Pla­nal­to já ava­lia subs­ti­tu­to pa­ra Be­zer­ra

Líder do go­ver­no pôs car­go à dis­po­si­ção após ser al­vo de ação da PF; Bol­so­na­ro de­ve se ma­ni­fes­tar só após vol­tar dos EUA, diz por­ta-voz

O Estado de S. Paulo - - Política - Da­ni­el We­ter­man Ra­fa­el Mo­ra­es Mou­ra / BRA­SÍ­LIA / COLABORARA­M BRENO PIRES e JU­LIA LIND­NER

O Pa­lá­cio do Pla­nal­to já ava­lia dois no­mes pa­ra subs­ti­tuir Fernando Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-PE) da li­de­ran­ça do go­ver­no no Se­na­do, ape­sar do apoio de par­la­men­ta­res à sua per­ma­nên­cia no pos­to. Be­zer­ra co­lo­cou o car­go à dis­po­si­ção anteontem, após ter se tor­na­do al­vo de uma ope­ra­ção de bus­ca e apre­en­são da Po­lí­cia Fe­de­ral, que vas­cu­lhou dois ga­bi­ne­tes do eme­de­bis­ta em uma investigaç­ão so­bre sus­pei­tas de que ele e seu fi­lho, o de­pu­ta­do Fernando Co­e­lho Fi­lho (DEMPE), re­ce­be­ram R$ 5,5 milhões em pro­pi­nas.

Os dois no­mes co­gi­ta­dos pa­ra ocu­par o car­go de Be­zer­ra de­vem ser dis­cu­ti­dos por ali­a­dos com o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro quando ele re­tor­nar dos Es­ta­dos Uni­dos, on­de par­ti­ci­pa da As­sem­bleia-Ge­ral da ONU na pró­xi­ma se­ma­na. “Es­sa ques­tão ele (Bol­so­na­ro) vai abor­dar, se as­sim de­se­jar, no re­tor­no des­sa vi­a­gem”, afir­mou on­tem o por­ta-voz da Pre­si­dên­cia, Otá­vio do Rê­go Barros, quando ques­ti­o­na­do so­bre a per­ma­nên­cia de Be­zer­ra na Li­de­ran­ça do Go­ver­no. “O pre­si­den­te ho­je tem fo­co. O fo­co é No­va York. No­va York é im­por­tan­te pa­ra o nos­so país”, com­ple­tou.

En­quan­to agen­tes da Po­lí­cia Fe­de­ral ain­da fa­zi­am bus­cas nas de­pen­dên­ci­as do Se­na­do, anteontem, Be­zer­ra Co­e­lho re­ce­bia apoio do pre­si­den­te da Ca­sa, Da­vi Al­co­lum­bre (DEMAP), e dos se­na­do­res Edu­ar­do Bra­ga (MDB-AM), Jo­sé Ser­ra (PSDB-SP) e Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-CE) em reu­nião na re­si­dên­cia ofi­ci­al do Se­na­do.

“Se­ria mui­to in­jus­to nes­te mo­men­to o pre­si­den­te (Bol­so­na­ro) aban­do­nar o Fernando, por­que na ho­ra que eles mais pre­ci­sa­ram o Fernando foi mui­to le­al a eles”, dis­se Bra­ga, que é líder do MDB no Se­na­do e che­gou a ter o nome ci­ta­do por co­le­gas co­mo pos­sí­vel subs­ti­tu­to de Be­zer­ra. O líder da bancada, po­rém, re­cha­çou es­sa hi­pó­te­se.

Se­na­do­res clas­si­fi­ca­ram Be­zer­ra co­mo um líder que per­mi­tiu ao Pla­nal­to ter uma ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca no Se­na­do, ape­sar do perfil de Bol­so­na­ro de não se apro­xi­mar dos con­gres­sis­tas, e des­ta­ca­ram que o eme­de­bis­ta tem bom trân­si­to en­tre os par­la­men­ta­res, in­clu­si­ve os de opo­si­ção. “O se­na­dor tran­si­ta bem na Ca­sa, mas ca­be a ele, pri­mei­ro em fo­ro ín­ti­mo, e ao pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­sa es­co­lha”, dis­se o vi­ce-líder do Se­na­do, Chi­co Ro­dri­gues (DEM-RR), au­xi­li­ar de Be­zer­ra na li­de­ran­ça. “Ele tem si­do um bom líder, tem con­du­zin­do bem a ar­ti­cu­la­ção e di­a­lo­ga­do com to­das as cor­ren­tes”, afir­mou o líder do PSD na Ca­sa, Ot­to Alen­car (BA), crí­ti­co do go­ver­no.

