Fer­nan­do Ga­bei­ra

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - •✽ FER­NAN­DO GA­BEI­RA

Olhos e ou­vi­dos na ONU es­ta­rão es­pe­ran­do um lan­ce pa­ra re­co­nhe­ce­rem o Bol­so­na­ro que têm na ca­be­ça.

Os dis­cur­sos de pre­si­den­tes bra­si­lei­ros são ou­vi­dos com fri­e­za na ONU. É a aber­tu­ra da ses­são, qua­se uma for­ma­li­da­de. O de Bol­so­na­ro ten­de a ser uma ex­ce­ção. Não por su­as qua­li­da­des ora­tó­ri­as, mas pe­las cir­cuns­tân­ci­as que o cer­cam.

Leio que o tom do dis­cur­so se­rá con­ci­li­a­tó­rio, com ên­fa­se na de­fe­sa da so­be­ra­nia. Um tom con­ci­li­a­dor é sem­pre bem re­ce­bi­do. O pró­prio conceito de so­be­ra­nia na­ci­o­nal, em­bo­ra de­fi­ni­do há sé­cu­los por Je­an Bo­din, foi ra­ti­fi­ca­do no pós-gu­er­ra pela ONU ao re­co­nhe­cer o di­rei­to de au­to­de­ter­mi­na­ção dos po­vos.

Em ter­mos di­plo­má­ti­cos, Bol­so­na­ro tem di­to bar­ba­ri­da­des, se con­si­de­ra­mos que fa­la pe­lo País. Zom­bou da mu­lher de Ma­cron, iro­ni­zou a Alemanha, cri­ti­cou a No­ru­e­ga e de­fen­deu a di­ta­du­ra de Au­gus­to Pi­no­chet. Pe­sa con­tra ele, tam­bém, sua des­con­fi­an­ça da ONU e de ins­tru­men­tos in­ter­na­ci­o­nais, in­cluí­dos os que tra­ba­lham com as mu­dan­ças cli­má­ti­cas.

Em­bo­ra ou­tros bi­o­mas, co­mo o Cer­ra­do e o Pantanal, es­te­jam igual­men­te em cha­mas, a ques­tão da Amazô­nia é a mais im­por­tan­te. O exer­cí­cio da so­be­ra­nia na­ci­o­nal so­bre um go­ver­no que ad­mi­nis­tra uma ex­ten­sa área in­dis­pen­sá­vel ao pla­ne­ta co­lo­ca inúmeras ques­tões.

Co­mo se vê a so­be­ra­nia no Bra­sil? É um de­ba­te que exis­te tam­bém nos EUA. Ne­le, am­bas as par­tes de­fen­dem a so­be­ra­nia. Mas uma de­las a vê for­ta­le­ci­da com a co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal e a ou­tra, com o iso­la­ci­o­nis­mo. Co­mo Bol­so­na­ro na­ve­ga­rá en­tre es­ses po­los não sei exa­ta­men­te.

O conceito pu­ro de so­be­ra­nia vem sen­do qu­es­ti­o­na­do. Lem­bro-me da pri­mei­ra men­ção a es­se ques­ti­o­na­men­to nu­ma con­fe­rên­cia na Ho­lan­da. Já na­que­le mo­men­to Mit­ter­rand ex­pe­ri­men­ta­va a ex­pres­são so­be­ra­nia li­mi­ta­da, apli­cá­vel em pe­lo menos dois se­to­res: a des­trui­ção do meio am­bi­en­te e o des­res­pei­to ma­ci­ço dos di­rei­tos hu­ma­nos.

Ago­ra, no ce­ná­rio nor­te-ame­ri­ca­no, ve­jo uma no­va for­ma de ques­ti­o­nar a so­be­ra­nia. En­quan­to al­guns se­na­do­res fa­la­vam em boi­co­te co­mer­ci­al, al­guns ar­ti­cu­lis­tas e aca­dê­mi­cos afir­ma­ram que a des­trui­ção da Amazô­nia é um ata­que à se­gu­ran­ça na­ci­o­nal dos EUA. Um de­les afir­mou que as quei­ma­das po­dem ser vis­tas co­mo ar­ma de des­trui­ção em mas­sa.

Tu­do is­so se dá no cam­po de­mo­crá­ti­co. Mas é o que vai dis­pu­tar as elei­ções com Trump e, se­gun­do as pes­qui­sas, com chan­ces de vi­tó­ria, em­bo­ra se­ja mui­to ce­do pa­ra fa­lar dis­so.

Aos poucos, a ques­tão não é mais o conceito de so­be­ra­nia a ser qu­es­ti­o­na­do, mas pos­to con­tra ou­tro de gran­de al­can­ce nos EUA: a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal.

A ex­pres­são ar­ma de des­trui­ção em mas­sa cer­ta­men­te é um cál­cu­lo so­bre os pre­juí­zos hu­ma­nos e am­bi­en­tais. Po­de-se dis­cor­dar da aná­li­se. Mas o fa­to é que se tra­ta de uma ex­pres­são pe­ri­go­sa, o Ira­que que o di­ga. Com ou sem ar­mas de des­trui­ção em mas­sa, Sad­dam Hus­sein foi pa­ra o es­pa­ço.

Bol­so­na­ro já é uma es­pé­cie de vi­lão na im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal. Tra­ba­lhou pa­ra is­so e pa­re­ce não se im­por­tar mui­to com as con­sequên­ci­as pa­ra a ima­gem do Bra­sil. Afi­nal, os es­tran­gei­ros não vo­tam.

