Adri­a­na Fer­nan­des

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - E-MAIL: ADRI­A­NA.FER­NAN­[email protected]­TA­DAO.COM ADRI­A­NA FER­NAN­DES ES­CRE­VE AOS SÁBADOS

Pau­lo Gu­e­des es­tá sob ata­que. A no­vi­da­de é que a pres­são par­te do Pla­nal­to, em re­pe­ti­ção do ve­lho “fogo ami­go”.

Pau­lo Gu­e­des es­tá sob ata­que na Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os e fo­ra de­la. A no­vi­da­de é que a pres­são tem si­do ali­men­ta­da pe­lo Pla­nal­to. É o ve­lho e co­nhe­ci­do “fogo ami­go”, que já al­ve­jou mi­nis­tros po­de­ro­sos da área econô­mi­ca de go­ver­nos pas­sa­dos.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, a pa­la­vra que mais se ou­ve em Bra­sí­lia é “en­tre­ga”. Gu­e­des tem si­do cri­ti­ca­do pe­la de­mo­ra em “en­tre­gar” a re­to­ma­da da economia e a re­du­ção do de­sem­pre­go. Sem fa­lar da re­for­ma tri­bu­tá­ria, que não sai e con­ti­nua in­de­fi­ni­da após a no­va CPMF mor­rer por or­dem do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

A aus­te­ri­da­de fis­cal de­fi­ni­ti­va­men­te não é boa com­pa­nhia pa­ra ne­nhum pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Prin­ci­pal­men­te se o pre­si­den­te, an­tes mes­mo de ter­mi­nar seu pri­mei­ro ano de go­ver­no, já se mo­vi­men­ta afron­to­sa­men­te pa­ra ga­ran­tir a re­e­lei­ção.

A fal­ta de di­nhei­ro é pon­to de par­ti­da pa­ra as in­ves­ti­das contra o mi­nis­tro. Mas os ata­ques, que nas­cem co­mo reação à po­lí­ti­ca de aper­to fis­cal, têm nu­an­ces bem mais pro­fun­das.

A di­vi­são no go­ver­no so­bre mu­dar ou manter a re­gra do te­to de gas­tos expôs cla­ra­men­te as con­tra­di­ções in­ter­nas en­tre a agenda do ul­tra­li­be­ral mi­nis­tro da Economia e a de as­ses­so­res e mi­nis­tros mais pró­xi­mos do pre­si­den­te, que aju­dam a tur­bi­nar as in­tri­gas. Eles já vi­ram que, com o te­to, o go­ver­no não des­lan­cha na ve­lo­ci­da­de que que­rem.

O con­fron­to sub­ter­râ­neo en­tre os dois gru­pos vai des­de em­ba­tes na área de pri­va­ti­za­ção de es­ta­tais (vi­de o des­gas­te com a Ele­tro­brás) à de­mo­ra no per­dão da dívida do mun­do do agro­ne­gó­cio com a con­tri­bui­ção ao Fun­ru­ral (pro­mes­sa de Bol­so­na­ro), e pas­sa tam­bém pe­los ru­mos do Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da, pe­la po­lí­ti­ca da Cai­xa pa­ra em­prés­ti­mos a pre­fei­tu­ras e Es­ta­dos ali­a­dos e pe­lo en­fren­ta­men­to com o Ju­di­ciá­rio. Só pa­ra co­me­çar a lis­ta. O que os em­ba­tes têm em co­mum é que eles se con­cen­tram na ar­ti­cu­la­ção er­rá­ti­ca do go­ver­no com o Con­gres­so.

O ne­gó­cio da tal ar­ti­cu­la­ção tem si­do no va­re­jo to­tal. A ca­da apro­va­ção de me­di­das, o go­ver­no é obri­ga­do a re­a­brir a ne­go­ci­a­ção e o cofre. Is­so es­tá cus­tan­do mui­to di­nhei­ro, e o con­fron­to com a área econô­mi­ca cres­ce.

