IPO da Iguá Sa­ne­a­men­to po­de fi­car pa­ra o fim do ano

O Estado de S. Paulo - - Economia - PAU­LO WHITAKER/REU­TERS

AI­guá Sa­ne­a­men­to ca­mi­nha pa­ra ser a pri­mei­ra em­pre­sa pri­va­da do se­tor de sa­ne­a­men­to a ser lis­ta­da na B3. O pi­o­nei­ris­mo, con­tu­do, está cus­tan­do à com­pa­nhia tem­po mai­or do que o es­pe­ra­do pa­ra su­pe­rar re­sis­tên­ci­as. Em fa­se de in­ves­tor edu­ca­ti­on, quan­do ocor­rem as pri­mei­ras reu­niões no mer­ca­do pa­ra fa­lar so­bre a com­pa­nhia, os in­ves­ti­do­res te­ri­am atri­buí­do va­lor à com­pa­nhia de ma­nei­ra se­me­lhan­te ao das em­pre­sas já lis­ta­das e que são pú­bli­cas: Sa­besp, Sa­ne­par e Co­pa­sa. Pri­va­da, a Iguá acre­di­ta que me­re­ce um prê­mio no pre­ço em re­la­ção a es­ses con­cor­ren­tes por ser mais efi­ci­en­te. Ne­nhu­ma de­ci­são foi to­ma­da até o mo­men­to, mas está na me­sa a pos­si­bi­li­da­de de a ofer­ta fi­car pa­ra a próxima ja­ne­la, que se ini­cia no fim do ano. A per­cep­ção da com­pa­nhia é de que de­ve­ria ser com­pa­ra­da com pa­res pri­va­dos dos se­to­res de ro­do­vi­as ou elé­tri­co, da­da a se­me­lhan­ça dos con­tra­tos de con­ces­sões.

» Ti­ra, põe.

A Iguá ten­ta chegar ao mer­ca­do com um va­lor de R$ 4 bi­lhões. Al­guns in­ves­ti­do­res, con­tu­do, que­rem que es­se pre­ço caia pela me­ta­de. A atu­a­li­za­ção do pros­pec­to já ar­qui­va­do na Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CVM) pre­ci­sa ser fei­ta até o fim da pri­mei­ra se­ma­na de ou­tu­bro pa­ra que a ofer­ta se de­sen­ro­le até o fim do pró­xi­mo mês e com os da­dos re­fe­ren­tes ao se­gun­do tri­mes­tre do ano. Pro­cu­ra­da, a Iguá não co­men­tou por estar em pe­río­do de si­lên­cio.

» Ins­ta­gra­má­vel.

O es­for­ço de distribuiç­ão de de­bên­tu­res da Pe­tro­brás re­pe­te a ex­pe­ri­ên­cia da ofer­ta sub­se­quen­te de ações (follow on) e já está nas re­des so­ci­ais de olho no in­te­res­se cres­cen­te das pes­so­as fí­si­cas. A ini­ci­a­ti­va ten­ta atrair bra­si­lei­ros que bus­cam me­lhor ren­ta­bi­li­da­de em tem­pos de ju­ro bra­si­lei­ro no pi­so his­tó­ri­co. O pros­pec­to da ofer­ta está até no sto­ri­es do Ins­ta­gram, uma fun­ção da re­de so­ci­al que per­mi­te a pu­bli­ca­ção de fotos e ví­de­os. A pu­bli­ci­da­de é en­ca­be­ça­da pela XP In­ves­ti­men­tos, que está no sin­di­ca­to de ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras que es­tru­tu­ram es­sa emis­são. É a mes­ma re­cei­ta que deu cer­to no follow on. Na ofer­ta de ações da Pe­tro­brás, que ocor­reu em junho, hou­ve a subscrição por 13.251 pes­so­as fí­si­cas, cor­res­pon­den­do a 28,5% do vo­lu­me.

» Youtubers.

