Sem car­ro por op­ção

Na Se­ma­na da Mobilidade, mo­ra­do­res de SP ex­põem ra­zões pa­ra abrir mão do au­to­mó­vel

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Léo Mar­tins Sandy Oliveira ES­PE­CI­AIS PA­RA O ES­TA­DO

Mo­ra­do­res da ca­pi­tal pau­lis­ta re­la­tam co­mo é pos­sí­vel se des­lo­car sem au­to­mó­vel, às vés­pe­ras do Dia Mun­di­al sem Car­ro.

Por que vo­cê an­da de car­ro? O que vo­cê me­lho­ra­ria no trans­por­te pú­bli­co e na es­tru­tu­ra pa­ra bi­ci­cle­tas em São Pau­lo? Es­sas são re­fle­xões pro­pos­tas pe­la Se­ma­na da Mobilidade, que co­me­çou na quar­ta. A mo­bi­li­za­ção da Pre­fei­tu­ra é vol­ta­da pa­ra a con­vi­vên­cia sau­dá­vel en­tre os ti­pos de trans­por­te. Ama­nhã, ocor­re ain­da, em vá­ri­as ci­da­des do mun­do, o Dia Mun­di­al Sem Car­ro, um es­tí­mu­lo pa­ra re­fle­tir so­bre a ne­ces­si­da­de do au­to­mó­vel.

Mo­ra­do­res de São Pau­lo, Ro­nal­do, Gabriela, Va­nes­sa e Ali­ne ti­ve­ram de re­pen­sar o uso do car­ro – e che­ga­ram a uma de­ci­são: abrir mão do au­to­mó­vel. As al­ter­na­ti­vas en­con­tra­das fo­ram ir de me­trô, bi­ci­cle­ta e até de pa­ti­ne­te. O re­sul­ta­do foi uma me­lho­ra na ro­ti­na, ain­da que não sem so­bres­sal­tos: a ho­ra do pi­co no me­trô é um incô­mo­do e a ci­da­de ain­da de­ve mais ci­clo­vi­as e se­gu­ran­ça aos ci­clis­tas.

A cor­re­to­ra de se­gu­ros Va­nes­sa Bres­sa­ne, de 39 anos, mora no Ta­tu­a­pé, na zo­na les­te de São Pau­lo, e pe­da­la até o Bro­o­klin, na zo­na sul, on­de tra­ba­lha. Ao to­do, per­cor­re 40 quilô­me­tros di­a­ri­a­men­te. Faz seis anos que ela trocou o car­ro pe­la bi­ci­cle­ta. “Ten­tei e vi que deu cer­to. Fo­ram pas­san­do os di­as, co­me­cei a usar ca­da vez mais bi­ci­cle­ta e ca­da vez me­nos car­ro. En­tão, re­sol­vi ven­der o car­ro e guar­dar um di­nhei­ro.”

A de­ci­são te­ve um em­pur­rão­zi­nho da ne­ces­si­da­de de es­tar em dia com a saúde. “Se vo­cê co­lo­car na pon­ta do lá­pis, não é van­ta­jo­so ter um car­ro ho­je em dia. Eu le­va­va (até o tra­ba­lho) 1h40 de car­ro, ago­ra eu le­vo 1h10 de bi­ci­cle­ta.” Contra o incô­mo­do de che­gar su­a­da ao tra­ba­lho, ado­tou uma es­tra­té­gia: pa­ga uma aca­de­mia, per­to do tra­ba­lho, só pa­ra to­mar ba­nho.

A ges­to­ra de pro­je­tos Ali­ne Ca­val­can­te, de 33 anos, tam­bém op­tou pe­la bi­ci­cle­ta. Há dez anos lar­gou o car­ro e trans­for­mou as pe­da­la­das em há­bi­to. O fa­to de mo­rar re­la­ti­va­men­te per­to do tra­ba­lho aju­dou. Ago­ra, ela pe­de mais vi­as pa­ra bi­ci­cle­tas e se­gu­ran­ça. “Já dei­xei vá­ri­as ve­zes de fa­zer al­guns caminhos por medo de ser as­sal­ta­da, por medo de vi­o­lên­cia.” Além da bi­ke, Ali­ne usa o trans­por­te pú­bli­co co­mo se­gun­da op­ção.

