Li­vro de memórias

Fer­nan­da Mon­te­ne­gro lan­ça Pró­lo­go, Ato, Epí­lo­go.

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ubi­ra­tan Bra­sil

Fer­nan­da Mon­te­ne­gro des­per­ta aten­ção pe­los olhos – gran­des, in­qui­si­do­res, in­ves­ti­ga­ti­vos. Em ce­na, na vi­da ou no pal­co, su­as pa­la­vras têm o pe­so da ve­ra­ci­da­de. “Não se sa­be o que mais ad­mi­rar ne­la: se a ex­ce­lên­cia de atriz ou a cons­ci­ên­cia, que ela ama­du­re­ceu, do pa­pel do ator no mun­do. Ela não se pre­o­cu­pa so­men­te em ele­var ao mais al­to ní­vel sua arte de re­pre­sen­tar, mas in­sis­te igual­men­te em me­di­tar so­bre o sen­ti­do, a fun­ção, a dig­ni­da­de, a ex­pres­são so­ci­al da con­di­ção de ator em qual­quer tem­po e lu­gar”, ob­ser­vou, cer­ta vez, Car­los Drum­mond de An­dra­de.

Exem­plo de ar­tis­ta em um país em que es­sa ati­vi­da­de ge­ra con­tro­vér­si­as, Fer­nan­da se apro­xi­ma dos 90 anos de vi­da (fes­te­ja no dia 16 de ou­tu­bro) com um vi­gor in­ve­já­vel. “En­quan­to eu es­ti­ver an­dan­do por con­ta pró­pria, com a me­mó­ria boa e uma au­di­ção ra­zo­a­vel­men­te per­fei­ta, pre­ten­do continuar tra­ba­lhan­do”, brin­cou ela na ma­nhã des­ta quin­ta, 19, quan­do con­ver­sou com o Es­ta­do por te­le­fo­ne. Foi, na ver­da­de, uma ma­ra­to­na de en­tre­vis­tas pa­ra o lan­ça­men­to, nes­ta sexta, de Pró­lo­go, Ato, Epí­lo­go (Com­pa­nhia das Le­tras), li­vro de memórias em que re­lem­bra des­de a che­ga­da dos avós ao Bra­sil até seus mais re­cen­tes tra­ba­lhos, co­mo o fil­me A Vi­da Invisível, de Ka­rim Aï­nouz, que só es­treia no dia 31 de ou­tu­bro.

Tra­ta-se de um pro­je­to de lon­ga ges­ta­ção – en­tre ju­lho de 2016 e novembro de 2017, a jor­na­lis­ta Mar­ta Góes re­a­li­zou de­zoi­to en­tre­vis­tas com a atriz. A par­tir do ma­te­ri­al re­co­lhi­do e trans­cri­to por ela, Fer­nan­da se de­bru­çou so­bre a pró­pria his­tó­ria, en­tre novembro de 2017 e agos­to de 2019, pa­ra dar o con­tor­no fi­nal. “Ho­je, per­ce­bo que mui­tos fa­tos fi­ca­ram de fo­ra, mas o es­sen­ci­al está ali”, ex­pli­ca ela, que as­su­miu a ta­re­fa mo­vi­da por um mo­ti­vo es­pe­ci­al. “Acei­tei o con­vi­te da edi­to­ra pen­san­do em meus três ne­tos. Eu gos­ta­ria que eles sou­bes­sem da his­tó­ria de seus des­cen­den­tes.”

Tal en­ten­di­men­to sem­pre foi ca­ro pa­ra Fer­nan­da Mon­te­ne­gro, que pre­sen­ci­ou im­por­tan­tes mu­dan­ças so­ci­ais e po­lí­ti­cas no Bra­sil em qua­se se­te dé­ca­das de car­rei­ra ar­tís­ti­ca – sua es­treia no pal­co acon­te­ceu em 1950, com a pe­ça Ale­gres Can­ções na Mon­ta­nha. No li­vro au­to­bi­o­grá­fi­co, os pro­ble­mas ar­tís­ti­cos ca­mi­nha­vam em pa­ra­le­lo com os do País, a pon­to de, em um de­ter­mi­na­do pon­to do re­la­to, ela acre­di­tar na exis­tên­cia de dois Bra­sis: um com pro­ble­mas de saú­de e edu­ca­ção e ou­tro que nun­ca es­te­ve me­lhor.

E co­mo ela vê ho­je o País? “Um país in­do pa­ra o la­do de um no­vo conceito re­li­gi­o­so”, con­cei­tua, em uma fa­la pau­sa­da e mui­to pen­sa­da.