A jul­gar pe­las in­ter­ven­ções do mi­nis­tro Er­nes­to Araú­jo, o tom se­rá de ne­ga­ção das mu­dan­ças cli­má­ti­cas, ine­xis­ten­tes ou exa­ge­ra­das. Se­gun­do ele, a Na­sa não con­se­gue dis­tin­guir uma qu­ei­ma­da de uma fo­guei­ra. Seus sen­so­res de­vem pi­rar no Nordeste com as fes­tas ju­ni­nas.

Li que Araú­jo se­rá o prin­ci­pal for­mu­la­dor do dis­cur­so. Li, tam­bém, que Araú­jo con­sul­tou Ste­ve Ban­non pa­ra se ins­pi­rar. Ban­non cer­ta­men­te vai que­rer for­ta­le­cer uma co­a­li­zão de ex­tre­ma di­rei­ta da Hun­gria ao Bra­sil, pas­san­do por par­ti­dos co­mo o de Marine Le Pen, na França, e pela ex­tre­ma di­rei­ta la­ti­no-ame­ri­ca­na. Se is­so trans­pa­re­cer no dis­cur­so de Bol­so­na­ro, se­rá um con­tra­ban­do, uma vez que o par­ti­do de Bol­so­na­ro po­de ser de ex­tre­ma di­rei­ta, mas a po­lí­ti­ca na­ci­o­nal, não. É a mes­ma can­ti­le­na do pas­sa­do, a di­fi­cul­da­de no go­ver­no do PT de le­var uma po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal di­fe­ren­te da vi­são par­ti­dá­ria.

Es­ta pas­sa­gem por No­va York, em­bo­ra bre­ve, é um tes­te pa­ra Bol­so­na­ro, com re­per­cus­sões em nos­sa vi­da po­lí­ti­ca. Ele já pen­sou em vi­si­tar a ci­da­de em outras cir­cuns­tân­ci­as. Nu­ma de­las, iria ao Mu­seu de His­tó­ria Na­tu­ral, on­de se­ria ho­me­na­ge­a­do. Foi re­jei­ta­do.

Ima­gi­no que as pes­so­as em No­va York não se im­por­tem mui­to com o que acon­te­ce na ONU nem se in­te­res­sam pe­los dis­cur­sos que se fa­zem ali. Mas des­ta vez, creio, a pre­sen­ça de Bol­so­na­ro fa­lan­do co­mo pre­si­den­te do Bra­sil in­te­res­sa aos jor­nais e à te­le­vi­são. Im­pos­sí­vel pre­ver um des­fe­cho, mas den­tro dos li­mi­tes é pos­sí­vel elaborar so­bre o con­tex­to em que es­ta fa­la de Bol­so­na­ro se co­lo­ca.

Lem­bro-me das crí­ti­cas a Sar­ney por ci­tar um obs­cu­ro po­e­ta ma­ra­nhen­se no seu dis­cur­so na ONU. Pe­ca­do ve­ni­al, mes­mo por­que não es­ta­vam pres­tan­do tan­ta aten­ção assim a um dis­cur­so pro­to­co­lar. Os tem­pos de ter­ra­pla­nis­mo, ne­ga­ção do aque­ci­men­to glo­bal, da di­ver­si­da­de da cul­tu­ras – en­fim, tan­tas ar­ma­di­lhas – po­dem nos fa­zer sen­tir sau­da­des dos tem­pos em que o úni­co re­pa­ro era o no­me de um po­e­ta ma­ra­nhen­se.

Um ca­mi­nho que me pa­re­ce cor­re­to se­ria re­co­nhe­cer a le­gi­ti­mi­da­de da pre­o­cu­pa­ção in­ter­na­ci­o­nal com a Amazô­nia, e não des­car­tá-la ape­nas de­nun­ci­an­do in­te­res­ses es­cu­sos. Ou­tro pas­so se­ria con­tar com a co­o­pe­ra­ção de ou­tros paí­ses pa­ra pre­ser­vá-la de for­ma sus­ten­tá­vel e in­clu­si­va.

Não há con­tra­di­ção en­tre co­o­pe­ra­ção mul­ti­la­te­ral e so­be­ra­nia, des­de que os ob­je­ti­vos se­jam idênticos: man­ter a flo­res­ta em pé, re­com­por par­te de­la, ex­plo­rar seus re­cur­sos de for­ma sus­ten­tá­vel, me­lho­rar as con­di­ções de 28 mi­lhões de pes­so­as em no­ve Es­ta­dos do País.

Es­ta me pa­re­ce ser a po­si­ção de to­dos os go­ver­na­do­res da Amazô­nia Le­gal. Fa­lan­do em no­me do Bra­sil, Bol­so­na­ro não po­de ig­no­rá-la. E te­ria de de­fen­dê-la de for­ma bas­tan­te con­vin­cen­te, pois to­dos os olhos e ou­vi­dos são co­nhe­ce­do­res de sua bi­o­gra­fia po­lí­ti­ca.

Es­ta­rão es­pe­ran­do um lan­ce pa­ra re­co­nhe­ce­rem o Bol­so­na­ro que têm na ca­be­ça. Se­ria pre­ci­so que de­sa­pa­re­ces­se por trás de um dis­cur­so sen­sa­to. Mas te­nho mi­nhas dú­vi­das.

Dis­cur­sos de pre­si­den­tes bra­si­lei­ros são ou­vi­dos com fri­e­za na ONU. Bol­so­na­ro se­rá ex­ce­ção

✽ JOR­NA­LIS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.