Es­ta­do de equi­lí­brio

De­pois de ‘Es­ta­do de Po­e­sia’, Chi­co Ce­sar se­gue no front com um ri­co ar­co de emo­ções em seu no­vo dis­co

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ju­lio Ma­ria

E o que fa­ria Chi­co Ce­sar de­pois de Es­ta­do de Po­e­sia era algo que o fã per­gun­ta­va ha­via um tem­po. Ali, em uma ho­ra, se­te mi­nu­tos e 40 se­gun­dos, Chi­co con­cluía um dos dis­cos bra­si­lei­ros de sta­tus clás­si­co, ven­ce­dor em sua ver­são ao vi­vo do Prê­mio da Mú­si­ca Bra­si­lei­ra. Apu­ra­va a po­e­sia, equi­li­bra­va a sa­nha dos tro­ca­di­lhos e de­sen­vol­via uma lin­gua­gem afro-pop hen­dri­xi­ni­a­na sem per­der o poder da co­mu­ni­ca­ção ime­di­a­ta. Fi­cou, as­sim, qua­se cin­co anos com ele na es­tra­da e o se­di­men­tou flu­tu­an­do na su­per­fí­cie de seu re­per­tó­rio. Aque­la co­le­ção can­ta­da pe­la pla­teia se une ago­ra a Ma­ma Áfri­ca e

À Pri­mei­ra Vis­ta pa­ra for­mar a ba­se de seu can­ci­o­nei­ro.

Era 2015, a pre­si­den­te do País era Dil­ma Rous­seff e Chi­co vol­ta­va às cal­dei­ras de­pois de um pe­río­do sem dis­cos, re­ti­ra­do da ce­na ar­tís­ti­ca por for­ça de um car­go de se­cre­tá­rio es­ta­du­al de Cultura da Pa­raí­ba. Vi­via tam­bém as li­ber­da­des do amor re­cen­te pe­la ci­ne­as­ta Bar­ba­ra Santos, que o le­va­va a lu­ga­res co­mo

Ca­ra­ca­jus, Da Taça e a pró­pria de­fi­ni­ção que co­lo­cou no di­ci­o­ná­rio co­mo sinô­ni­mo de em­bri­a­guez da al­ma, da pai­xão pe­la vi­da, do Es­ta­do de Po­e­sia.

É 2019 e, con­tra as pre­vi­sões, nem tu­do são cin­zas tam­bém por­que, nas pa­la­vras de Chi­co, a po­e­sia não es­tá per­di­da. “Se abri­mos mão da po­e­sia pa­ra fa­zer­mos pan­fle­to, aqui­lo que com­ba­te­mos já ven­ceu”, ele diz. O Amor É Um Ato Re­vo­lu­ci­o­ná­rio,

com dois shows de lan­ça­men­to nes­ta quin­ta, 19, e sexta, 20, no Sesc Pi­nhei­ros, tem tal­vez su­as res­pos­tas na pró­pria frase. Não há um no­vo Reis do Agro­ne­gó­cio, sua can­ção mais com­ba­ti­va, de lin­gua­gem mais im­pla­cá­vel con­tra os “pi­nó­qui­os ve­lhos” da ve­lha política, que já es­ta­va em Es­ta­do de Po­e­sia. “Mui­ta gen­te me vê co­mo es­se ar­tis­ta de com­ba­te, en­via mú­si­cas com es­se te­or. Mas eu quis tam­bém fa­lar ago­ra de ou­tras coi­sas.” O ál­bum tem, as­sim, as du­as fa­ces de um ho­mem que se equi­li­bra en­tre a in­dig­na­ção pro­fun­da do que seus olhos ve­em e a do­çu­ra to­can­te do que po­de per­ce­ber além dis­so. Se um dos dois ven­ces­se a ba­ta­lha, o ca­mi­nho, tal­vez, se tor­nas­se algo te­me­rá­rio. O Amor É um Ato Re­vo­lu­ci­o­ná­rio é, as­sim, mais com­ple­men­to

de Es­ta­do de Po­e­sia do que uma con­tra­po­si­ção. Sob as mes­mas mãos ins­tru­men­tais e qua­se o mes­mo con­cei­to so­no­ro, ele cria um ar­co que par­te do ato de amor ri­tu­a­lís­ti­co e ro­quei­ro do te­ma-tí­tu­lo, uma de­li­ci­o­sa can­ção que re­me­te aos anos 70 com fra­ses pro­fé­ti­cas e edi­fi­can­tes em co­ro e uma li­ber­da­de de so­los da­da ao gui­tar­ris­ta Luiz Car­li­ni, ex-Tut­ti-Frut­ti, e ter­mi­na com um es­ta­do de rai­va re­vo­lu­ci­o­ná­ria de Eu Qu­e­ro Que­brar.

