Na fá­bu­la de ‘Meu Mun­di­al’, jo­gar não bas­ta pa­ra ven­cer

Lon­ga uru­guaio pre­mi­a­do em Gra­ma­do ba­seia-se em li­vro de Da­ni­el Bal­di, que jo­gou com Di­e­go Lu­ga­no

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Luiz Car­los Mer­ten

Foi um re­en­con­tro de ami­gos. Da­ni­el Bal­di, au­tor do li­vro que ins­pi­rou Meu Mun­di­al – Pa­ra Ven­cer Não Bas­ta Jo­gar, re­ce­beu o ami­go Di­e­go Lu­ga­no e am­bos fi­ze­ram a apre­sen­ta­ção do lon­ga do uru­guaio Car­los An­drés Mo­rel­li, na pré-es­treia re­a­li­za­da na se­ma­na pas­sa­da. Meu Mun­di­al es­tre­ou nos ci­ne­mas nes­ta quin­ta, 19. E ain­da ha­via um ter­cei­ro con­vi­da­do no Ar­te­plex Frei Ca­ne­ca, o ator Nés­tor Guz­zi­ni, que ven­ceu o prê­mio de in­ter­pre­ta­ção – o Ki­ki­to – na com­pe­ti­ção la­ti­na do Fes­ti­val de Gra­ma­do do ano pas­sa­do. Meu Mun­di­al é um pe­que­no gran­de fil­me uru­guaio. Uma his­tó­ria hu­ma­na, nar­ra­da com sim­pli­ci­da­de – e mui­to bem in­ter­pre­ta­da.

Ti­to, um ga­ro­to de fa­mí­lia mo­des­ta, cha­ma a aten­ção de um olhei­ro que o le­va pa­ra ten­tar fa­zer car­rei­ra num gran­de ti­me em Mon­te­vi­déu. O jo­vem des­lan­cha, mas a fa­mí­lia, que o acom­pa­nha, de­ses­tru­tu­ra-se. O so­nho de mui­tos ga­ro­tos po­bres ao re­dor do mun­do é ga­nhar di­nhei­ro com o fu­te­bol, mas pa­ra ven­cer não bas­ta jo­gar. A mo­ral da his­tó­ria – am­bos fi­lhos de pro­fes­so­res, Da­ni­el e Di­e­go, o fu­tu­ro za­guei­ro, ho­je di­re­tor de re­la­ções ins­ti­tu­ci­o­nais do São Pau­lo, já eram pro­fis­si­o­nais e con­ti­nu­a­vam es­tu­dan­do. Ti­nham a ca­be­ça no lu­gar. Hu­ma­nas, além do pre­pa­ro fí­si­co. Um dia, se o fu­te­bol ter­mi­na, é pre­ci­so estar pre­pa­ra­do, ter uma al­ter­na­ti­va.

Meu Mun­di­al é so­bre is­so. Ti­to é bom de bo­la, mas não de ma­te­má­ti­ca. Tam­bém tro­pe­ça na re­da­ção. O pai in­sis­te pa­ra que ele es­tu­de, mas a pro­mes­sa de uma no­va vi­da na ca­pi­tal – ca­sa, di­nhei­ro no bol­so, mo­to – me­xe com a ca­be­ça do ga­ro­to, na ver­da­de, me­xe com a fa­mí­lia to­da. Pai e fi­lho bri­gam, ofen­dem-se. Ci­ne­ma e fu­te­bol. Exis­tem bo­as fic­ções so­bre o te­ma – À Pro­cu­ra de Eric, de Ken Lo­a­ch; Bo­lei­ros, de Ugo Ge­or­get­ti –, mas os do­cu­men­tá­ri­os são me­lho­res ain­da. Gar­rin­cha, Ale­gria do Po­vo, de Jo­a­quim Pe­dro de An­dra­de, fez his­tó­ria nos idos do Ci­ne­ma No­vo. Nos 2000, sur­gi­ram o ex­pe­ri­men­tal e en­saís­ti­co Zi­da­ne – A 21st Cen­tury Por­trait, de Dou­glas Gor­don e Phi­lip­pe Per­ra­no, e Ma­ra­do­na por Kus­tru­ri­ca, que ir­ri­ta tor­ce­do­res bra­si­lei­ros por­que Emir ou­sa de­fen­der que Di­e­go, o bai­xi­nho ar­gen­ti­no, se­ja o mai­or jo­ga­dor do mun­do. Os ad­mi­ra­do­res de Pe­lé re­vol­tam-se, mas o per­so­na­gem, Ma­ra­do­na, é com­ple­xo e fas­ci­nan­te (um ho­mem po­lí­ti­co!) e o fil­me, um des­lum­bran­te es­pe­tá­cu­lo de ci­ne­ma (e fu­te­bol).

Tal­vez o pro­ble­ma se­ja co­mo fil­mar o fu­te­bol. Co­mo se en­ce­na uma jo­ga­da de cra­que, um go­la­ço? Nem os pró­pri­os jo­ga­do­res con­se­guem re­pe­tir seus me­lho­res lan­ces, que di­rá ato­res, daí, mui­to pro­va­vel­men­te, o pre­do­mí­nio do documentár­io. Mas Meu Mun­di­al é bom, é emo­ci­o­nan­te, é sin­ce­ro. Nés­tor Guz­zi­ni en­ten­de o dra­ma des­se pai di­la­ce­ra­do. “Ele pas­sa a an­dar a re­bo­que do fi­lho, de­sis­tin­do de si mes­mo e o ga­ro­to lhe jo­ga na ca­ra.” A al­ma do fil­me é Fa­cun­do Cam­pe­lo, co­mo Ti­to. “Se An­drés (o di­re­tor) não ti­ves­se en­con­tra­do um ga­ro­to co­mo Fa­cun­do com sua sim­pa­tia, ino­cên­cia e a fo­me de bo­la, não ha­ve­ria fil­me”, ava­lia o ator.

BRETZ FIL­MES

Ti­to. Ga­ro­to ta­len­to­so nu­ma fa­mí­lia de­ses­tru­tu­ra­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.