Mo­ra­do­res de Hi­gi­e­nó­po­lis re­la­tam cri­mes

Ví­de­os mos­tram fur­tos e as­sal­tos na re­gião; pre­si­den­te de con­se­lho pe­de re­gis­tro dos ca­sos

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Mar­co Antô­nio Car­va­lho

Após di­vul­ga­ção pe­las re­des so­ci­ais de fur­tos e rou­bos em Hi­gi­e­nó­po­lis, cres­ce­ram os re­la­tos e a in­se­gu­ran­ça. A Po­lí­cia Mi­li­tar re­for­çou o pa­tru­lha­men­to e o Con­seg lo­cal co­brou re­gis­tro dos ca­sos pa­ra di­re­ci­o­nar a vi­gi­lân­cia.

Os mo­ra­do­res do bair­ro de Hi­gi­e­nó­po­lis, na re­gião cen­tral de São Pau­lo, têm re­la­ta­do cres­cen­te sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça di­an­te da re­cor­rên­cia de fur­tos e rou­bos con­tra pe­des­tres e até ten­ta­ti­vas de in­va­são a con­do­mí­ni­os. Os ca­sos le­va­ram a Po­lí­cia Mi­li­tar a re­for­çar o po­li­ci­a­men­to na área. A cor­po­ra­ção dis­se ana­li­sar per­ma­nen­te­men­te os índices cri­mi­nais pa­ra re­o­ri­en­tar o pa­tru­lha­men­to e tra­çar no­vas ações de com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de no lo­cal.

Os cri­mes ga­nha­ram re­per­cus­são após ví­de­os de câ­me­ras de se­gu­ran­ça te­rem si­do di­vul­ga­dos em re­des so­ci­ais. Al­guns de­les mos­tram ações rápidas de cri­mi­no­sos em bi­ci­cle­tas que fur­tam ce­lu­la­res de pes­so­as que es­ta­vam usan­do o apa­re­lho na rua. Em outras ima­gens, du­plas abor­dam as ví­ti­mas nas cal­ça­das e fo­gem ra­pi­da­men­te le­van­do per­ten­ces. Um ter­cei­ro ti­po de gra­va­ção mos­tra pes­so­as es­tra­nhas aos con­do­mí­ni­os ten­tan­do en­trar no lo­cal.

Há dez anos tra­ba­lhan­do em uma ban­ca na Ave­ni­da An­gé­li­ca, Edu­ar­do Lu­na, de 41 anos, está acos­tu­ma­do a ver a atu­a­ção da cha­ma­da “gan­gue da bi­ci­cle­ta”. Sua ban­ca pas­sou a ser al­vo dos cri­mi­no­sos, que fi­cam ob­ser­van­do quem ali re­car­re­ga o ce­lu­lar. “Mui­tos não con­se­guem chegar com o apa­re­lho até a es­qui­na.”

Lu­na atri­buiu os ca­sos re­cor­ren­tes ao flu­xo in­ten­so de pes­so­as na ave­ni­da. “Che­go às 6h e saio às 21h. A to­do mo­men­to há cri­mes por aqui”, dis­se ele, acres­cen­tan­do que pon­tos de ôni­bus são lo­cais pre­fe­ri­dos dos gru­pos cri­mi­no­sos.

Pes­so­as que es­pe­ram pe­di­dos de apli­ca­ti­vos de trans­por­te com o apa­re­lho na mão tam­bém se trans­for­mam em al­vo, re­la­tou o ta­xis­ta Pe­dro Hen­ri­que da Cos­ta, de 26 anos, que tra­ba­lha em um pon­to da mes­ma ave­ni­da. Ele dis­se ter no­ta­do uma in­ten­si­fi­ca­ção dos ca­sos nas úl­ti­mas três se­ma­nas.

Co­le­ga de Cos­ta, o ta­xis­ta Fer­nan­do Al­ves da Sil­va, de 64, vol­tou no mês pas­sa­do a cir­cu­lar com seu veí­cu­lo após mais de dois me­ses pa­ra­do. O mo­ti­vo foi o re­pa­ro ne­ces­sá­rio no car­ro de­pois que dis­pa­ros fu­ra­ram di­ver­sos pon­tos da la­ta­ria. O car­ro foi le­va­do de um es­ta­ci­o­na­men­to da re­gião por cri­mi­no­sos, mas a po­lí­cia che­gou a tem­po de pren­dê-los.

