Mau po­lí­ti­co não cai do céu

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

Elei­to­res têm di­rei­to de se quei­xar dos po­lí­ti­cos e se de­sen­can­tar com par­ti­dos, mas não de­vem es­pe­rar que um sal­va­dor sur­ja pa­ra de­pu­rar a de­mo­cra­cia.

Pas­sou no Con­gres­so um pa­co­te de bon­da­des pa­ra os par­ti­dos po­lí­ti­cos que, sob qual­quer pon­to de vis­ta, é in­de­cen­te. Em meio à cri­se or­ça­men­tá­ria que afe­ta pra­ti­ca­men­te to­dos os se­to­res do Es­ta­do, o pro­je­to apro­va­do abre ca­mi­nho pa­ra que es­sas agre­mi­a­ções pri­va­das se es­bal­dem ain­da mais com di­nhei­ro pú­bli­co, ra­zão pe­la qual o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, a bem da mo­ra­li­da­de pú­bli­ca, tem de ve­tá-lo.

A ver­são apro­va­da pe­la Câ­ma­ra a to­que de cai­xa es­car­ne­ce dos ci­da­dãos ao ame­ni­zar pu­ni­ções aos par­ti­dos, anis­ti­ar mul­tas e di­fi­cul­tar a fis­ca­li­za­ção de seus gas­tos – sem fa­lar na obs­ce­na per­mis­são de re­cor­rer ao fun­do par­ti­dá­rio pa­ra pa­gar ad­vo­ga­dos que atu­am na de­fe­sa de fi­li­a­dos acu­sa­dos de cor­rup­ção.

Em ra­zão da pres­são exer­ci­da so­bre os par­la­men­ta­res nas re­des so­ci­ais, o pa­co­te che­gou a ser par­ci­al­men­te de­si­dra­ta­do no Se­na­do, que, no en­tan­to, man­te­ve a pos­si­bi­li­da­de de ele­va­ção do fun­do par­ti­dá­rio, ho­je em R$ 1,7 bi­lhão – ori­gi­nal­men­te, os de­pu­ta­dos plei­te­a­vam R$ 3,7 bi­lhões. Com a de­vo­lu­ção do pro­je­to à Câ­ma­ra, os de­pu­ta­dos res­tau­ra­ram pra­ti­ca­men­te to­das as be­nes­ses que ha­vi­am si­do su­pri­mi­das pe­los se­na­do­res e apro­va­ram o pa­co­te, res­tan­do ago­ra ape­nas a san­ção pre­si­den­ci­al.

Se­ja qual for o des­fe­cho des­se epi­só­dio, tra­ta-se de ma­ni­fes­ta­ção inequí­vo­ca de que re­sis­te em par­te do Con­gres­so, a des­pei­to da gran­de re­no­va­ção pro­mo­vi­da nas úl­ti­mas elei­ções, um es­pí­ri­to re­tró­gra­do, que con­fun­de po­lí­ti­ca com es­per­te­za e abas­tar­da a re­pre­sen­ta­ção de­mo­crá­ti­ca.

Tal com­por­ta­men­to de al­guns par­la­men­ta­res deu azo a que re­cu­pe­ras­se for­ça, em par­te da opi­nião pú­bli­ca, o dis­cur­so se­gun­do o qual os par­ti­dos se pres­tam so­men­te a re­pre­sen­tar os in­te­res­ses de seus pro­pri­e­tá­ri­os, e não os dos elei­to­res, e a po­lí­ti­ca não pas­sa de um ren­tá­vel ne­gó­cio pa­ra quem a exer­ce no Con­gres­so.

Ora, é pre­ci­so lem­brar, mais uma vez, que os po­lí­ti­cos – tan­to os bons co­mo os maus – são es­co­lhi­dos em elei­ções li­vres e de­mo­crá­ti­cas pe­los ci­da­dãos. Se os bra­si­lei­ros que­rem po­lí­ti­cos me­lho­res do que os que aí es­tão, de­vem pon­de­rar me­lhor as al­ter­na­ti­vas ofe­re­ci­das an­tes de fa­zer su­as es­co­lhas na ur­na ele­trô­ni­ca – e, pas­sa­da a elei­ção, de­vem en­ga­jar-se na tra­ba­lho­sa ta­re­fa de exer­cer a ci­da­da­nia que a Cons­ti­tui­ção ga­ran­te a to­dos. Ou se­ja, de­vem par­ti­ci­par ati­va­men­te da vi­da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal.