Chi­co Ce­sar re­for­ça os po­los de for­ças com­ple­men­ta­res que já ha­via mos­tra­do em Es­ta­do de Po­e­sia, mas que ago­ra apa­re­cem mais ní­ti­dos em O Amor É um Ato Re­vo­lu­ci­o­ná­rio. O amor pu­ro es­tá em De Pei­to Aber­to, com Ag­nes Nu­nez, uma pérola de Cam­pi­na Gran­de, de 17 anos, ou em Mi­nha Mo­re­na, co­ol, com li­nha de bai­xo que po­de­ria ser de Bill Withers em Ain’t no Sunshi­ne, e im­pro­vi­sos da gui­tar­ra de Chi­co, sem­pre saída de al­gum can­to de Ca­bo Verde. Um dos atos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os apa­re­ce em Pe­dra­da, um reg­gae que ga­nha flu­tu­a­ção na voz de apoio lu­xu­o­so de Da­da Yu­te, que não dei­xa na­da ser sim­ples­men­te pe­sa­do, mes­mo quan­do a le­tra diz: “Cães da­na­dos do fas­cis­mo / Ba­bam e ar­re­ga­nham os den­tes / Sai do ovo a serpente / Fru­to po­dre do ci­nis­mo / Pa­ra opri­mir as gen­tes / Nos man­ter no es­cra­vis­mo / Pra nos em­pur­rar no abis­mo / E nos tri­tu­rar com os den­tes”. Creia, fi­ca le­ve.

O pe­so do rock sai do tem­pe­ro de Es­ta­do de Po­e­sia e ga­nha pro­ta­go­nis­mo, tal­vez co­mo re­fle­xo do tom a mais de ru­de­za do dis­cur­so. Lu­zia Ne­gra tem um riff de gui­tar­ra, do­bra­do pe­lo timbre de te­cla­do Ham­mond, que ao vi­vo, se tra­ba­lha­do com as lu­zes que me­re­ce, de­ve se tor­nar um dos mo­men­tos mais ten­sos e ine­bri­an­tes do es­pe­tá­cu­lo. Um so­lo de gui­tar­ra com pe­dal wah wah, mais uma de Hen­drix, cor­re sol­to no no­vo pa­drão cir­cu­lar gran­di­lo­quen­te de di­nâ­mi­ca ro­quei­ra, o mes­mo que acon­te­ce na fai­xa O Amor É um Ato Re­vo­lu­ci­o­ná­rio, mas com um de­ta­lhe. Quem to­ca aqui é Chi­co Ce­sar, e ele mostra es­tar em for­ma co­mo gui­tar­ris­ta.

Cru­vi­a­na é um vau­de­vil­le de ca­ba­ré, no mes­mo campo do sar­ro pa­ra não cho­rar, co­me­çan­do com a vi­nhe­ta do Jornal Na­ci­o­nal (e en­tão, ima­gi­ne-se o res­to). Quem dá a gra­ça a Chi­co, aqui, é a voz de­sor­de­na­da­men­te gra­ci­o­sa da re­ci­fen­se Flai­ra Fer­ro. Um pu­lo pa­ra As Ne­gras e a Áfri­ca vol­ta co­mo a gi­ra de ter­rei­ro, des­ta vez tra­zen­do as mu­lhe­res de lá: “As ne­gras es­tão che­gan­do / tra­zen­do d’Áfri­ca o axé vi­tal / he­ran­ça das ma­tri­ar­cas / da ar­ca sa­gra­da ori­gi­nal”. Uma in­tro­du­ção tão Gil pa­ra um re­frão tão Chi­co em um mo­men­to de festa.

