Na ci­da­de mais ri­ca da Ve­ne­zu­e­la, co­lap­so so­ci­al che­ga ao ce­mi­té­rio

Fa­mí­li­as de Ma­ra­cai­bo não con­se­guem pa­gar pe­lo fu­ne­ral de pa­ren­tes e cor­pos apo­dre­cem em lo­cais sem re­fri­ge­ra­ção

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - MA­RA­CAI­BO, VE­NE­ZU­E­LA

O hos­pi­tal fi­cou sem anal­gé­si­cos e an­ti­bió­ti­cos, dei­xan­do Nei­ro Var­gas ge­men­do de ago­nia. O se­gu­ran­ça de 43 anos foi le­va­do pa­ra lá com um ti­ro no pes­co­ço. No sé­ti­mo dia, seu co­ra­ção ce­deu. Mas em Ma­ra­cai­bo, as in­dig­ni­da­des da vi­da não ter­mi­nam mais com a mor­te. A se­gun­da mai­or ci­da­de da Ve­ne­zu­e­la – e seu mo­tor in­dus­tri­al – ago­ra é o epi­cen­tro do co­lap­so so­ci­al do cha­vis­mo. O co­lap­so da ci­vi­li­za­ção aqui tal­vez se­ja mais evi­den­te na mor­te.

Na mes­ma tar­de da mor­te de Var­gas, o Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio de Ma­ra­cai­bo, so­fren­do as mes­mas que­das de ener­gia que as­so­lam o res­to da ci­da­de, es­ta­va um su­fo­co com o ca­lor. A fa­mí­lia do mor­to não pô­de pa­gar ime­di­a­ta­men­te por um fu­ne­ral. En­tão, os mé­di­cos en­vi­a­ram seu cor­po pa­ra o “po­rão” – um ne­cro­té­rio sem ar-con­di­ci­o­na­do.

Mes­mo quando a ener­gia pis­ca, ne­nhum dos oi­to fre­e­zers do ne­cro­té­rio fun­ci­o­na. Em uma ma­nhã re­cen­te, os in­se­tos en­xa­me­a­vam os se­te cor­pos em de­com­po­si­ção dei­xa­dos nas la­jes e no chão. Um be­bê mor­to so­fria a de­te­ri­o­ra­ção den­tro de uma cai­xa de pa­pe­lão.

En­quan­to as tem­pe­ra­tu­ras su­bi­am aci­ma de 32°C, o cadáver de Var­gas pas­sou três di­as no ne­cro­té­rio, en­quan­to sua es­po­sa, Ros­san­gelys, pe­dia di­nhei­ro em­pres­ta­do pa­ra co­brir um cai­xão im­pro­vi­sa­do e trans­por­tá­lo pa­ra sua ca­sa. Na sa­la de es­tar da fa­mí­lia, em uma par­te sem lei da ci­da­de re­ple­ta de ca­sas aban­do­na­das, a fa­mí­lia re­a­li­zou um som­brio ve­ló­rio.

O cai­xão es­trei­to e pre­to es­ta­va so­bre dois su­por­tes de me­tal. Os en­lu­ta­dos des­vi­a­vam os olhos do ros­to in­fes­ta­do de in­se­tos do fa­le­ci­do. Ros­san­gelys ten­tou, mas não con­se­guiu, con­tro­lar o chei­ro ca­la­fe­tan­do la­cu­nas na ma­dei­ra do cai­xão.

Eles não po­di­am ar­car com ne­nhum pla­no de en­ter­ro. En­tão, de­sen­ter­ra­ram os os­sos do ir­mão mor­to de Var­gas em um ce­mi­té­rio lo­cal, re­ple­to de cai­xões que­bra­dos pro­fa­na­dos por as­sal­tan­tes de tú­mu­los. Ros­san­gelys cho­rou pe­lo lo­cal de des­can­so do ma­ri­do. O cai­xão do ir­mão de seu ma­ri­do, retirado de lá, es­ta­va aos pe­da­ços nas pro­xi­mi­da­des.

“Es­tou ape­nas sen­tin­do mui­ta rai­va”, dis­se ela. “Mui­ta rai­va pe­lo que te­mos de pas­sar ago­ra nes­ta ci­da­de, nes­te país. Se um mem­bro da fa­mí­lia morre, não po­de­mos nem en­ter­rá-lo com dig­ni­da­de. Co­mo is­so po­de ser a nos­sa re­a­li­da­de?”

O go­ver­no dos EUA, nes­te mês, am­pli­ou o em­bar­go, blo­que­an­do to­das as pro­pri­e­da­des e ati­vos do cha­vis­mo e de seus fun­ci­o­ná­ri­os, proi­bin­do quais­quer tran­sa­ções com fun­ci­o­ná­ri­os ve­ne­zu­e­la­nos, com o Ban­co Cen­tral ou com a es­ta­tal de pe­tró­leo, a PDVSA. Com me­nos re­cur­sos e acu­sa­ções de cor­rup­ção de­sen­fre­a­da, não há si­nais de que a situação se­rá­nor­ma­li­za­da nos pró­xi­mos me­ses.

MI­CHA­EL RO­BIN­SON CHAVEZ / WASHING­TON POST

Cri­se. Rou­bo de cai­xões tor­nou-se co­mum em Ma­ra­cai­bo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.