Es­sa par­ti­ci­pa­ção po­de se dar de di­ver­sas ma­nei­ras. Em pri­mei­ro lu­gar, é in­dis­pen­sá­vel pro­cu­rar in­for­ma­ção de qua­li­da­de so­bre os pro­ble­mas na­ci­o­nais e so­bre as pro­pos­tas pa­ra re­sol­vê-los. Quem for­ma opi­nião so­men­te pe­lo que lê nas re­des so­ci­ais, am­bi­en­te ide­al pa­ra a pro­li­fe­ra­ção da de­sin­for­ma­ção, ten­de a es­co­lher po­lí­ti­cos opor­tu­nis­tas cu­ja úni­ca qua­li­da­de é sa­ber ex­plo­rar es­se pa­lan­que vir­tu­al, pois na­da en­ten­dem de po­lí­ti­cas pú­bli­cas e na­da têm a ofe­re­cer de con­cre­to pa­ra a so­lu­ção das múl­ti­plas cri­ses do País – do­mi­nam ape­nas a ar­te de es­pa­lhar fan­far­ri­ces que “la­cram” na in­ter­net. Em se­gun­do lu­gar, o ci­da­dão cons­ci­en­te de su­as obri­ga­ções pe­ran­te a so­ci­e­da­de de­ve guar­dar o no­me dos po­lí­ti­cos em quem vo­tou e acom­pa­nhar seu tra­ba­lho no Le­gis­la­ti­vo, ins­tan­do-os a cum­prir bem seu pa­pel. O ide­al, além dis­so, é que os elei­to­res es­ta­be­le­çam com os par­ti­dos po­lí­ti­cos um vín­cu­lo que de­man­de des­sas agre­mi­a­ções uma atu­a­ção po­lí­ti­ca só­li­da e co­e­ren­te, ca­paz de tra­du­zir os an­sei­os da par­ce­la da po­pu­la­ção que pre­ten­dem re­pre­sen­tar.

Tu­do is­so, é cla­ro, obri­ga os ci­da­dãos a en­ca­rar a po­lí­ti­ca não co­mo es­pa­ço pri­va­ti­vo dos po­lí­ti­cos pro­fis­si­o­nais, mas sim co­mo a are­na pú­bli­ca on­de os di­fe­ren­tes pon­tos de vis­ta da so­ci­e­da­de são con­fron­ta­dos pa­ra que se ex­trai­am os con­sen­sos mí­ni­mos ne­ces­sá­ri­os pa­ra en­fren­tar os pro­ble­mas do País.

A is­so se de­no­mi­na res­pon­sa­bi­li­da­de cí­vi­ca. É cla­ro que os elei­to­res têm to­do o di­rei­to de se quei­xar dos po­lí­ti­cos e de se de­sen­can­tar com os par­ti­dos, mas não de­vem es­pe­rar que um sal­va­dor sur­ja pa­ra de­pu­rar a de­mo­cra­cia, pois is­so en­se­ja o exer­cí­cio au­to­ri­tá­rio do po­der. Em vez dis­so, de­vem ter dis­po­si­ção pa­ra as­su­mir os en­car­gos pre­vis­tos no pa­rá­gra­fo úni­co do ar­ti­go 1.º da Cons­ti­tui­ção, aque­le que diz que “to­do o po­der ema­na do po­vo”. Se é as­sim, en­tão ca­be ao po­vo fa­zer com que es­se po­der se­ja exer­ci­do da me­lhor ma­nei­ra pos­sí­vel, por meio dos di­ver­sos me­ca­nis­mos de con­tro­le e de pres­são que a de­mo­cra­cia co­lo­ca à dis­po­si­ção de to­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.