Pro­fis­si­o­nais re­ce­bem ori­en­ta­ções so­bre car­ga tri­bu­tá­ria

O Estado de S. Paulo - - Economia -

Em 2018, o bra­si­lei­ro tra­ba­lhou, em mé­dia, 153 di­as so­men­te pa­ra pa­gar impostos. o que re­pre­sen­ta cer­ca de 42% do ano! O ín­di­ce sur­pre­en­de e as­sus­ta pro­fis­si­o­nais das mais di­ver­sas ati­vi­da­des. No ca­so dos cor­re­to­res de imó­veis, por exem­plo, a quan­ti­da­de de di­as de tra­ba­lho de­di­ca­dos à car­ga tri­bu­tá­ria po­de che­gar a 90 di­as.

Por es­sa ra­zão, é sem­pre bom que o in­ter­me­di­a­dor en­con­tre saí­das que mi­ni­mi­zem o pe­so dos impostos em seus rendimento­s. As­sim, o pre­si­den­te do CRECISP, Jo­sé Au­gus­to Viana Ne­to, tem re­a­li­za­do vá­ri­as reu­niões em to­do o Es­ta­do, le­van­do ori­en­ta­ções a res­pei­to dos tri­bu­tos de­vi­dos em fun­ção da mo­da­li­da­de de inscrição do pro­fis­si­o­nal.

Nos en­con­tros da úl­ti­ma se­ma­na, ocor­ri­dos nas ci­da­des de Fran­ca, Ri­bei­rão Pre­to, São Carlos, São Jo­sé do Rio Pre­to, Ara­ça­tu­ba e Pre­si­den­te Pru­den­te, Viana trou­xe as ava­li­a­ções mer­ca­do­ló­gi­cas à pau­ta, mas tam­bém re­ser­vou uma par­te da reu­nião pa­ra es­cla­re­cer de­ta­lhes so­bre es­se as­sun­to.

A che­fe do De­par­ta­men­to de Se­cre­ta­ria do Con­se­lho, Pris­ci­la Ro­dri­gues Ta­keishi, acom­pa­nhou os even­tos e ex­pli­cou as prin­ci­pais for­mas de atu­a­ção dos pro­fis­si­o­nais, se­ja co­mo cor­re­to­res autô­no­mos (PF) ou co­mo pes­soa ju­rí­di­ca (PJ) mo­da­li­da­de que abre bo­as pers­pec­ti­vas pa­ra uma economia tri­bu­tá­ria.

Se­gun­do Pris­ci­la, o cor­re­tor autô­no­mo ar­ca com o pa­ga­men­to da anui­da­de PF, com INSS, IRPF e ISS e po­de-se afir­mar que qu­an­to mai­or o fa­tu­ra­men­to, mai­or o im­pos­to a ser pa­go.

“Quando se tra­ta de Pes­soa Ju­rí­di­ca, as mo­da­li­da­des re­gis­tra­das no Con­se­lho são So­ci­e­da­de, En­pre­sá­rio In­di­vi­du­al e Ei­re­li. Não é per­mi­ti­do ao cor­re­tor ser MEI, pois o fa­tu­ra­men­to anu­al não po­de ul­tra­pas­sar R$ 81 mil. No en­tan­to, em ter­mos de re­gi­me de tri­bu­ta­ção, po­de-se op­tar pe­lo lu­cro pre­su­mi­do, lu­cro re­al e Sim­ples Na­ci­o­nal, que en­glo­ba seis impostos em uma úni­ca guia de ar­re­ca­da­ção.”

De acor­do com o apre­sen­ta­do, a tri­bu­ta­ção fi­ca mais van­ta­jo­sa pa­ra a Pes­soa Ju­rí­di­ca na mo­da­li­da­de En­pre­sá­rio In­di­vi­du­al quando com­pa­ra­da a do Cor­re­tor Autô­no­mo, com uma re­du­ção de cus­tos que po­de che­gar a até 19%.

“O cor­re­tor tem fei­to es­sa con­ta e es­tá pro­cu­ran­do se ade­quar a es­se ce­ná­rio. Des­de 2014, te­mos re­ce­bi­do um nú­me­ro cres­cen­te de so­li­ci­ta­ções pa­ra inscrição co­mo Em­pre­sá­rio In­di­vi­du­al, con­fir­man­do o in­te­res­se do pro­fis­si­o­nal em oti­mi­zar seus cus­tos e aumentar seus rendimento­s”, co­men­tou Viana.

Até o fi­nal de ou­tu­bro, o pre­si­den­te ain­da le­va­rá es­se as­sun­to às ci­da­des de Ca­ra­gua­ta­tu­ba, Ma­rí­lia e Bau­ru, com­ple­tan­do o ro­tei­ro de reu­niões se­mes­trais nos mu­ni­cí­pi­os que se­di­am as de­le­ga­ci­as do Con­se­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.