PA­REN­TES, CUR­RÍ­CU­LO E ME­SAS VA­ZI­AS

Poucos ser­vi­do­res da Li­de­ran­ça do PT apa­re­cem pa­ra tra­ba­lhar no dia se­guin­te à Mega-Se­na

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Re­na­to Ono­fre / BRA­SÍ­LIA

Um dia após fun­ci­o­ná­ri­os da li­de­ran­ça do PT na Câ­ma­ra ga­nha­rem R$ 120 mi­lhões em bo­lão da Mega-Se­na, al­guns pe­di­ram dis­pen­sa pa­ra ir à Cai­xa e pe­lo menos um cur­rí­cu­lo de can­di­da­to às “no­vas va­gas” foi en­tre­gue. No WhatsApp, hou­ve quem se quei­xas­se de “ami­gos” e pa­ren­tes.

Após bo­la­da de R$ 120 mi­lhões na Mega-Se­na, a eu­fo­ria deu lu­gar a ca­dei­ras va­zi­as – e um cer­to res­sen­ti­men­to – na li­de­ran­ça do PT. Um dia após um gru­po de ser­vi­do­res e as­ses­so­res ga­nhar na lo­te­ria, par­te dos sor­te­a­dos no bo­lão não apa­re­ceu pa­ra tra­ba­lhar ou foi dis­pen­sa­do. Quem es­te­ve no lo­cal e não jo­gou não es­con­deu a frus­tra­ção.

“Bom não está”, re­la­tou uma as­ses­so­ra que não par­ti­ci­pou do bo­lão. “Acho que eu me­re­cia até um dia de fol­ga”, afir­mou a fun­ci­o­ná­ria, que pe­diu pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­da. “Tem de ver a ale­gria que vi­rou a li­de­ran­ça do PT. Vo­cê che­ga lá e nin­guém olha na sua ca­ra”, afir­mou o de­pu­ta­do Pau­lo Tei­xei­ra (PT-SP), ao re­la­tar o de­sâ­ni­mo de al­guns ser­vi­do­res que apa­re­ce­ram pa­ra tra­ba­lhar.

O líder do PT, de­pu­ta­do Pau­lo Pi­men­ta (RS), afir­mou que seis as­ses­so­res pe­di­ram dis­pen­sa do dia pa­ra irem à Cai­xa Econô­mi­ca Federal (CEF) res­ga­tar o prê­mio. O

Es­ta­do per­cor­reu as du­as sa­las on­de tra­ba­lha a mai­o­ria dos apos­ta­do­res que com­pra­ram as 49 co­tas do bo­lão pre­mi­a­do que ren­deu, pe­lo menos, cer­ca de R$ 2,4 mi­lhões pa­ra ca­da.

Ao to­do, são 96 ser­vi­do­res no­me­a­dos no ga­bi­ne­te da li­de­ran­ça, com sa­lá­ri­os que va­ri­am de R$ 3,6 mil a R$ 20 mil.

São es­tes as­ses­so­res que aju­dam os par­la­men­ta­res a elaborar pro­je­tos, au­xi­li­am nas vo­ta­ções, além de fa­zer a in­ter­lo­cu­ção com ou­tros de­pu­ta­dos. Par­ti­dos com me­lhor as­ses­so­ria se sa­em me­lhor nas vo­ta­ções.

Lo­go na re­cep­ção da sa­la prin­ci­pal da li­de­ran­ça pe­tis­ta, on­de fi­ca o ga­bi­ne­te de Pi­men­ta, era pos­sí­vel ver uma con­sequên­cia da noi­te de on­tem. Uma re­cep­ci­o­nis­ta e ou­tros ser­vi­do­res que atu­am no lo­cal não apa­re­ce­ram. “São R$ 2 mi­lhões. Não dá pa­ra vi­ver o res­to da vi­da. É ho­ra de man­ter o pé no chão”, afir­mou um dos ga­nha­do­res, que pe­diu à reportagem pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­do. Ele afir­mou que está mui­to fe­liz e que vai pen­sar co­mo in­ves­tir a bo­la­da.

A apos­ta foi fei­ta em uma lo­te­ria da Cai­xa em um su­per­mer­ca­do da Asa Sul de Bra­sí­lia. De acor­do com Pi­men­ta, até o mo­men­to, ele não re­ce­beu ne­nhum pe­di­do de exo­ne­ra­ção.

Nas co­mis­sões, on­de a mai­o­ria dos ven­ce­do­res atua aju­dan­do par­la­men­ta­res, a vi­tó­ria na lo­te­ria vi­rou pi­a­da. “(De­pu­ta­do Mar­ce­lo) Frei­xo, o PT está pre­ci­san­do de as­ses­so­res. Não tem nin­guém lá do PSOL, não?”, afir­mou Pau­lo Tei­xei­ra, brin­can­do com o co­le­ga de Câ­ma­ra du­ran­te reu­nião do gru­po de tra­ba­lho que ana­li­sa o pa­co­te an­ti­cri­me.

Apos­ta. Nos úl­ti­mos dez anos, sem­pre que há uma apos­ta acu­mu­la­da, eles jo­gam. Nor­mal­men­te, a co­ta é de R$ 50, mas des­ta vez o gru­po op­tou por uma par­ce­la de R$ 10. Em ou­tros mo­men­tos, re­la­tou um ga­nha­dor, o gru­po já acer­tou a qua­dra e a qui­na.

O bo­lão tam­bém mo­ti­vou bus­ca por va­gas de em­pre­go na Câ­ma­ra. Na ma­nhã de on­tem, uma ex-fun­ci­o­ná­ria do Con­gres­so en­trou na sa­la pa­ra dei­xar cur­rí­cu­lo.

Além da im­pren­sa, os ga­nha­do­res tam­bém es­tão sen­do abor­da­dos por ami­gos e pa­ren­tes. O Es­ta­do te­ve aces­so a uma tro­ca de men­sa­gens no gru­po de WhatsApp “As­ses­so­ria Par­la­men­to PT”, que reú­ne as­ses­so­res téc­ni­cos que jo­ga­ram e os que não jo­ga­ram. Um ser­vi­dor do Se­na­do, que não fez par­te do bo­lão dos co­le­gas da Câ­ma­ra, es­cre­veu: “Ago­ra é con­ven­cer a fa­mí­lia que so­mos do Se­na­do”, dis­se, em re­fe­rên­cia ao as­sé­dio que co­me­çou a re­ce­ber. Ou­tro res­pon­deu: “Aqui já apa­re­ceu ‘ami­go’ que des­de ou­tu­bro de 2018 não me cha­ma­va”.

Ra­ri­da­de. O bi­lhe­te pre­mi­a­do

DIDA/SAM­PAIO/ES­TA­DÃO

Prê­mio. Ga­nha­dor do bo­lão exi­be ima­gem do car­tão pre­mi­a­do na por­ta da lo­té­ri­ca, em Bra­sí­lia, on­de jo­go foi re­gis­tra­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.