Com ta­xa de ju­ros em bai­xa, au­men­ta a pro­cu­ra por ren­da va­riá­vel

O Estado de S. Paulo - - Economia - Re­na­to Car­va­lho

O mo­vi­men­to de mi­gra­ção de in­ves­ti­do­res, es­pe­ci­al­men­te pes­so­as fí­si­cas, de pro­du­tos fi­nan­cei­ros de ren­da fi­xa pa­ra ou­tros de mai­or risco, mas tam­bém com mai­or po­ten­ci­al de re­tor­no, de­ve se ace­le­rar após a de­ci­são des­ta se­ma­na do Ban­co Cen­tral de bai­xar os ju­ros pa­ra 5,50% ao ano. Agen­tes do mer­ca­do res­sal­tam que es­sa mu­dan­ça já es­tá em cur­so, mas qu­an­to me­nor a Se­lic, mai­or a pro­cu­ra por apli­ca­ções de ren­da va­riá­vel.

Pe­dro Gal­di, ana­lis­ta da Mi­rae As­set, apon­ta que des­de que a Se­lic foi re­du­zi­da pa­ra 6,50% ao ano, e com a pers­pec­ti­va de no­vos cor­tes, co­me­çou a mi­gra­ção de ren­da fi­xa pa­ra va­riá­vel. Mas, pa­ra ele, es­se mo­vi­men­to ain­da é mo­des­to. “Te­nho con­ver­sa­do com vá­ri­os in­ves­ti­do­res que me so­li­ci­tam re­vi­são de seus in­ves­ti­men­tos, e fi­ca cla­ro a von­ta­de des­sa mi­gra­ção. O de­ta­lhe é o perfil de ca­da um, pois nem to­dos se en­cai­xam em in­ves­ti­men­to de risco. Mas a ten­dên­cia, com o no­vo cor­te na ta­xa Se­lic, é que ocor­ra uma ace­le­ra­ção nes­se mo­vi­men­to”, afir­ma Gal­di.

Ri­car­do Pe­ret­ti, es­tra­te­gis­ta de pes­soa fí­si­ca do San­tan­der, afir­ma que es­sa mi­gra­ção já é uma re­a­li­da­de. Ele lem­bra os da­dos da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra das En­ti­da­des dos Mer­ca­dos Fi­nan­cei­ro e de Ca­pi­tais (An­bi­ma) so­bre a par­ti­ci­pa­ção dos fun­dos de ações no mer­ca­do to­tal, que pas­sou de 4,2% em ju­lho de 2017 pa­ra 7,6% no mes­mo mês des­te ano, en­quan­to os de ren­da fi­xa pas­sa­ram de 48,4% pa­ra 42,5% na mes­ma com­pa­ra­ção.

Ou­tro da­do res­sal­ta­do por Pe­ret­ti é o vo­lu­me mé­dio de ações ne­go­ci­a­do por pes­so­as fí­si­cas na B3, que cres­ceu 49% en­tre ja­nei­ro e agos­to des­te ano, na com­pa­ra­ção com o mes­mo pe­río­do de 2018. “Quando ob­ser­va­mos o to­tal de CPFs re­gis­tra­dos na Bol­sa pa­ra com­pra de ações, o nú­me­ro sal­tou de 751 milhões em agos­to de 2018 pa­ra 1,35 bi­lhão em agos­to des­te ano, se­gun­do a B3. Com a Se­lic atin­gin­do a mí­ni­ma his­tó­ri­ca nes­ta se­ma­na, acre­di­ta­mos que a pro­cu­ra dos in­di­ví­du­os por di­ver­si­fi­ca­ção e pro­du­tos de ren­da va­riá­vel se­gui­rá em al­ta”, com­ple­ta.

O só­cio-di­re­tor do ban­co Mo­dal­mais, Ro­nal­do Gui­ma­rães, dis­se que além dos pro­du­tos de ren­da va­riá­vel, há um au­men­to tam­bém na de­man­da por al­ter­na­ti­vas de ren­da fi­xa pou­co tra­di­ci­o­nais, co­mo tí­tu­los pú­bli­cos e CDBs. Pa­ra ele, es­sa mu­dan­ça de perfil ain­da é tí­mi­da, mas es­tá em cres­ci­men­to. “A pro­cu­ra por no­vos pro­du­tos, co­mo fun­dos de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­ri­os, de mul­ti­mer­ca­dos e de ações, es­tá en­tre as op­ções pri­o­ri­tá­ri­as de alo­ca­ção. Es­ta­mos bas­tan­te oti­mis­tas com es­se pro­ces­so, a con­ti­nui­da­de da que­da da ta­xa de ju­ro, gran­de no­tí­cia, vai fo­men­tar ain­da mais es­sa mi­gra­ção.”

An­dré Ferreira, ana­lis­ta da MyCap, ci­ta de­bên­tu­res, ações e fun­dos imo­bi­liá­ri­os en­tre as op­ções que têm si­do mais pro­cu­ra­das pe­los in­ves­ti­do­res.

Fo­ram fei­tas pou­cas mu­dan­ças nas car­tei­ras re­co­men­da­das pe­las cor­re­to­ras pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na. So­men­te a No­va Fu­tu­ra al­te­rou as su­as cin­co ações, pas­san­do a re­co­men­dar BR Malls ON, BB Se­gu­ri­da­de ON, CVC ON, Hy­pe­ra ON e Va­le ON.

A Mi­rae fez três mu­dan­ças, com as en­tra­das de BR Dis­tri­bui­do­ra ON, GPA PN e SulA­mé­ri­ca Unit. Fo­ram man­ti­das JBS ON e Via Va­re­jo ON.

Du­as cor­re­to­ras fi­ze­ram uma al­te­ra­ção ca­da. A MyCap re­ti­rou Kro­ton ON e trocou por Usi­mi­nas PNA. Na XP In­ves­ti­men­tos, saiu JBS ON e en­trou Mar­frig ON.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.