran­ça cri­a­do pa­ra evi­tar rom­bos no se­tor elé­tri­co, por cau­sa dos pe­río­dos críticos de se­ca e da con­se­quen­te bai­xa nos ní­veis dos re­ser­va­tó­ri­os das hi­dre­lé­tri­cas, o que afe­ta di­re­ta­men­te no cus­to da ener­gia.

O sis­te­ma de ban­dei­ras ta­ri­fá­ri­as é di­vi­di­do em co­res. A ban­dei­ra ver­de não tem co­bran­ça ex­tra. Na ama­re­la, a taxa co­bra­da na con­ta men­sal é de R$ 1,50 a cada 100 kWh. No pri­mei­ro nível da ban­dei­ra ver­me­lha, o adi­ci­o­nal é de R$ 4 a cada 100 kWh. No se­gun­do nível da ban­dei­ra ver­me­lha, o con­su­mi­dor paga R$ 6 a cada 100 kWh.

Na ava­li­a­ção da Ane­el, o prin­ci­pal be­ne­fí­cio das ban­dei­ras ta­ri­fá­ri­as é dar trans­pa­rên­cia de for­ma ob­je­ti­va e de cur­to prazo pa­ra o con­su­mi­dor so­bre o cus­to de sua ener­gia. E isso se re­fle­tiu em redução de cus­tos, se­gun­do a agên­cia.

An­tes da ado­ção do modelo ba­se­a­do em co­bran­ça men­sal, o con­su­mi­dor só co­nhe­cia os cus­tos do au­men­to de sua ta­ri­fa na da­ta anu­al do re­a­jus­te da dis­tri­bui­do­ra de ener­gia. Des­sa for­ma, a em­pre­sa com­pra­va ener­gia du­ran­te to­do o ano, a pre­ços va­riá­veis, pa­ra só re­pas­sar es­ses cus­tos um ano de­pois ao con­su­mi­dor. In­va­ri­a­vel­men­te, isso sig­ni­fi­ca­va au­men­tos pe­sa­dos na con­ta de luz, os quais in­cluíam ain­da os re­a­jus­tes au­to­má­ti­cos que as dis­tri­bui­do­ras co­bra­vam to­do o ano.

Os téc­ni­cos da Ane­el cal­cu­la­ram os efei­tos fi­nan­cei­ros que as ban­dei­ras ta­ri­fá­ri­as ti­ve­ram, ao evi­tar es­sa co­bran­ça de ju­ros que ha­via no modelo an­te­ri­or. Os cál­cu­los mos­tra­ram que R$ 3,71 bi­lhões re­fe­ren­tes a ju­ros fo­ram eco­no­mi­za­dos por con­su­mi­do­res de to­do o País.

Re­a­jus­te anu­al. As ban­dei­ras tam­bém ti­ve­ram efei­to direto nos re­a­jus­tes anu­ais co­bra­dos pe­las dis­tri­bui­do­ras, re­du­zin­do um re­pas­se ta­ri­fá­rio adi­ci­o­nal. O le­van­ta­men­to mostra que, em 2016, 2017 e 2018, as ban­dei­ras evi­ta­ram re­pas­se mé­dio de 11,06%, 2,12% e 4,26%, res­pec­ti­va­men­te, pa­ra o con­su­mi­dor nacional. Em 2019, com os da­dos fe­cha­dos até agos­to, as ban­dei­ras já evi­ta­ram um re­pas­se ta­ri­fá­rio adi­ci­o­nal mé­dio de 4,49%.

“As ban­dei­ras ta­ri­fá­ri­as si­na­li­zam, mês a mês, o cus­to da ener­gia elé­tri­ca que se­rá co­bra­da dos con­su­mi­do­res, com a res­sal­va de que es­se sis­te­ma não impõe um cus­to no­vo pa­ra o con­su­mi­dor pagar, sen­do ape­nas uma for­ma di­fe­ren­te de co­brar um cus­to que já es­ta­va in­cluí­do na con­ta de ener­gia, mas que ge­ral­men­te pas­sa­va des­per­ce­bi­do pe­lo con­su­mi­dor”, ex­pli­ca a Ane­el, em sua no­ta téc­ni­ca.

O ano de 2015, quan­do as ban­dei­ras fo­ram cri­a­das, foi o mais pe­sa­do pa­ra o con­su­mi­dor, que ban­cou R$ 14,7 bi­lhões de ta­xas ex­tras. Em 2016, o va­lor caiu pa­ra R$ 3,5 bi­lhões. Em 2017, su­biu pa­ra R$ 6,2 bi­lhões, che­gan­do a R$ 7,3 bi­lhões no ano pas­sa­do. Nes­te ano, o va­lor to­tal pre­vis­to por en­quan­to é de R$ 524 mi­lhões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.