Im­pas­se em Israel faz Bi­bi can­ce­lar ida à ONU

Pre­miê não con­se­gue maioria nas ur­nas e cor­re ris­co de per­der car­go pa­ra adversário

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal -

A elei­ção em Israel ter­mi­nou sem que o pri­mei­ro-mi­nis­tro, Binya­min Netanyahu, e seu prin­ci­pal opo­si­tor, Benny Gantz, ob­ti­ves­sem maioria pa­ra go­ver­nar o país sem co­a­li­zões. Pra­ti­ca­men­te em­pa­ta­dos, os dois bri­gam ago­ra pa­ra ver quem te­rá a prer­ro­ga­ti­va de ini­ci­ar as ne­go­ci­a­ções pa­ra for­mar um no­vo go­ver­no. On­tem, di­an­te do im­pas­se, o pre­miê can­ce­lou sua ida a No­va York, na semana que vem, on­de par­ti­ci­pa­ria da As­sem­bleia-Ge­ral da ONU.

On­tem, com a apu­ra­ção qua­se con­cluí­da, o par­ti­do Azul e Bran­co, de Gantz, ha­via ob­ti­do 33 ca­dei­ras no Par­la­men­to, uma a mais do que o Li­kud, de Netanyahu, que fi­cou com 32. Jun­tos, os dois ele­ge­ram um pou­co mais da me­ta­de dos de­pu­ta­dos – o Par­la­men­to tem um to­tal de 120 ca­dei­ras. Sem maioria, a política is­ra­e­len­se ini­ci­ou um lon­go pro­ces­so de ne­go­ci­a­ções de bas­ti­do­res, uma bri­ga pa­ra ver quem tem di­rei­to a for­mar um go­ver­no.

Em seu dis­cur­so on­tem, Netanyahu não dei­xou de ci­tar Trump. “Mui­to em bre­ve, meu bom ami­go, o pre­si­den­te Trump, apre­sen­ta­rá seu pla­no (de paz), que de­se­nha­rá o fu­tu­ro de Israel por mui­tas ge­ra­ções. E Israel pre­ci­sa de um go­ver­no es­tá­vel e for­te, um go­ver­no si­o­nis­ta e com­pro­me­ti­do com Israel co­mo um Es­ta­do na­ci­o­nal do po­vo ju­deu”, dis­se o pre­miê. Qu­es­ti­o­na­do se ha­via con­ver­sa­do com Netanyahu após as elei­ções, Trump foi se­co. “A nos­sa re­la­ção é com Israel. Va­mos ver o que acon­te­ce.”

Em di­re­ção opos­ta, tam­bém em um bre­ve dis­cur­so, Gantz dis­se que con­ver­sou com lí­de­res dos par­ti­dos de es­quer­da e tam­bém com o ex-mi­nis­tro da De­fe­sa Avig­dor Li­e­ber­man, do par­ti­do Yis­ra­el Bei­te­nu, que po­de ser o fi­el da balança. “Nes­ta noi­te, co­me­ça­re­mos a cons­truir um am­plo go­ver­no de uni­da­de que re­pre­sen­te o po­vo e de­vol­va a sociedade is­ra­e­len­se ao ca­mi­nho cor­re­to. To­das as di­vi­sões de­vem fi­car pa­ra trás”.

Na elei­ção an­te­ri­or, em abril, Netanyahu não con­se­guiu for­mar um go­ver­no por­que Li­e­ber­man, um ex-ali­a­do, se re­cu­sou a par­ti­ci­par de um ga­bi­ne­te com os par­ti­dos re­li­gi­o­sos. Sem saída, o pre­miê is­ra­e­len­se foi obri­ga­do a con­vo­car no­vas elei­ções.

On­tem, fi­cou cla­ro que a jo­ga­da de Li­e­ber­man deu re­sul­ta­do. De­pois de ba­ter de fren­te com Netanyahu e com os ju­deus ul­tra­or­to­do­xos, ele pra­ti­ca­men­te do­brou seu elei­to­ra­do. Em abril, ha­via ele­gi­do cin­co de­pu­ta­dos. Ago­ra, fez no­ve – ti­ran­do vo­tos do Li­kud.

On­tem, Li­e­ber­man afir­mou que há ape­nas uma op­ção pa­ra o país: um go­ver­no de uni­da­de en­tre o seu par­ti­do e os dois mai­o­res – Azul e Bran­co e Li­kud –, ex­cluin­do os par­ti­dos re­li­gi­o­sos. O pro­ble­ma é co­mo cos­tu­rar a aliança. Gantz gos­ta da ideia, mas exige que uma co­a­li­zão com o Li­kud se­ja fei­ta sem Netanyahu – o que di­fi­cil­men­te acon­te­ce­ria.

Ao Es­ta­do, o dou­to­ran­do em re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais pe­la PUC-SP, Ar­tu­ro Hart­mann, dis­se que a ha­bi­li­da­de de for­mar co­a­li­zões de Li­e­ber­man é o qua­dro cen­tral das elei­ções. “Mui­tas coi­sas são di­tas no calor do re­sul­ta­do, mas te­mos de ver até que pon­to eles po­dem es­que­cer a ri­va­li­da­de da cam­pa­nha.”

Ou­tro fa­tor no­vo da elei­ção is­ra­e­len­se foi a boa vo­ta­ção da Lista Ára­be Uni­da, um amon­to­a­do de par­ti­dos árabes. O gru­po foi o ter­cei­ro mais vo­ta­do em Israel e fez 12 de­pu­ta­dos.

O pro­fes­sor de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais da ESPM-SP, Gunther Rud­zit, dis­se que o au­men­to do espaço da­do aos po­lí­ti­cos árabes é sig­ni­fi­ca­ti­vo, mas não de­ve al­te­rar sua im­por­tân­cia no Par­la­men­to. “Eles não vão acei­tar par­ti­ci­par de qual­quer go­ver­no, mas ten­do es­se nú­me­ro de ca­dei­ras com os árabes, is­so di­lui to­das as ou­tras par­ti­ci­pa­ções, po­den­do al­te­rar a for­ma­ção do pró­xi­mo go­ver­no”.

“Mui­to em bre­ve, meu bom ami­go, o pre­si­den­te Trump, apre­sen­ta­rá seu pla­no, que de­se­nha­rá o fu­tu­ro de Israel por mui­tas ge­ra­ções. E Israel pre­ci­sa de um go­ver­no es­tá­vel e for­te, um go­ver­no si­o­nis­ta e com­pro­me­ti­do com Israel co­mo um Es­ta­do na­ci­o­nal do po­vo ju­deu.

Binya­min Netanyahu

PRI­MEI­RO-MI­NIS­TRO DE ISRAEL

MENAHEM KAHANA/AFP

Ne­go­ci­a­ções. Netanyahu dei­xa a se­de do Li­kud em Je­ru­sa­lém: car­go de pre­miê em ris­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.