‘Mid­som­mar’, um con­to de fa­das de ter­ror

Es­treia nes­ta 5ª o no­vo lon­ga do diretor Ari As­ter, de ‘He­re­di­tá­rio’, no qual ‘as coi­sas es­tra­nhas’ se pas­sam à luz do dia

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ma­ri­a­ne Mo­ri­sawa ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO LOS AN­GE­LES

A pri­mei­ra coi­sa que Ari As­ter quer que to­do mun­do saiba é que Mid­som­mar – O Mal Não Es­pe­ra a Noi­te não é He­re­di­tá­rio,o fil­me de ter­ror com que fez sua es­treia em lon­gas. “Eles nem são do mes­mo gê­ne­ro”, dis­se o diretor ame­ri­ca­no de 33 anos em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do, que de­fi­ne seu no­vo tra­ba­lho co­mo um con­to de fa­das. “Os pra­ze­res des­te são mui­to di­fe­ren­tes dos pra­ze­res do ou­tro. Quem es­ti­ver es­pe­ran­do a mes­ma coi­sa vai fi­car de­sa­pon­ta­do. Mas, se con­se­guir se en­tre­gar ao lon­ga e dei­xar as ex­pec­ta­ti­vas de la­do, po­de en­con­trar algo de que gos­tar.”

A pro­ta­go­nis­ta de Mid­som­mar, que es­treia nes­ta quin­ta, 19, é Da­ni (Flo­ren­ce Pugh, de Lady Mac­beth) que, de­pois de per­der a fa­mí­lia de for­ma trá­gi­ca, agar­ra-se ao que tem, o na­mo­ra­do Ch­ris­ti­an (Jack Rey­nor). “É uma tra­di­ção pa­ra mim es­cre­ver quan­do es­tou em cri­se”, lem­brou As­ter. “Mui­ta gen­te me fa­la que é trau­má­ti­co fa­lar de mor­te e lu­to, mas na ver­da­de não, os fil­mes é que vêm do trau­ma. Mid­som­mar foi es­cri­to quan­do en­fren­ta­va o fim de uma re­la­ção. Foi te­ra­pêu­ti­co pa­ra mim.”

Ch­ris­ti­an, po­rém, só não ter­mi­nou o re­la­ci­o­na­men­to por cau­sa da tra­gé­dia na vi­da de Da­ni. Ela pra­ti­ca­men­te se convida pa­ra acom­pa­nhá-lo na vi­a­gem que fa­ria com os ami­gos Josh (Wil­li­am Jack­son Har­per) e Mark (Will Poul­ter) à Sué­cia, a uma co­mu­ni­da­de meio hip­pie e que ado­ta an­ti­gos ri­tu­ais pa­gãos on­de Pel­le (Vi­lhelm Blom­gren) cres­ceu, pa­ra ver os ri­tos do sols­tí­cio de ve­rão. E é cla­ro que aque­la ce­na paz e amor não é bem o que pa­re­ce – e, por mais que o diretor ne­gue, o fil­me tem um quê de ter­ror sim, pe­lo me­nos de “folk hor­ror” na li­nha de

O Ho­mem de Pa­lha.

Co­mo o ve­rão no norte da Sué­cia não tem noi­te, as coi­sas es­tra­nhas se pas­sam à luz do dia. “Lo­gis­ti­ca­men­te, foi um de­sa­fio”, con­tou As­ter. “O sol se mo­ve o tem­po in­tei­ro, en­tão a con­ti­nui­da­de era um pro­ble­ma. De­pen­día­mos sem­pre do tem­po e nos­so cro­no­gra­ma era aper­ta­do.” Mas ele in­sis­te que fa­zer um fil­me de ter­ror com o sol a pi­no não foi uma ques­tão, por não se tra­tar de um fil­me de ter­ror, em opo­si­ção a He­re­di­tá­rio,

que, aliás, era pra­ti­ca­men­te to­do no es­cu­ro. “Quem as­sis­te a

Mid­som­mar sa­be pa­ra on­de as coi­sas es­tão in­do, que é um ‘folk hor­ror’ e que mui­ta gen­te vai mor­rer.” Pa­ra ele, os sus­tos não estavam no car­dá­pio. Mas o con­tras­te en­tre uma jo­vem em lu­to, que se pen­du­ra num re­la­ci­o­na­men­to ruim, nes­se ce­ná­rio idí­li­co e en­so­la­ra­do, sim. “Há uma ten­são en­tre o in­te­ri­or e o exterior”, afir­mou As­ter, que se dis­se inspirado mais pe­los ci­ne­as­tas eu­ro­peus co­mo Berg­man e Lars Von Tri­er do que pe­los ame­ri­ca­nos de ho­je.

To­dos na co­mu­ni­da­de são loi­ros de olhos cla­ros. O ci­ne­as­ta con­tou não ter pre­ten­di­do fa­zer um fil­me ex­pli­ci­ta­men­te po­lí­ti­co, mas que há ele­men­tos do que acon­te­ce na Sué­cia, com o res­sur­gi­men­to do par­ti­do fas­cis­ta, e nos EUA. “O lon­ga tra­ta de tri­ba­lis­mo. Dá pa­ra no­tar co­mo os vi­si­tan­tes da co­mu­ni­da­de que não são bran­cos são tra­ta­dos de for­ma di­fe­ren­te. Na­da dis­so é aci­den­tal.”

Ari As­ter fa­la de uma jo­vem mu­lher que descobre sua voz e seu poder, sem de­pen­der de um ho­mem – ain­da mais um que só de­se­ja se li­vrar de­la. Mas quis dei­xar cla­ro que es­cre­veu Mid­som­mar an­tes dos mo­vi­men­tos fe­mi­nis­tas co­mo #MeToo. “Não qu­e­ro, po­rém, que o fil­me se­ja ób­vio. O fi­nal é ca­tár­ti­co, mas es­pe­ro que o es­pec­ta­dor de­ba­ta es­sa ca­tar­se mais tar­de, per­gun­te se a con­clu­são é jus­ti­fi­ca­da.”

CSABA AKNAY

Ri­tu­ais. Paz e hor­ror em co­mu­ni­da­de meio hip­pie

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.