A es­tra­té­gia de apro­xi­mar a ofer­ta das pes­so­as fí­si­cas ren­deu, no en­tan­to, uma dor de ca­be­ça lo­go após o lan­ça­men­to da ofer­ta, no fim do mês pas­sa­do. Por con­ta de uma entrevista da di­re­to­ra de re­la­ções com in­ves­ti­do­res da pe­tro­lei­ra, An­drea Al­mei­da, con­ce­di­da à XP e vei­cu­la­da no Youtu­be, a CVM che­gou a sus­pen­der a ofer­ta por 30 di­as. Pe­las re­gras do re­gu­la­dor, as pes­so­as en­vol­vi­das em uma ofer­ta pú­bli­ca são proi­bi­das de se ma­ni­fes­tar na mí­dia so­bre a ope­ra­ção até a di­vul­ga­ção do anún­cio de en­cer­ra­men­to de distribuiç­ão.

» Dos ma­les...

A sus­pen­são da ofer­ta pela CVM, por ou­tro la­do, aca­bou be­ne­fi­ci­an­do a Pe­tro­brás, que, por con­sequên­cia, te­ve de adi­ar a da­ta do pro­ces­so de pre­ci­fi­ca­ção (bo­ok­buil­ding) pa­ra o pró­xi­mo dia 25. An­te­ri­or­men­te, a da­ta mar­ca­da era 10 de se­tem­bro, ou se­ja, an­tes da reu­nião de po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria bra­si­lei­ra e dos Es­ta­dos Uni­dos. Ago­ra, a Pe­tro­brás evi­ta a vo­la­ti­li­da­de co­mum aos di­as que an­te­ce­dem de­ci­sões de po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria, mas cor­re o ris­co de ter de pa­gar um pou­co mais de prê­mio ao in­ves­ti­dor pa­ra com­pen­sar a que­da da Se­lic pa­ra 5,5% e, so­bre­tu­do, apos­tas de que po­de chegar ao ano abai­xo de 5%.

» Ou­tro po­der das re­des.

A lâ­mi­na de um fun­do do San­tan­der co­me­çou a ro­dar em gru­pos de WhatsApp e outras re­des so­ci­ais lo­go após a de­ci­são do Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom), na quar­ta-fei­ra, de re­du­zir a ta­xa bá­si­ca de ju­ros (Se­lic) pa­ra a mí­ni­ma his­tó­ri­ca de 5,5%. Con­for­me es­se do­cu­men­to, o San­tan­der FIC FI In­te­li­gen­te Ren­da Fi­xa Cur­to Pra­zo ti­nha uma ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção de 5,5% ao ano, ou se­ja, exa­ta­men­te o mes­mo re­tor­no ofe­re­ci­do pela ta­xa Se­lic.

» Ve­ja bem.

O San­tan­der, por sua vez, jus­ti­fi­cou que es­se fun­do tem o pro­pó­si­to de re­mu­ne­rar os re­cur­sos de con­ta cor­ren­te no cur­tís­si­mo pra­zo, com ser­vi­ço de res­ga­te au­to­má­ti­co e que ele está fo­ra da ofer­ta ati­va e não é mais co­mer­ci­a­li­za­do. De­pois da re­per­cus­são, con­tu­do, o ban­co re­du­ziu a ta­xa. “Di­an­te do atu­al ce­ná­rio e pa­ra aten­der aos atu­ais co­tis­tas, a ins­ti­tui­ção re­du­ziu a ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção de to­dos os fun­dos da mo­da­li­da­de au­to­má­ti­ca pa­ra 2,7% ao ano”, des­ta­cou a ins­ti­tui­ção financeira, em no­ta.

» Be­le­zu­ra.

Mes­mo com a eco­no­mia an­dan­do a pas­sos len­tos, o se­tor de cos­mé­ti­cos e be­le­za está ace­le­ran­do no País. No acu­mu­la­do do ano até o dia 13 deste mês, fo­ram aber­tas mais de 182 mil em­pre­sas do se­tor, de acor­do com a Ne­oway, em­pre­sa de Big Da­ta Analy­tics. O de­sem­pe­nho foi su­pe­ri­or ao de ou­tros se­to­res da eco­no­mia, mos­tra o le­van­ta­men­to. A in­dús­tria de ves­tuá­rio abriu mais de 123 mil es­ta­be­le­ci­men­tos no mes­mo pe­río­do e o se­tor de ali­men­ta­ção e res­tau­ran­tes re­gis­trou 116 mil no­vas em­pre­sas.

GA­BRI­E­LA BILO / ES­TA­DAO-6/2/2018

KACPER PEMPE/REU­TERS-27/9/2013

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.