Ris­co bai­xo de vol­tar à re­ces­são

O Estado de S. Paulo - - Economia -

Com as res­sal­vas de­vi­das, en­tre as qu­ais os da­dos do Mo­ni­tor do PIB da FGV, que mos­trou de­clí­nio de 0,2% en­tre junho e ju­lho, há no­vos in­dí­ci­os de que a eco­no­mia bra­si­lei­ra está su­pe­ran­do seu pi­or mo­men­to. É o que re­ve­la o In­di­ca­dor An­te­ce­den­te Com­pos­to da Eco­no­mia Bra­si­lei­ra (Ia­ce) re­la­ti­vo a agos­to. Ela­bo­ra­do sob a res­pon­sa­bi­li­da­de do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Eco­no­mia da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (IbreFGV) e do gru­po de pes­qui­sa nor­te­a­me­ri­ca­no The Con­fe­ren­ce Bo­ard (TCB), o Ia­ce re­gis­trou en­tre ju­lho e agos­to uma li­gei­ra ele­va­ção de 0,1%, pa­ra 117,3 pon­tos.

O Ia­ce tem oi­to com­po­nen­tes, ex­traí­dos de fon­tes con­fiá­veis, dos qu­ais cin­co re­gis­tra­ram com­por­ta­men­to fa­vo­rá­vel em agos­to. Es­ses com­po­nen­tes são a ta­xa re­fe­ren­ci­al de swaps do DI pre­fi­xa­do, o ín­di­ce de ações Ibo­ves­pa, os índices de ex­pec­ta­ti­vas da in­dús­tria, dos ser­vi­ços e do con­su­mi­dor, a produção fí­si­ca de bens de con­su­mo, o ín­di­ce de ter­mos de tro­ca com o ex­te­ri­or e a quan­ti­da­de de ex­por­ta­ções.

O in­te­res­se pe­lo Ia­ce vem do fa­to de que ele te­ria per­mi­ti­do an­te­ci­par as qua­tro re­ces­sões iden­ti­fi­ca­das pe­lo Co­mi­tê de Da­ta­ção de Ci­clos Econô­mi­cos do Ibre (Co­da­ce) ocor­ri­das des­de 1996. O tes­te his­tó­ri­co con­fir­ma, por­tan­to, a ca­pa­ci­da­de do Ia­ce de an­te­ci­par o fu­tu­ro, o que lhe con­fe­re pa­pel re­le­van­te na to­ma­da de de­ci­são das em­pre­sas.

O que mais de­ve des­per­tar aten­ção é a ob­ser­va­ção do pro­fes­sor da FGV Pau­lo Pic­chet­ti, um co­nhe­ci­do es­pe­ci­a­lis­ta em ten­dên­ci­as, de que os re­sul­ta­dos do Ia­ce “in­di­cam uma pro­ba­bi­li­da­de mui­to bai­xa de re­ver­são da fa­se as­cen­den­te do ci­clo econô­mi­co nos pró­xi­mos me­ses”.

Si­mul­ta­ne­a­men­te ao Ia­ce, foi di­vul­ga­do o In­di­ca­dor Coin­ci­den­te Com­pos­to da Eco­no­mia Bra­si­lei­ra (Ic­ce), que men­su­ra as con­di­ções econô­mi­cas atu­ais. O Ic­ce tem os­ci­la­do pou­co, si­tu­an­do­se en­tre 102,6 e 102,7 pon­tos, des­de agos­to de 2018, pas­sa­dos os efei­tos da gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros, que im­pac­tou to­da a ati­vi­da­de econô­mi­ca.

Co­mo no­tou Pic­chet­ti, “o re­sul­ta­do do Ic­ce em agos­to con­ti­nua apon­tan­do pa­ra a bai­xa in­ten­si­da­de deste pe­río­do de ex­pan­são”.

A mar­ca da si­tu­a­ção atu­al é o so­be e des­ce dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res da ati­vi­da­de in­ter­na e glo­bal, pon­do os ana­lis­tas em es­ta­do de vi­gí­lia pa­ra ava­li­ar os rumos da eco­no­mia. Daí a im­por­tân­cia de o Ia­ce an­te­ci­par di­as menos tor­men­to­sos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.