O Ho­mem Sob O Co­ber­tor Puí­do é ou­tra ins­pi­ra­ção em Bob Dy­lan de­pois da dis­cur­si­va Os Reis do Agro­ne­gó­cio. O ce­ná­rio aqui par­te da área on­de o céu e o in­fer­no es­tão mais pró­xi­mos na ci­da­de, os en­tor­nos da Sa­la São Paulo. A dez pas­sos do abri­go dos eru­di­tos pres­tes à ex­pe­ri­ên­cia ce­les­ti­al que as sin­fo­ni­as prometem, uma população de zum­bis de­fi­nha a céu aber­to. Ao pas­sar­mos por eles e os ig­no­rar­mos pa­ra não es­tra­gar­mos a noi­te (e a pri­mei­ra pes­soa do plu­ral é ne­ces­sá­ria), um pou­co de ca­da um já es­tá morto. Chi­co can­ta as­sim: “Vo­cê que vai ver o concerto com seu fra­que / Nem vê no chão o ho­mem caí­do na on­da do crack / Não vê as tre­vas que des­cem so­bre a Es­ta­ção da Luz / Es­tá fe­liz pois há concerto nes­te mun­do / Mas no fun­do no fun­do sa­be o des­con­cer­to imun­do / Que mais une que se­pa­ra a for­tu­na e a sor­te ava­ra / Sim, ca­ra, vo­cê meu ca­ro é o ho­mem es­ten­di­do sob o co­ber­tor puí­do / Sim, ca­ra, vo­cê é a más­ca­ra do deus im­pi­e­do­so e in­di­fe­ren­te”.

Não se tra­ta de uma le­tra po­li­ti­za­da, não é mais uma pe­dra­da e não tem o go­ver­na­dor João Do­ria co­mo al­vo, ao con­trá­rio de co­men­tá­ri­os que sur­gi­ram na in­ter­net quan­do foi re­ve­la­do um es­bo­ço da can­ção. Não des­ta vez, ele diz. “Eu mes­mo ten­to, às ve­zes, pas­sar por ci­ma do ho­mem que es­tá no crack. O ho­mem sob o co­ber­tor puí­do sou eu mes­mo. Não é uma mú­si­ca con­tra o Do­ria, mas con­tra o Do­ria que existe den­tro de mim.”

Há um ter­cei­ro ele­men­to que apa­re­ce na com­po­si­ção de tra­ço ge­ra­ci­o­nal, que em ge­ral vi­ra te­ma dos ar­tis­tas que vi­ve­ram a con­ver­são ana­ló­gi­ca pa­ra a fa­ce­bo­o­ki­a­na, das fo­tos de pa­pel pa­ra o Ins­ta­gram. Os olhos pas­sam por aí pe­lo me­nos em His­tory e em Li­ke, uma ba­la­da de amor das cur­ti­das, das ca­rí­ci­as em for­ma de li­ke e das cri­ses con­ju­gais em for­ma de não li­ke: “Quan­do cur­to es­sas bes­tei­ras que vo­cê pos­ta / às ve­zes eu me sin­to um bos­ta / mas eu pos­to pois eu sei que vo­cê gos­ta”. Sim­ples as­sim, pra de­sa­ba­far o qu­an­to a for­ma de cha­me­go dos tem­pos de po­le­ga­res é tão in­co­mo­da­men­te ir­re­sis­tí­vel.

Se­ria o dis­cur­so da rai­va um ve­ne­no a ser to­ma­do com par­cimô­nia? A per­gun­ta quer sa­ber de Chi­co se ele bus­ca um equi­lí­brio na com­po­si­ção quan­do sen­te poder ser le­va­do pe­la ira. “Eu pre­fi­ro pen­sar mais co­mo os Mu­tan­tes do que co­mo o Ge­ral­do Van­dré”, diz. “Nun­ca con­se­gui, por exem­plo, com­por uma mú­si­ca pa­ra Ma­ri­el­le Fran­co, não pos­so. Aque­les que a ma­ta­ram já es­tão con­de­na­dos a uma mor­te eter­na e se­rão sem­pre me­dío­cres. Ela não, se tor­nou um gi­gan­te em to­do o mun­do.”

VA­LE­RIA GONÇALVEZ/ESTADÃO

Nos ares. Chi­co no al­to do pré­dio do ‘Estadão’, às vés­pe­ras do lan­ça­men­to

VA­LE­RIA GONÇALVEZ/ESTADÃO

Chi­co. Não cri­ou uma mú­si­ca pa­ra Ma­ri­el­le Fran­co até ho­je por não con­se­guir e, ago­ra, en­ten­der que ela não ne­ces­si­ta mais

‘O AMOR É UM ATO RE­VO­LU­CI­O­NÁ­RIO’ IN­DE­PEN­DEN­TE; R$ 30; PLA­TA­FOR­MAS CHI­CO CE­SAR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.