De­pois do te­to, o mais re­cen­te ruí­do ocor­reu com a pro­pos­ta de de­sin­de­xar o sa­lá­rio mí­ni­mo e as des­pe­sas vin­cu­la­das ao pi­so na­ci­o­nal. Na prá­ti­ca, o go­ver­no fi­ca­ria de­so­bri­ga­do a dar re­a­jus­tes ao mí­ni­mo, mes­mo que só pa­ra re­por a in­fla­ção. Es­se é um te­ma pa­ra lá de po­lê­mi­co e que o ti­me de Gu­e­des pre­ten­dia en­fren­tar, mas foi abor­ta­do a man­do de Bol­so­na­ro.

Ca­be­ças qua­se ro­la­ram no Mi­nis­té­rio da Economia por con­ta dos ruí­dos da se­ma­na pas­sa­da em tor­no do as­sun­to. Uma saí­da que, se con­cre­ti­za­da, se­ria evi­den­te­men­te con­ta­bi­li­za­da co­mo mais um si­nal de per­da de au­to­no­mia do mi­nis­tro, de­pois da que­da do se­cre­tá­rio es­pe­ci­al da Re­cei­ta Mar­cos Cin­tra. A saí­da do au­xi­li­ar do mi­nis­tro che­gou a ser in­ter­pre­ta­da co­mo en­fra­que­ci­men­to de sua li­de­ran­ça.

Oriun­do do bai­xo cle­ro na Câ­ma­ra, Bol­so­na­ro tem ob­ses­são em mos­trar que é ele quem man­da. Já ba­teu de fren­te com os mi­li­ta­res e com o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Sér­gio Mo­ro. A de­mo­ra da “en­tre­ga” ser­ve bem a es­se pro­pó­si­to. Co­mo mos­trou o Es­ta­do em reportagem re­cen­te, o pre­si­den­te tem sim co­bra­do agi­li­da­de, mes­mo que em pú­bli­co re­for­ce o dis­cur­so de que es­tá 100% ali­nha­do com Gu­e­des e que a culpa é da im­pren­sa, que se­meia dis­cór­dia.

Se­gun­do au­xi­li­a­res de Bol­so­na­ro, o pre­si­den­te se diz “ago­ni­a­do” por es­tar “amar­ra­do à po­lí­ti­ca econô­mi­ca”. E teme ver o “risco de o go­ver­no mor­rer por ina­ni­ção”.

A equipe econô­mi­ca, ao seu mo­do, tem se de­fen­di­do da pres­são com o ar­gu­men­to de que en­tre­gou mui­ta coi­sa nes­ses no­ve me­ses de go­ver­no. A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia apro­va­da na Câ­ma­ra mes­mo em meio à de­sar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca, as mu­dan­ças no mer­ca­do de gás, as ne­go­ci­a­ções in­ter­na­ci­o­nais pa­ra aber­tu­ra de mer­ca­dos, a que­da dos ju­ros, a li­be­ra­ção do FGTS, a re­du­ção do risco Bra­sil...

Um dos pro­ble­mas de Gu­e­des é que ele cri­ou a ex­pec­ta­ti­va de que ha­ve­ria trans­for­ma­ções mui­to rá­pi­das. Além dis­so, co­lo­cou mui­tas pro­pos­tas na me­sa ao mes­mo tem­po sem es­ta­rem com­ple­ta­men­te fe­cha­das. Es­tá pa­gan­do o pre­ço por is­so. So­ma-se a is­so a de­sor­ga­ni­za­ção ele­va­da nos pro­ces­sos de co­man­do na equipe econô­mi­ca de­pois da cri­a­ção do su­per­mi­nis­té­rio da Economia. Mui­ta ar­ru­ma­ção a ser fei­ta.

Pa­ra sair da li­nha de ti­ro do fogo ami­go, o mi­nis­tro pre­ci­sa ur­gen­te­men­te fre­quen­tar mais o Pla­nal­to e fa­lar mais pa­ra den­tro do go­ver­no. Não po­de sair de per­to da ór­bi­ta e dos ou­vi­dos do pre­si­den­te. Con­se­lho que já lhe foi da­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.