Na pla­ca, uma mar­ca de ba­la não dei­xa Sil­va es­que­cer o ca­so. “Não es­ta­va lá no mo­men­to, mas es­cu­tei os ti­ros e pen­sei que es­ta­vam as­sal­tan­do o ban­co. Mas não ou­sei pôr a ca­be­ça pa­ra a fo­ra da ja­ne­la.”

Mo­ra­dor da re­gião, o ad­vo­ga­do Ro­dri­go Kar­pat dis­se ter al­te­ra­do a ro­ti­na após os re­la­tos de cri­mes. “Já não saio mais com o ca­chor­ro à noi­te na rua. O bair­ro era uma área re­si­den­ci­al on­de a qual­quer ho­rá­rio ha­via pes­so­as cir­cu­lan­do. Ho­je, de­pois das 21h, as pes­so­as es­tão en­clau­su­ra­das e os ban­di­dos, na rua.”

Kar­pat co­bra par­ti­ci­pa­ção da co­mu­ni­da­de por meio do pro­gra­ma Vi­zi­nhan­ça So­li­dá­ria, ini­ci­a­ti­va do go­ver­no que apro­xi­ma a po­pu­la­ção e per­mi­te me­lhor con­ta­to com as po­lí­ci­as. A par­ti­ci­pa­ção dos mo­ra­do­res tam­bém é co­bra­da pela pro­fes­so­ra e tra­du­to­ra Mar­ta Li­lia Por­ta. “O bair­ro de Hi­gi­e­nó­po­lis tem uma ca­rac­te­rís­ti­ca mui­to par­ti­cu­lar: é mui­to pou­co co­la­bo­ra­dor com ações co­mu­ni­tá­ri­as vol­ta­das pa­ra a se­gu­ran­ça. São pes­so­as que gos­tam mui­to de re­cla­mar, mas que não são ca­pa­zes de re­gis­trar um bo­le­tim de ocor­rên­cia pa­ra que a po­lí­cia pos­sa ter o re­gis­tro e ava­li­ar se pre­ci­sa de mais ou menos vi­a­tu­ras no lo­cal”, diz Mar­ta, pre­si­den­te há cin­co anos do Con­se­lho Co­mu­ni­tá­rio de Se­gu­ran­ça (Con­seg) de Con­so­la­ção, Hi­gi­e­nó­po­lis e Pa­ca­em­bu.

Nú­me­ros. Os da­dos do 4.º DP (Con­so­la­ção), que abran­ge Hi­gi­e­nó­po­lis e áre­as vi­zi­nhas, mos­tram que, de janeiro a ju­lho, fo­ram re­gis­tra­dos 1.559 ca­sos de rou­bo e 4.132 fur­tos. No mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, fo­ram 1.617 e 4.572, res­pec­ti­va­men­te.

Em no­ta, a Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca dis­se que a PM re­for­çou o po­li­ci­a­men­to na re­gião. In­for­mou tam­bém que um ho­mem acu­sa­do de rou­bo foi pre­so no úl­ti­mo sá­ba­do, de­pois do tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção do 77.º DP (San­ta Ce­cí­lia). “Des­de o iní­cio da no­va ges­tão, o tra­ba­lho das po­lí­ci­as na ca­pi­tal tem si­do apri­mo­ra­do com a re­a­li­za­ção de me­ga­o­pe­ra­ções, co­mo a São Pau­lo Mais Seguro. As ações na área do 77.º DP re­sul­ta­ram na pri­são e apre­en­são de 194 cri­mi­no­sos e re­cu­pe­ra­ção de 51 veí­cu­los.”

NIL­TON FUKUDA/ES­TA­DÃO

Me­do. Kar­pat co­bra par­ti­ci­pa­ção da co­mu­ni­da­de. ‘As pes­so­as es­tão en­clau­su­ra­das’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.