Quem tam­bém se ren­deu a ou­tras op­ções foi Gabriela Vu­o­lo, de 37 anos. Pa­ra ela, con­tou o es­tres­se no trân­si­to. “Gas­ta­va 40 mi­nu­tos pa­ra le­var meu fi­lho à es­co­la, que fi­ca a cin­co quilô­me­tros de ca­sa, no Al­to de Pi­nhei­ros (na zo­na oes­te). Pas­sa­va mais tem­po com ele no car­ro do que em ca­sa brin­can­do. Is­so que me deu o pri­mei­ro es­ta­lo”, con­ta ela, ba­cha­rel em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais. Ga­so­li­na, se­gu­ro, es­ta­ci­o­na­men­to, ma­nu­ten­ção – além do es­tres­se diário – en­tra­ram na con­ta pa­ra aban­do­nar o au­to­mó­vel. O custo men­sal do car­ro che­ga­va a R$ 1,3 mil.

“Mu­dei meu fi­lho pa­ra uma es­co­la em que eu le­vas­se ele a pé ou de pa­ti­ne­te, a um quilô­me­tro de ca­sa. Ele co­me­çou a ir pa­ra es­co­la de pa­ti­ne­te na ho­ra do al­mo­ço e, de­pois, eu o pe­ga­va de bi­ci­cle­ta e vol­tá­va­mos jun­tos”, afir­ma. “Cla­ro que mo­ra­mos em Al­to de Pi­nhei­ros, bair­ro com cal­ça­da boa. Es­ta­mos fa­lan­do de uma bo­lha. Is­so não é viá­vel pa­ra a mai­or par­te das pes­so­as de São Pau­lo.”

Lem­bran­ça. O car­ro? Gabriela con­se­guiu ven­dê-lo. E, no dia de en­tre­gar o au­to­mó­vel, dei­xou a cha­ve e uma lem­bran­ça inu­si­ta­da. “Dei­xei uma car­ta no por­ta-lu­vas pa­ra que ele (o com­pra­dor) se cons­ci­en­ti­zas­se. Ex­pli­quei o porquê da mi­nha op­ção e dis­se que ca­da pes­soa nu­ma bi­ci­cle­ta era um car­ro a me­nos no trân­si­to”, con­ta.

Mo­ra­dor do Man­da­qui, na zo­na nor­te, o ana­lis­ta de sis­te­mas Ro­nal­do Ri­bei­ro, de 51 anos, clas­si­fi­ca co­mo “tor­tu­ra” o mês em que te­ve de se des­lo­car de car­ro de ca­sa até o tra­ba­lho na Ave­ni­da Pau­lis­ta. “Mui­to trân­si­to, mui­to trân­si­to”, re­su­me. Op­tou pe­lo ôni­bus e o Me­trô, com a van­ta­gem da agi­li­da­de e al­guns pre­juí­zos.

“Tem dia que dei­xo pas­sar um ou dois trens pa­ra não fi­car igual a uma lata de sar­di­nha. A pri­o­ri, não aca­bei ga­nhan­do, por­que per­di o con­for­to. Mas já es­tou há um ano de con­du­ção. Não me ve­jo vin­do de car­ro mais.”

NA WEB En­que­te. Vo­cê po­de­ria vi­ver sem car­ro?

es­ta­dao.com.br/e/di­a­sem­car­ro

“Ti­ve de re­for­mu­lar o jei­to de pen­sar as com­pras. Não po­dia fa­zer mui­tas com­pras de uma vez por­que não ti­nha co­mo le­var pa­ra ca­sa.” Gabriela Vu­o­lo

TROCOU O CAR­RO PE­LA BI­CI­CLE­TA

ALEX SIL­VA/ES­TA­DAO

Ro­ti­na. Va­nes­sa Bres­sa­ne per­cor­re to­dos os di­as 40 km de bi­ci­cle­ta da zo­na les­te à sul e to­ma ba­nho em aca­de­mia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.