NA INVASÃO À ÁREA 51, FALTOU TERRÁQUEO

Even­to mar­ca­do pe­lo Fa­ce­bo­ok, que pre­via 2 milhões de pes­so­as, reu­niu ape­nas 75

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal -

Ao me­nos 2 milhões de pes­so­as ga­ran­ti­ram – por meio do Fa­ce­bo­ok – que es­ta­ri­am on­tem no meio do de­ser­to de Ne­va­da pa­ra pro­cu­rar ali­e­ní­ge­nas na Área 51 – a fa­mo­sa ba­se da For­ça Área ame­ri­ca­na cu­ja exis­tên­cia foi ofi­ci­al­men­te re­co­nhe­ci­da pe­lo go­ver­no re­cen­te­men­te. Ape­nas 75 apa­re­ce­ram. Uma foi pre­sa.

O con­vi­te pa­ra in­va­dir o lo­cal cri­ou pre­o­cu­pa­ções pa­ra o go­ver­no ame­ri­ca­no, que che­gou a te­mer a pre­sen­ça em mas­sa de civis nu­ma ba­se mi­li­tar e aca­bou cri­an­do uma sé­rie de fes­ti­vais com a te­má­ti­ca vol­ta­da pa­ra os en­tu­si­as­tas da ufo­lo­gia.

A ba­se fi­ca no meio do ca­mi­nho en­tre du­as pe­que­nas ci­da­des a 2 ho­ras de Las Ve­gas: Ra­chel e Hi­ko. Nos úl­ti­mos di­as, 1,5 mil pes­so­as com­pa­re­ce­ram aos fes­ti­vais de ufo­lo­gia na área, se­gun­do a de­le­ga­cia do con­da­do de Lin­coln, o que foi bom pa­ra o tu­ris­mo lo­cal. As sel­fi­es na por­ta da ba­se, de­pois de um rá­pi­do bate e vol­ta no de­ser­to, tam­bém atraí­ram um bom pú­bli­co. “A es­tra­da é pú­bli­ca. Eles po­dem ir até o por­tão, só não po­dem en­trar”, dis­se o xe­ri­fe Ker­ry Lee.

A con­vo­ca­ção fei­ta pe­lo Fa­ce­bo­ok co­me­çou com um tom de ga­lho­fa. “Eles não po­dem im­pe­dir to­dos nós de en­trar na ba­se”, di­zia o post do even­to. Mas a brin­ca­dei­ra fi­cou sé­ria quando a For­ça Aé­rea dis­se que for­ça le­tal se­ria usa­da contra quem ten­tas­se in­va­dir o lo­cal.

O alerta aca­bou afas­tan­do a mai­or par­te dos ter­rá­que­os e a invasão não acon­te­ceu. A úni­ca pri­são re­gis­tra­da ocor­reu por­que um dos “in­va­so­res” uri­nou em pú­bli­co.

Os vi­si­tan­tes que che­ga­ram na quin­ta-fei­ra mon­ta­ram um pe­que­no acam­pa­men­to di­an­te do úni­co pon­to co­mer­ci­al de Ra­chel – o mo­tel e res­tau­ran­te de te­má­ti­ca ali­e­ní­ge­na Lit­tle A’Le’Inn –, ins­ta­lan­do-se em carros, bar­ra­cas e trai­lers.

Al­guns tu­ris­tas pen­du­ra­ram ex­tra­ter­res­tres in­flá­veis em seus veí­cu­los. Du­ran­te a noi­te, os fãs da ufo­lo­gia en­fren­ta­ram um frio de 7 ºC no meio do de­ser­to pa­ra as­sis­tir ao show da banda Wily Sa­va­ge, que mon­tou um pe­que­no pal­co em Ra­chel.

Um ca­sal, Ni­cho­las Bohen e Cay­la McVey, am­bos com ta­tu­a­gens de óv­nis, vi­a­ja­ram de Ful­ler­ton, um su­búr­bio de Los An­ge­les, até Ra­chel com co­mi­da su­fi­ci­en­te pa­ra pas­sa­rem uma se­ma­na acam­pa­dos no car­ro. “Is­so se trans­for­mou em uma reu­nião pa­cí­fi­ca, um com­par­ti­lha­men­to de his­tó­ri­as de vi­da”, dis­se Cay­la à Reuters. “Acho que vo­cês ve­rão um gru­po de pes­so­as que são pre­pa­ra­das, res­pei­to­sas e que sa­bem no que es­tão se me­ten­do.”

Mis­té­rio. A ins­ta­la­ção mi­li­tar pas­sou dé­ca­das en­vol­ta em mis­té­rio, pro­vo­can­do te­o­ri­as cons­pi­ra­tó­ri­as se­gun­do as quais abri­gou os res­tos de um dis­co vo­a­dor e dos cor­pos de sua tri­pu­la­ção ali­e­ní­ge­na após a que­da de um ob­je­to vo­a­dor não iden­ti­fi­ca­do em Roswell, no No­vo Mé­xi­co, em 1947.

O go­ver­no dos Es­ta­dos Uni­dos não con­fir­mou que a ba­se exis­tia até 2013, quando liberou ar­qui­vos da CIA em que se diz que o lo­cal foi usa­do pa­ra tes­tar aviões de es­pi­o­na­gem ul­tras­se­cre­tos.

BRIDGET BENNETT / AFP)

Invasão. Al­guns pou­cos fãs se jun­ta­ram na por­ta da ba­se mi­li­tar em bus­ca de ali­ens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.