Com ju­ro me­nor, ren­da fi­xa vi­ra ‘se­gu­ro’

Pa­ra ganhar di­nhei­ro, in­ves­ti­dor te­rá de abrir mão de li­qui­dez ou as­su­mir ris­cos, com pro­du­tos co­mo ações, apon­tam ana­lis­tas

O Estado de S. Paulo - - Economia - Renato Ja­ki­tas Már­cia de Chi­a­ra

A queda na ta­xa de ju­ros Se­lic, que on­tem re­gis­trou no­vo pi­so his­tó­ri­co, for­ça­rá o apli­ca­dor bra­si­lei­ro, ha­bi­tu­a­do à ren­da fi­xa, a fa­zer es­co­lhas mais di­fí­ceis, se não qui­ser ver o pa­trimô­nio an­dan­do de la­do. Pa­ra con­se­guir al­gum ga­nho, de acor­do com especialis­tas, ele te­rá de abrir mão da li­qui­dez (dei­xan­do o di­nhei­ro apor­ta­do por mais tem­po no mer­ca­do financeiro) ou as­su­mir ris­cos ex­tras pa­ra sua car­tei­ra, com pro­du­tos co­mo ações e fun­dos imo­bi­liá­ri­os – su­jei­tos a os­ci­la­ções e não isen­tos de pre­juí­zos.

Pa­ra o su­pe­rin­ten­den­te de port­fó­li­os de in­ves­ti­men­to do Itaú Uni­ban­co, Victor Vi­et­ti, o que ago­ra so­bra pa­ra o in­ves­ti­dor pes­soa fí­si­ca é uma car­tei­ra com op­ções ca­da vez mais en­xu­tas (e si­mi­la­res) den­tro da ren­da fi­xa, aque­le in­ves­ti­men­to em que o di­nhei­ro é apli­ca­do com uma ga­ran­tia mí­ni­ma de re­tor­no após um determinad­o tem­po. “A ren­da fi­xa sem­pre te­rá mer­ca­do, mas a gen­te es­tá re­co­men­dan­do apli­ca­ção em Bol­sa des­de o fi­nal de 2018”, diz.

Pro­du­tos co­mo CDBs, fun­dos DI e pou­pan­ça, na opi­nião da co­or­de­na­do­ra do cur­so de eco­no­mia do Ins­per, Ju­li­a­na Inhasz, vão vi­rar uma es­pé­cie de “se­gu­ro” pa­ra o pa­trimô­nio do in­ves­ti­dor. “Es­que­ce es­sa his­tó­ria de ganhar di­nhei­ro com o CDB. Es­sas aplicações ser­vem pa­ra re­por as per­das com in­fla­ção, va­ri­a­ções cam­bi­ais.”

Já Gil­ber­to Abreu, diretor de investimen­tos do ban­co San­tan­der, diz que o in­ves­ti­dor de­ve apren­der a olhar pa­ra o mer­ca­do financeiro evi­tan­do fa­zer com­pa­ra­ções com o pas­sa­do. “É um mun­do no­vo, e ain­da bem. Ren­da fi­xa pa­ga pou­co no mun­do in­tei­ro. O que acon­te­cia no Brasil era uma in­cor­re­ção do nos­so mer­ca­do.”

Em si­mu­la­ção pa­ra o Es­ta­do, a eco­no­mis­ta Pau­la Sau­er, pro­fes­so­ra da ESPM e pla­ne­ja­do­ra fi­nan­cei­ra da Pla­ne­jar, cha­ma atenção pa­ra o bom re­sul­ta­do pro­je­ta­do pa­ra os pro­du­tos com ven­ci­men­to de lon­go pra­zo (aci­ma de cin­co anos). Des­ta­que pa­ra as Le­tras de Cré­di­to (tan­to imo­bi­liá­ri­as, as LCIs, qu­an­to de agro­ne­gó­cio, LCAs). “O que ga­ran­te o bom re­sul­ta­do des­ses pro­du­tos é a isen­ção do Imposto de Ren­da. E, mes­mo as­sim, o por­cen­tu­al de CDI que ser­ve de re­mu­ne­ra­ção pa­ra as le­tras es­tá atre­la­do ao pra­zo. Qu­an­to mai­or o pra­zo sem me­xer no di­nhei­ro, me­lhor a re­mu­ne­ra­ção”, ob­ser­va.

Dados do bus­ca­dor de investimen­tos Yubb apon­tam que, dos cer­ca de 1 mil LCAs e LCIs lan­ça­dos re­cen­te­men­te, só 2% (171 pro­du­tos) apre­sen­tam re­tor­no aci­ma de 114% do CDI. “As le­tras po­de­ri­am ser clas­si­fi­ca­das co­mo bo­as al­ter­na­ti­vas. Mas co­mo elas são tí­tu­los lan­ça­dos por em­pre­sas pa­ra fi­nan­ci­ar pro­je­tos de investimen­tos, e ho­je eles es­tão es­cas­sos, es­tá mais di­fí­cil en­con­trar es­se pa­pel no mer­ca­do”, con­ta Ber­nar­do Pas­cowit­ch, do Yubb.

Ca­der­ne­ta. Com a no­va queda na Se­lic, a pou­pan­ça, prin­ci­pal des­ti­no do di­nhei­ro do bra­si­lei­ro, perdeu atra­ção. O in­ves­ti­men­to, que até en­tão ren­dia 4,20% ao ano, su­pe­ran­do as­sim boa par­te dos fun­dos de ren­da fi­xa, re­cu­ou pa­ra 3,85%, um pou­co aci­ma da in­fla­ção, es­ti­ma­da em 3,60% pe­lo úl­ti­mo relatório do Ban­co Cen­tral. Os fun­dos DI, que ad­mi­nis­tram uma car­tei­ra de ren­da fi­xa, tam­bém fi­ca­ram pa­ra trás. Al­guns de­les, em fun­ção da ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção, che­gam per­der pa­ra a in­fla­ção por qua­se 1 pon­to por­cen­tu­al. Já no Te­sou­ro Di­re­to, os tí­tu­los de cur­to pra­zo atre­la­dos à Se­lic fi­cam mui­to pró­xi­mos à pou­pan­ça. A re­co­men­da­ção aqui, mais uma vez, são tí­tu­los de mé­dio e lon­go pra­zo, aci­ma de 12 meses, atre­la­dos à in­fla­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.