Após a de­ci­são do mi­nis­tro Luís Roberto Bar­ro­so, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, que au­to­ri­zou a ope­ra­ção da PF, Al­co­lum­bre anun­ci­ou que a Ca­sa vai ques­ti­o­nar a me­di­da na Cor­te. Na se­gun­da-fei­ra, o pre­si­den­te do Se­na­do e ali­a­dos de­vem se reu­nir com ad­vo­ga­dos da Ca­sa pa­ra tra­çar a es­tra­té­gia ju­rí­di­ca. “Já ima­gi­nou se vi­ra usu­al um de­le­ga­do pe­dir di­re­ta­men­te a um mi­nis­tro do Su­pre­mo bus­ca e apre­en­são no Se­na­do?”, afir­mou Bra­ga.

In­te­gran­tes do Su­pre­mo con­si­de­ra­ram que a de­ci­são de Bar­ro­so ten­si­o­nou a re­la­ção en­tre o Ju­di­ciá­rio e o Le­gis­la­ti­vo, mas ava­li­am que, por ora, não há risco con­cre­to de o Se­na­do re­ta­li­ar o tri­bu­nal com a aber­tu­ra da CPI da La­va To­ga. O en­ten­di­men­to é o de que o epi­só­dio não aba­lou a re­la­ção en­tre o pre­si­den­te do STF, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, com as cú­pu­las do Se­na­do e da Câ­ma­ra, o que re­duz as chan­ces de aber­tu­ra de uma investigaç­ão so­bre os ma­gis­tra­dos. Após a ope­ra­ção contra Be­zer­ra, Al­co­lum­bre man­te­ve o tom crí­ti­co em re­la­ção à CPI.

Se­gun­do o Es­ta­do apu­rou, Bar­ro­so não in­for­mou pre­vi­a­men­te a Tof­fo­li o aval da­do pa­ra que po­li­ci­ais fe­de­rais en­tras­sem no Se­na­do – o pre­si­den­te do Su­pre­mo pas­sou a se­ma­na na Colôm­bia, em um en­con­tro anu­al de Cor­tes da Amé­ri­ca La­ti­na. ‘Au­to­no­mia’. Em res­pos­ta às crí­ti­cas à ope­ra­ção no Se­na­do, o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Sér­gio Mo­ro, de­fen­deu on­tem as atri­bui­ções e a au­to­no­mia da PF. “A Po­lí­cia Fe­de­ral é uma ins­ti­tui­ção com au­to­no­mia e su­as ações são con­tro­la­das pe­la Jus­ti­ça, não ten­do o mi­nis­tro da Jus­ti­ça qual­quer en­vol­vi­men­to em in­ves­ti­ga­ções es­pe­cí­fi­cas”, afir­mou Mo­ro ao Es­ta­do.

Anteontem, a de­fe­sa de Be­zer­ra dis­se que a ope­ra­ção da PF foi uma “re­ta­li­a­ção” pe­la atu­a­ção do se­na­dor contra “abu­sos” de ór­gãos de investigaç­ão. “É uma re­ta­li­a­ção no con­tex­to po­lí­ti­co de tu­do que es­tá acon­te­cen­do”, afir­mou o ad­vo­ga­do do par­la­men­tar, An­dré Cal­le­ga­ri.

“Se­ria mui­to in­jus­to o pre­si­den­te aban­do­nar Fernando, por­que na ho­ra que eles mais pre­ci­sa­ram o Fernando foi mui­to le­al.” Edu­ar­do Bra­ga

LÍDER DO MDB NO SE­NA­DO

“Es­sa ques­tão ele (Bol­so­na­ro) vai abor­dar, se as­sim de­se­jar, no re­tor­no des­ta vi­a­gem.” Otá­vio do Rê­go Barros

POR­TA-VOZ DA PRE­SI­DÊN­CIA

DIDA SAMPAIO/ESTADAOÃO - 12/8/2019

Líder. Ga­bi­ne­tes de Be­zer­ra Co­e­lho fo­ram vas­cu­lha­dos pe­la PF, anteontem, em investigaç­ão so­bre pa­ga­men­to de pro­pi­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.