Se pu­des­se re­su­mir o con­teú­do de sua au­to­bi­o­gra­fia Pró­lo­go, Ato, Epí­lo­go em um pu­nha­do de fra­ses, Fer­nan­da Mon­te­ne­gro di­ria que se tra­ta de uma “vi­a­gem com mui­tos co­le­gas, com mui­tas cri­ses po­lí­ti­cas, com mui­tas lin­gua­gens cê­ni­cas, com mui­ta co­ra­gem de so­bre­vi­vên­cia e re­sis­tên­cia”, co­mo já de­fi­niu.

Na con­ver­sa com o Es­ta­do,a atriz de­ta­lhou o olhar que tem so­bre a si­tu­a­ção bra­si­lei­ra. “Há uma men­ta­li­da­de de censura mo­ral. Es­ta­mos nos trans­for­man­do em um país con­du­zi­do por uma vi­são re­li­gi­o­sa e quem não apoi­ar não te­rá na­da. E a cul­tu­ra tor­nou-se o pri­mei­ro item a ser re­vis­to e, se pos­sí­vel, ex­ter­mi­na­do. A arte é de­mo­nía­ca, e nós, ar­tis­tas, so­mos o ins­tru­men­to do demô­nio.”

Fer­nan­da apon­ta, en­tre as cau­sas des­sa si­tu­a­ção, a es­tru­tu­ra do sis­te­ma po­lí­ti­co bra­si­lei­ro que pre­vê re­e­lei­ção. “O pe­río­do mi­li­tar du­rou 20 anos e foi mar­ca­do por mu­dan­ças no co­man­do, mas o sis­te­ma era o mes­mo, o que se pa­re­cia com uma re­e­lei­ção”, co­men­ta. “Ago­ra, com es­sa pos­si­bi­li­da­de pre­vis­ta em lei, ca­da po­lí­ti­co que ga­nha uma elei­ção vê uma chan­ce de man­ter seu par­ti­do no po­der por 20 anos, o mes­mo pe­río­do da di­ta­du­ra mi­li­tar. Her­da­mos uma de­for­ma­ção po­lí­ti­ca.”

Mu­lher an­te­na­da com as evo­lu­ções so­ci­ais, Fer­nan­da nar­ra, no li­vro, co­mo des­co­briu o fe­mi­nis­mo, apoi­a­do prin­ci­pal­men­te na lei­tu­ra dos tex­tos da fran­ce­sa Si­mo­ne de Be­au­voir (19081986), que te­ve uma in­fluên­cia sig­ni­fi­ca­ti­va tan­to no exis­ten­ci­a­lis­mo do fe­mi­ni­no co­mo na te­o­ria des­se gê­ne­ro. A pon­to de, atu­al­men­te, de­fen­der com ve­e­mên­cia mo­vi­men­tos co­mo o #MeToo, nas­ci­do em 2017 com a mis­são de de­nun­ci­ar o as­sé­dio e as agres­sões se­xu­ais so­fri­das es­pe­ci­al­men­te por atri­zes.

“É um conceito abs­tra­to, mas com ba­se em fa­tos re­ais”, de­fen­de. “A con­clu­são é que o ma­cho é ne­ces­sá­rio, mas o ma­chão é no­jen­to e cri­mi­no­so.”

A au­to­bi­o­gra­fia é re­ple­ta tam­bém de his­tó­ri­as cu­ri­o­sas. Co­mo o mo­men­to mais mar­can­te da car­rei­ra de Fer­nan­da Mon­te­ne­gro: a con­sa­gra­ção con­quis­ta­da pe­lo fil­me Cen­tral do Bra­sil, de Wal­ter Sal­les. O lon­ga ga­nhou o prê­mio má­xi­mo do Fes­ti­val de Ber­lim de 1998, o Urso de Ou­ro. Em­pol­ga­do, o jú­ri da­que­le ano pas­sou por ci­ma do re­gu­la­men­to (que não per­mi­tia mais de uma hon­ra­ria pa­ra uma mes­ma produção) e con­ce­deu o Urso de Pra­ta de me­lhor atriz pa­ra Fer­nan­da.

No jan­tar fes­ti­vo da pre­mi­a­ção de Ber­lim, de tão emo­ci­o­na­da, ela trin­cou um mo­lar por cau­sa da ten­são tão gran­de. Foi pa­rar num pron­to-so­cor­ro den­tá­rio.

Pseudô­ni­mo Nas­ci­da Ar­let­te Pi­nhei­ro, ela ex­pli­ca o pseudô­ni­mo: “Fer­nan­da ti­nha um cli­ma de ro­man­ce do sé­cu­lo 19. E Mon­te­ne­gro era o no­me de um mé­di­co que nos aten­dia”

“De­ram-me um re­mé­dio po­de­ro­so que me per­mi­tiu es­pe­rar até chegar ao Rio”, re­lem­bra.

Cen­tral do Bra­sil tam­bém a le­vou à ce­rimô­nia do Oscar, on­de dis­pu­tou o prê­mio de me­lhor atriz. Per­deu pa­ra Gwy­neth Pal­trow e sua atu­a­ção na­da sur­pre­en­den­te em Sha­kes­pe­a­re

Apai­xo­na­do. Sua atu­a­ção, no en­tan­to, cha­mou aten­ção de Da­vid Let­ter­man, en­tão um dos mais fa­mo­sos apre­sen­ta­do­res da te­le­vi­são ame­ri­ca­na. “Mui­tas pes­so­as da­ri­am um bra­ço pa­ra se­rem en­tre­vis­tas por ele, mas eu não qu­e­ria, pois não te­ría­mos o que con­ver­sar – Da­vid nem ti­nha vis­to o fil­me”, co­men­ta Fer­nan­da, no li­vro. Mes­mo assim, seu bom hu­mor (em de­ter­mi­na­do mo­men­to, apre­sen­tou-se co­mo a Ve­lha Ga­ro­ta de Ipa­ne­ma) con­quis­tou o apre­sen­ta­dor.

O ci­ne­ma, aliás, foi um meio no qual Fer­nan­da Mon­te­ne­gro exer­ci­tou seu amor ao ofí­cio por ter tra­ba­lha­do em mui­tas pro­du­ções de bai­xís­si­mo or­ça­men­to. Co­mo em Eles Não Usam BlackTie, di­ri­gi­do por Le­on Hirsz­man em 1981. Ba­se­a­do em uma pe­ça de Gi­an­fran­ces­co Gu­ar­ni­e­ri, que di­vi­diu o pro­ta­go­nis­mo com Fer­nan­da, o lon­ga mos­tra os efei­tos do mo­vi­men­to gre­vis­ta em uma fa­mí­lia ope­rá­ria.

No pa­pel de Ro­ma­na, a atriz ofe­re­ceu uma das mais per­fei­tas per­for­man­ces do ci­ne­ma bra­si­lei­ro, com uma in­ter­pre­ta­ção con­ti­da, ba­se­a­da prin­ci­pal­men­te no tom de voz e no olhar. E a ce­na fi­nal foi um dos mo­ti­vos que con­ven­ce­ram os ju­ra­dos do Fes­ti­val de Ve­ne­za de 1981 a con­fe­rir o prê­mio má­xi­mo, o Leão de Ou­ro.

Fer­nan­da assim des­cre­ve a ro­da­gem da­que­le ta­ke: “Na úl­ti­ma ce­na do fil­me, na­que­la co­zi­nha pau­pér­ri­ma, só es­ta­vam (o

di­re­tor de fo­to­gra­fia) Lau­ro Es­co­rel, Gu­ar­ni­e­ri, eu e Le­on que, emo­ci­o­na­do, nos fa­lou que a ce­na se­ria, pa­ra ele, um mo­des­to tri­bu­to ao (ci­ne­as­ta rus­so Ser­gei) Ei­sens­tein. Di­an­te des­sa ofe­ren­da, nos bai­xou uma co­mo­ção, di­ria, re­li­gi­o­sa.”

Não hou­ve en­saio en­tre ela e Gu­ar­ni­e­ri. “Só nos olha­mos e co­me­ça­mos ga­nhan­do as pau­sas, os olha­res, os to­ques de mão, nos­sos de­dos sal­van­do os bons grãos, os não po­dres – os grãos que, um dia, vão nos ti­rar da in­jus­ti­ça so­ci­al do País”, es­cre­veu.

O ofí­cio sem­pre es­te­ve em pri­mei­ro lu­gar, pos­tu­ra que lhe di­tou os ca­mi­nhos da arte, es­pe­ci­al­men­te quan­do par­ti­ci­pou da fun­da­ção da Com­pa­nhia dos Se­te, ao la­do de Sér­gio Brit­to, Íta­lo Ros­si, Gi­an­ni Rat­to, Lu­ci­a­na Pe­truc­cel­li, Al­fre­do Sou­to de Al­mei­da e Fer­nan­do Tor­res, seu com­pa­nhei­ro, com quem vi­veu por 60 anos até sua mor­te, em 2008

O li­vro traz a men­sa­gem de uma mis­são bem exe­cu­ta­da, ain­da que in­com­ple­ta. Na úl­ti­ma fra­se, Fer­nan­da re­ve­la sua sen­sa­ção de de­ver cum­pri­do: “Tu­do vai se har­mo­ni­zan­do pa­ra a des­pe­di­da ine­vi­tá­vel. Inar­re­dá­vel. O que la­men­to é a vi­da du­rar ape­nas o tem­po de um sus­pi­ro. Mas acor­do e can­to”.

Le­ga­do. Con­tar a his­tó­ria de sua fa­mí­lia aos ne­tos mo­ti­vou Fer­nan­da WILTON JU­NI­OR / ES­TA­DÃO

WILTON JU­NI­OR/ES­TA­DÃO

A atriz. ‘Há uma men­ta­li­da­de de censura mo­ral’, diz, so­bre a si­tu­a­ção do País

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.